Cigarros eletrônicos para parar de fumar

Publicado:

Tempo de leitura: 4 minutos

Cochrane Review – Jamie Hartmann-Boyce, Hayden McRobbie, Nicola Lindson, Chris Bullen, Rachna Begh, Annika Theodoulou, Caitlin Notley, Nancy A Rigotti, Tari Turner, Ailsa R Butler, Peter Hajek

Temos um conteúdo detalhado sobre essa pesquisa aqui em nosso site.

Artigo original: https://www.cochranelibrary.com/cdsr/doi/10.1002/14651858.CD010216.pub7/full

“As pessoas têm maior probabilidade de parar de fumar por pelo menos seis meses usando cigarros eletrônicos com nicotina do que usando terapia de reposição de nicotina (6 estudos, 2.378 pessoas) ou cigarros eletrônicos sem nicotina (5 estudos, 1.447 pessoas). Cigarros eletrônicos de nicotina ajudam mais pessoas a parar de fumar do que nenhum suporte ou apenas suporte comportamental (7 estudos, 3126 pessoas).”

Abstrato

Introdução

Cigarros eletrônicos (ECs) são dispositivos eletrônicos portáteis que produzem um aerossol aquecendo um e-líquido. Algumas pessoas que fumam usam CEs para parar ou reduzir o tabagismo, embora algumas organizações, grupos de defesa e formuladores de políticas tenham desencorajado isso, alegando falta de evidências de eficácia e segurança. Pessoas que fumam, profissionais de saúde e reguladores querem saber se os CEs podem ajudar as pessoas a parar de fumar e se são seguros para esse fim. Esta é uma atualização de revisão realizada como parte de uma revisão sistemática viva.

Objetivos

Examinar a eficácia, a tolerabilidade e a segurança do uso de cigarros eletrônicos (CEs) para ajudar as pessoas que fumam tabaco a alcançar a abstinência tabágica a longo prazo.

Métodos de pesquisa

Pesquisamos o Cochrane Tobacco Addiction Group’s Specialized Register, o Cochrane Central Register of Controlled Trials (CENTRAL), MEDLINE, Embase e PsycINFO até 1º de julho de 2022, verificamos as referências e contatamos os autores do estudo. 

Critério de seleção

Incluímos ensaios controlados randomizados (RCTs) e ensaios cruzados randomizados, nos quais as pessoas que fumam foram randomizadas para um CE ou condição de controle. Também incluímos estudos de intervenção não controlados nos quais todos os participantes receberam uma intervenção de EC. Os estudos tiveram que relatar abstinência de cigarros em seis meses ou mais ou dados sobre marcadores de segurança em uma semana ou mais, ou ambos.

Coleta e análise de dados

Seguimos os métodos padrão da Cochrane para triagem e extração de dados. Nossas medidas de desfecho primário foram abstinência de fumar após pelo menos seis meses de acompanhamento, eventos adversos (EAs) e eventos adversos graves (SAEs). Os resultados secundários incluíram a proporção de pessoas que ainda usavam o produto do estudo (CE ou farmacoterapia) seis meses ou mais após a randomização ou início do uso de CE, alterações no monóxido de carbono (CO), pressão arterial (PA), frequência cardíaca, saturação arterial de oxigênio, função e níveis de substâncias cancerígenas ou tóxicas, ou ambos. Usamos um modelo Mantel-Haenszel de efeito fixo para calcular as razões de risco (RRs) com um intervalo de confiança (IC) de 95% para resultados dicotômicos. Para resultados contínuos, calculamos as diferenças médias. Quando apropriado, reunimos dados em metanálises.

Resultados principais

Incluímos 78 estudos concluídos, representando 22.052 participantes, dos quais 40 eram RCTs. Dezessete dos 78 estudos incluídos eram novos nesta atualização de revisão. Dos estudos incluídos, classificamos dez (todos menos um contribuindo para nossas principais comparações) com baixo risco de viés geral, 50 com alto risco geral (incluindo todos os estudos não randomizados) e o restante com risco incerto.

Houve alta certeza de que as taxas de abandono foram maiores em pessoas randomizadas para nicotina EC do que naquelas randomizadas para terapia de reposição de nicotina (NRT) (RR 1,63, IC 95% 1,30 a 2,04; I 2 = 10%; 6 estudos, 2378 participantes). Em termos absolutos, isso pode se traduzir em mais quatro desistentes a cada 100 (95% CI 2 a 6). Houve evidência de certeza moderada (limitada pela imprecisão) de que a taxa de ocorrência de EAs foi semelhante entre os grupos (RR 1,02, IC 95% 0,88 a 1,19; I 2 = 0%; 4 estudos, 1702 participantes). SAEs eram raros, mas não havia evidências suficientes para determinar se as taxas diferiam entre os grupos devido a imprecisão muito grave (RR 1,12, IC 95% 0,82 a 1,52; I 2 = 34%; 5 estudos, 2.411 participantes).

Houve evidência de certeza moderada, limitada pela imprecisão, de que as taxas de abandono foram maiores em pessoas randomizadas para EC com nicotina do que para EC sem nicotina (RR 1,94, IC 95% 1,21 a 3,13; I 2 = 0%; 5 estudos, 1447 participantes ). Em termos absolutos, isso pode levar a mais sete desistentes a cada 100 (IC 95% 2 a 16). Houve evidência de certeza moderada de nenhuma diferença na taxa de EAs entre esses grupos (RR 1,01, IC 95% 0,91 a 1,11; I 2 = 0%; 5 estudos, 1840 participantes). Não havia evidências suficientes para determinar se as taxas de SAEs diferiam entre os grupos, devido à imprecisão muito grave (RR 1,00, IC 95% 0,56 a 1,79; I 2 = 0%; 8 estudos, 1272 participantes).

Em comparação com suporte comportamental apenas/sem suporte, as taxas de abandono foram maiores para os participantes randomizados para nicotina EC (RR 2,66, IC 95% 1,52 a 4,65; I 2 = 0%; 7 estudos, 3126 participantes). Em termos absolutos, isso representa dois desistentes adicionais a cada 100 (IC 95% 1 a 3). No entanto, esse achado foi de certeza muito baixa, devido a problemas de imprecisão e risco de viés. Houve alguma evidência de que EAs (não graves) foram mais comuns em pessoas randomizadas para nicotina EC (RR 1,22, 95% CI 1,12 a 1,32; I 2 = 41%, baixa certeza; 4 estudos, 765 participantes) e, novamente, evidências insuficientes para determinar se as taxas de SAEs diferiram entre os grupos (RR 1,03, IC 95% 0,54 a 1,97; I 2 = 38%; 9 estudos, 1993 participantes). 

Os dados de estudos não randomizados foram consistentes com os dados do RCT. Os EAs mais comumente relatados foram irritação na garganta/boca, dor de cabeça, tosse e náusea, que tendiam a se dissipar com o uso contínuo de CE. Muito poucos estudos relataram dados sobre outros desfechos ou comparações, portanto, as evidências para eles são limitadas, com os ICs geralmente abrangendo danos e benefícios clinicamente significativos.

Conclusões dos autores

Há evidências de alta certeza de que CEs com nicotina aumentam as taxas de abandono em comparação com NRT e evidências de moderada certeza de que aumentam as taxas de abandono em comparação com CEs sem nicotina. Evidência comparando nicotina EC com cuidado usual/sem tratamento também sugere benefício, mas é menos certo. Mais estudos são necessários para confirmar o tamanho do efeito. Os intervalos de confiança foram, em sua maioria, amplos para dados sobre EAs, EAGs e outros marcadores de segurança, sem diferença em EAs entre CEs de nicotina e não-nicotina, nem entre CEs de nicotina e NRT. A incidência geral de SAEs foi baixa em todos os braços do estudo. Não detectamos evidências de danos sérios da nicotina EC, mas o acompanhamento mais longo foi de dois anos e o número de estudos foi pequeno.

A principal limitação da base de evidências continua sendo a imprecisão devido ao pequeno número de RCTs, muitas vezes com baixas taxas de eventos, mas outros RCTs estão em andamento. Para garantir que a revisão continue a fornecer informações atualizadas aos tomadores de decisão, esta revisão é uma revisão sistemática viva. Realizamos pesquisas mensalmente, com a revisão atualizada quando novas evidências relevantes se tornam disponíveis. Consulte o Banco de Dados Cochrane de Revisões Sistemáticas para obter o status atual da revisão. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Outros artigos

Cientista é banido de conferência sobre cigarros eletrônicos por difamação de organização anti-vaping

O sociólogo norueguês Karl Erik Lund foi banido de uma conferência que ajudou a organizar por conta de acusações infundadas.

Procura-se morte por cigarros eletrônicos e paga-se bem

Que tal ganhar mais de 30 mil reais provando que os cigarros eletrônicos já provocaram alguma morte no mundo?

A ideia de que os sabores dos cigarros eletrônicos fisgam as crianças é simples, convincente – e falsa.

Cigarros eletrônicos com sabores são motivo de muito debate, mas em muitos casos acabamos por ter que usar o princípio da assimetria da besteira.

A lei brasileira sobre os cigarros eletrônicos e o panorama do país nos dias atuais

Conheça em detalhes a lei brasileira sobre cigarros eletrônicos e a situação geral do país em relação aos produtos.

Newsletter

- Receba notícias em seu email

- Não compartilhamos emails com terceiros

- Cancele quando quiser

Últimas notícias

Paulo Jubilut, biólogo famoso com mais de 2.5 milhões de inscritos no Youtube, divulga vídeo com fake news sobre o vape

Da quantidade de nicotina no vape e nos cigarros até Acetato de Vitamina E, o biólogo não fez a pesquisa necessária para tratar do tema.

Decisão da ANVISA sobre cigarros eletrônicos pode ser anulada pela câmara dos deputados

Ex-diretora Cristiane Jourdan é acusada de "politização do processo" e "revanchismo" na tentativa de manter o cargo.

Vape é oportunidade de colaboração entre indústria e governo para combater tabagismo

Estudos apontam que o cigarro eletrônico desempenha importante papel na redução de danos do tabaco, apoiando a prevenção de recaídas e crises de abstinência; caso da Nova Zelândia é considerado exemplar

Aumenta a certeza de que DEFs são mais eficazes para parar de fumar do que adesivos e gomas de mascar de nicotina

Conclusão foi da Biblioteca Cochrane, referência no mundo em revisão de pesquisas de saúde.

Vídeo mostra que falta de regulação do mercado vaping estimula trabalho infantil na China

O mercado não regulado de vaporizadores alimenta uma indústria ilegal que explora crianças.