A ideia de que os sabores dos cigarros eletrônicos fisgam as crianças é simples, convincente – e falsa.

Publicado:

Tempo de leitura: 6 minutos

Matéria original publicada em https://tobaccoreporter.com/2022/12/01/the-bullshit-asymmetry-principle/

Em um informativo intitulado “Flavored E-cigarettes Hook Kids”, a Campaign for Tobacco-Free Kids afirma que “os cigarros eletrônicos com sabor estão minando os esforços gerais do país para reduzir o consumo de tabaco entre os jovens e colocando uma nova geração de crianças em risco risco de dependência da nicotina e os sérios danos à saúde resultantes do uso do tabaco”. Vamos chamar isso de “proposição ativista”.

O desafio com proposições ativistas simples, mas falsas, é que refutá-las pode exigir uma longa adoção de argumentos mais complexos. A lei de Brandolini, também conhecida como o princípio da assimetria da besteira, pode ser expressa: “A quantidade de energia necessária para refutar a besteira é uma ordem de grandeza maior do que para produzi-la”. Neste artigo, demonstraremos a lei de Brandolini abordando a simples, mas falsa, proposição ativista sobre cigarros eletrônicos com sabor por meio de uma série de perguntas.

Primeiro, os sabores causam o uso de tabaco ou nicotina pelos jovens?

A proposição ativista baseia-se na suposição de que os sabores causam o uso de cigarros eletrônicos. Muitos jovens usam cigarros eletrônicos com sabor. Portanto, afirma-se, os cigarros eletrônicos com sabor devem levar os jovens a usar cigarros eletrônicos. Mas quão provável é isso? 

Sabemos do passado que uma alta proporção de jovens pode usar tabaco se quiser, principalmente sem sabores. De acordo com a pesquisa Monitoring the Future, durante a maior parte da década de 1990, a prevalência de tabagismo nos últimos 30 dias do 12º ano nos EUA foi igual ou superior a 30%. Em 2021, o consumo de cigarros na adolescência caiu cerca de 4%, mas o vaping de nicotina chegou a 20 por cento. Talvez haja uma demanda persistente por nicotina ou tabaco, independentemente de ser aromatizado. Além disso, vamos olhar ao longo do tempo. Nos Estados Unidos, o vaping de 30 dias no ensino médio foi de 11,3% em 2016, aumentou para 27,5% em 2019, mas caiu para 14,1% em 2022. No entanto, houve muito pouca mudança na disponibilidade de cigarros eletrônicos com sabor para explicar essas oscilações. 

Existem também países onde os sabores estão amplamente disponíveis, mas o vaping juvenil é relativamente baixo. Veja o Reino Unido, por exemplo, que adota uma abordagem positiva para a redução de danos ao tabaco e vaping. Milhares de produtos aromatizados estão disponíveis, mas de acordo com uma recente avaliação oficial de evidências, o vaping juvenil permanece abaixo de 10%. E o Reino Unido nos oferece mais uma visão importante: “[D]ata mostrou que a maioria dos jovens que nunca fumou também não estava usando cigarros eletrônicos (98,3%)”. Isso nos diz que o vaping é altamente concentrado em adolescentes já abertos ao uso do tabaco.

Segundo, o que causa o uso de tabaco ou nicotina pelos jovens?

A maioria das evidências aponta para as características do indivíduo e suas circunstâncias, não para as características do produto do tabaco. O uso do tabaco é impulsionado por uma mistura complexa de fatores psicossociais, incluindo genética, tabagismo dos pais, pobreza, delinquência, rebeldia, baixa autoestima, grupo de amigos etc.

Uma revisão da literatura de 2016 identificou 98 preditores potenciais conceitualmente diferentes do início do tabagismo. Um estudo de 2019 analisou os motivos declarados para o uso de cigarros eletrônicos e concluiu que havia dois motivadores principais: “alternativa aos cigarros” e o “ambiente social mais amplo”. Para alguns jovens, o uso de tabaco ou nicotina pode trazer benefícios funcionais. Pode modular o estresse ou a ansiedade, melhorar a concentração ou ajudar a controlar condições como o transtorno de déficit de atenção e hiperatividade  (TDAH). 

Para outros, pode ser apenas frívolo e experimental. Em 2019, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA perguntaram aos jovens por que eles vaporizavam; o principal motivo foi: “Eu estava curioso sobre eles”.

Terceiro, o que os vapers adolescentes fariam se não estivessem vaping?

Implícita na proposição ativista está a ideia de que a remoção de sabores removerá o motivo para vaporizar e impedirá o usuário de vaporizar. Em um nível, há alguma verdade nisso. Se os produtos forem insossos, desagradáveis ​​ou sem gosto, talvez ninguém os use. Mas aqui está o problema: e se a demanda por tabaco e nicotina tiver causas psicossociais mais profundas, como as discutidas acima? 

Retirar os produtos aromatizados não faz com que a demanda desapareça. Os vapers adolescentes simplesmente desistiriam do vaping e fariam mais lição de casa e prática de piano? Se a demanda subjacente permanecer, isso é improvável.

Adolescentes interessados ​​em nicotina podem voltar a fumar cigarros, charutos ou outros produtos derivados do tabaco. Temos algumas evidências para isso: Quando os sabores de e-líquidos foram banidos em San Francisco em 2019, houve um aumento no tabagismo entre adolescentes em comparação com outras áreas onde os sabores não haviam sido banidos. Isso não é uma surpresa – em um estudo , jovens adultos foram questionados sobre o que fariam se os sabores dos cigarros eletrônicos fossem banidos. Cerca de um terço disse que provavelmente mudaria para cigarros.

Em 2022, os cientistas de saúde pública de Boston, Mike Siegel e Amanda Katchmar, revisaram o corpo de evidências sobre tabagismo e vaping entre jovens, concluindo que “sugere que o uso de cigarros eletrônicos pelos jovens funcionou para substituir uma cultura de tabagismo entre os jovens”. A análise econômica também apóia essa ideia – quando os preços dos cigarros eletrônicos aumentam, o vaping dos jovens cai, mas o tabagismo dos jovens aumenta. 

Isso nos diz que os cigarros eletrônicos e os cigarros funcionam como substitutos

Se os reguladores proibirem os sabores dos cigarros eletrônicos, eles não devem se surpreender se o resultado for mais fumo. Por esse motivo, Siegel e Katchmar concluíram: “[Nós] propomos uma reavaliação das políticas atuais em torno das vendas de cigarros eletrônicos, para que o declínio no uso de cigarros eletrônicos não ocorra às custas do aumento do uso de cigarros entre jovens e adultos”. Isso é muito preocupante para a proposta ativista – significa que as políticas para lidar com o vaping juvenil não podem ser avaliadas sem a preocupação com seu efeito sobre o tabagismo juvenil. Isso também significa que alguns jovens consumidores podem ser um desvio do tabagismo e são benéficos. Segue-se que a regulamentação que desencoraja o vaping pode ser facilmente prejudicial.

Quarto, como funcionaria uma proibição de sabores? 

A lógica da proposição ativista é que a proibição de produtos com sabor removeria os produtos com sabor do mercado, eliminando assim o motivo para os jovens vaporizarem. Mas não é assim que as proibições funcionam na prática. Uma proibição não faz com que o produto proibido desapareça. Mas, na prática, uma proibição causa a perturbação de um mercado. 

Provoca mudanças no comportamento dos consumidores, fornecedores legais e ilegais, preços e disponibilidade. As consequências previsíveis incluem a mudança para cigarros ou outros produtos derivados do tabaco; mudança para outras substâncias; mudar os cigarros eletrônicos para os sabores permitidos; comércio ilícito de líquidos aromatizados; mistura caseira e venda informal; comércio transfronteiriço ou vendas pela Internet; estocagem e soluções alternativas, como vendas de aromas para aromaterapia. As proibições mudam o lado da oferta, e raramente para melhor. 

Não deve haver mistério sobre isso: apesar da proibição de longa data, a pesquisa Monitorando o Futuro mostra que o uso de maconha nos últimos 30 dias do 12º ano nos EUA foi de cerca de 20% e o uso diário de cerca de 5% nos últimos 25 anos. Algumas dessas respostas à proibição de sabores aumentarão claramente os danos em comparação com o vaping. Como fumar é muito mais prejudicial, seria necessário apenas um ligeiro aumento no tabagismo para compensar qualquer benefício da redução significativa do vaping adolescente. Mas também existem riscos decorrentes da fabricação informal e soluções alternativas. A oferta ilícita colocará os adolescentes em contato com redes criminosas como consumidores e potencialmente como participantes de baixo escalão.

Quinto, o que realmente está acontecendo com o vaping juvenil?

Acredito que existam dois padrões amplos de vaping juvenil e dois comportamentos distintos no trabalho, mas geralmente são confundidos. O primeiro é o uso frívolo e experimental, onde os jovens experimentam coisas novas. Isso tem características de um modismo espumoso: uso pouco frequente, transitório e imprevisível. O segundo é o uso mais determinado de nicotina: frequente, intenso e arraigado. Mas é mais provável que esse grupo seja de adolescentes que, de outra forma, estariam usando cigarros ou outros produtos derivados do tabaco. 

O primeiro grupo contribui para a narrativa da “epidemia de vaping juvenil”, mas não é realmente um motivo de grande preocupação para a saúde pública. O segundo grupo representa a migração do uso de nicotina na sociedade para tecnologias muito mais seguras e provavelmente benéficas para a saúde pública. A proposta ativista, no entanto, exige que os formuladores de políticas acreditem que não há demanda latente para o uso de nicotina e que a remoção de produtos eliminará a nicotina da sociedade. 

Mas é muito mais plausível pensar na demanda de nicotina em termos semelhantes ao álcool, cafeína, cannabis e outras substâncias recreativas. As pessoas usam nicotina por um motivo e haverá uma demanda de longo prazo por ela. A tarefa dos formuladores de políticas e reguladores é tornar isso aceitavelmente seguro e resistir a proposições ativistas simplistas que provavelmente farão mais mal do que bem.

Em novembro de 2022, a Campaign For Tobacco Free Kids comemorou o sucesso de uma campanha ativista em massa para garantir a Proposição 31, a proibição de produtos com sabor na Califórnia. Eles podem ter vencido sua batalha política, e sua promoção agressiva da proposição ativista prevaleceu novamente. Mas em nenhum lugar de sua literatura de defesa essa poderosa coalizão nivela os eleitores da Califórnia sobre os motivos subjacentes ao uso de nicotina pelos jovens, as ligações entre fumar e vaporizar e os riscos de consequências não intencionais. Eles podem negar essa complexidade do mundo real, mas as políticas baseadas em besteiras têm uma tendência desagradável de dar errado, fazer mais mal do que bem e questionar a credibilidade de seus defensores.

Clive Bates
Clive Bateshttps://clivebates.com/
Estrategista versátil, defensor e comunicador. Tenho diversas experiências nacionais e internacionais do setor privado (~11 anos), terceiro setor (~11 anos) e governo (~9 anos) e posso ver riscos e oportunidades de muitos ângulos diferentes. Gerenciei organizações pequenas e restritas e grandes departamentos governamentais. Minhas especialidades são em bom governo, sustentabilidade, energia, meio ambiente e saúde pública, mas demonstrei que posso trazer novas percepções, desafios e apoio a quase todos os campos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Outros artigos

Portal de notícias anti-vaping ataca cigarros eletrônicos, mas defende produtos da indústria tabagista

O portal O Joio e O Trigo defende tabaco aquecido, produto da indústria tabagista, ao atacar os cigarros eletrônicos.

Estudo que alegava diagnóstico de câncer mais cedo em consumidores de cigarros eletrônicos é retratado

Mídia brasileira fez grande divulgação de estudo com qualidade tão ruim que precisou ser retratado pelo Jornal Mundial de Oncologia.

Governo de São Paulo divulga FAKE NEWS sobre cigarros eletrônicos em suas redes sociais

Publicação em dois perfis oficiais do Gov. de SP apresenta informações falsas sobre cigarros eletrônicos.

Por que EUA, Nova Zelândia e outros 77 países liberaram cigarros eletrônicos e vapes?

Olhar para a experiência internacional ressalta a importância da regulamentação para garantir o controle e a destinação adequada de vapes.

Resumo do debate organizado pelo Poder360 – Cigarros eletrônicos – Por que rever a proibição é fundamental?

Evento em Brasília organizado pelo portal de notícias Poder360 convidou especialistas para discutir a regulamentação do comércio de cigarros eletrônicos no Brasil.

Especialistas em saúde pública pedem que autoridades dos EUA corrijam desinformação sobre cigarros eletrônicos – EVALI e “porta de entrada ao tabagismo”

Mais uma vez os principais peritos em saúde pública pedem que informações incorretas sobre cigarros eletrônicos sejam corrigidas.

Newsletter

- Receba notícias em seu email

- Não compartilhamos emails com terceiros

- Cancele quando quiser

Últimas notícias

Mídia brasileira divulga estudo de baixa qualidade que alega que diagnóstico de câncer ocorre mais cedo em usuários de cigarro eletrônico

O próprio Jornal Mundial de Oncologia alerta para a baixa qualidade dos dados apresentados no trabalho e sugere cautela na interpretação dos dados.

Cientista é banido de conferência sobre cigarros eletrônicos por difamação de organização anti-vaping

O sociólogo norueguês Karl Erik Lund foi banido de uma conferência que ajudou a organizar por conta de acusações infundadas.

Procura-se morte por cigarros eletrônicos e paga-se bem

Que tal ganhar mais de 30 mil reais provando que os cigarros eletrônicos já provocaram alguma morte no mundo?