É hora de mudar a maneira como olhamos para o vaping na juventude

Publicado:

Tempo de leitura: 6 minutos

Publicado originalmente na revista Filter Mag: https://filtermag.org/youth-vaping/

O uso de cigarros eletrônicos (vaping) por menores de idade continua a dominar o discurso e a conduzir as políticas públicasDiariamente, as manchetes alarmistas da mídia alimentam a ansiedade de pais, professores e funcionários da saúde pública e criaram um pânico moral total. No entanto, o medo do uso de vaporizadores por jovens excede em muito a ameaça objetiva que ele representa – e os benefícios são quase universalmente ignorados.

Na verdade, o consumo de cigarros eletrônicos pode ser benéfico em geral para os jovens.

Essa declaração, sem dúvida, provocará reações fervorosas. Apresso-me a acrescentar que, em um mundo ideal, geralmente é melhor para a saúde dos jovens não usar vaporizadores (nem, é claro, fumar). Mas o mundo real é diferente, e os jovens sempre experimentarão atividades prazerosas, especialmente se lhes dissermos que não o façam.

Os oponentes dos cigarros eletrônicos têm usado o medo sobre o uso por jovens para demonizar a prática. “Pense nas crianças” é uma tática emotiva convincente — reminiscente do desastre da Reefer Madness dos anos 1930 e há muito usada como justificativa para a guerra global contra as drogas. Esse argumento é frequentemente usado como uma tela, quando as preocupações reais estão subjacentes a objeções ideológicas, morais ou políticas à redução de danos que são socialmente menos aceitáveis ​​de expressar.

A política de saúde pública deve ser baseada em evidências, e não em emoções, pânico moral e desinformação. Então, quais são as evidências sobre o uso de cigarros eletrônicos por jovens? Quão prejudicial é realmente e como pode ser benéfico? E talvez mais importante, qual é o impacto real do vaping na saúde e bem-estar dos jovens?

Os danos do uso do vape pelos jovens

Os jovens que correm maior risco de danos causados ​​pelo uso de cigarros eletrônicos são aqueles que nunca fumaram, pois podem ser expostos a novos e desnecessários riscos à saúde. No entanto, a maioria desses consumidores que nunca fumaram é experimental e de curto prazo. A exposição a substâncias tóxicas e o risco de danos são baixos dentro desse padrão.

Por exemplo, na Inglaterra em 2021, apenas 1% dos jovens de 11 a 15 anos que nunca fumaram cigarros usaram vaporizadores uma ou mais vezes por semana.

Frequência de vaporização por jovens que nunca fumaram na Inglaterra

Nos Estados Unidos, onde uma “epidemia de vaping juvenil” tem sido frequentemente divulgada, apenas 2,1% dos jovens de 14 a 18 anos, em 2019, usaram cigarros eletrônicos por 20 dias ou mais dentro de um mês.

O vaping pode causar dependência de nicotina em alguns jovens que ainda não fumam. No entanto, esta é uma minoria de casos – ao contrário do que a mídia e os formuladores de políticas frequentemente afirmam, que “haverá uma nova geração viciada em nicotina”. E quando isso ocorre, devemos nos perguntar que dano realmente representa além das despesas de compras regulares.

A própria nicotina é relativamente benigna nas doses usadas nos vaporizadores. Não causa câncer ou doenças pulmonares. No entanto, tem efeitos cardiovasculares menores. E se você usá-la com frequência e depois parar, poderá sentir sintomas de abstinência e desejos desagradáveis.

Monitoramento e estudos de longo prazo são essenciais para detectar quaisquer problemas emergentes. No entanto, é provável que danos graves sejam muito incomuns, mesmo após décadas de vaping.

O vaping envolve a inalação de traços de outros produtos químicos além da nicotina. Tem efeitos nos pulmões em testes celulares e laboratoriais, mas os estudos até agora não identificaram sintomas respiratórios clinicamente importantes em relação ao consumo entre jovens.

Também não há evidências de que a nicotina prejudique o cérebro adolescente humano, embora altas doses possam causar danos a roedores adolescentes. Os estudos não encontraram diferenças no QIno desempenho educacional ou nas habilidades cognitivas em adultos que fumaram no passado, em comparação com aqueles que nunca fumaram, portanto, é muito improvável que o vaping tenha esses efeitos.

E certamente não há evidências de que a vaporização de nicotina cause a doença pulmonar grave erroneamente denominada “E-cigarette or Vaping Associated Lung Injury” (EVALI), quando um culpado completamente diferente foi identificado. Também não causa convulsões ou pneumotórax espontâneo, como frequentemente se afirma. Existe um risco raro de queimaduras e ferimentos causados ​​por explosões de baterias de lítio.

O consumo de vaporizadores no longo prazo pode causar efeitos cardiovasculares e respiratórios, e o monitoramento contínuo e estudos de longo prazo são essenciais para detectar quaisquer problemas emergentes.

No entanto, como o vaping é muito menos prejudicial do que fumar, é provável que danos graves sejam muito incomuns, mesmo após décadas de uso. As pessoas que fumam cigarros, mas param aos 35 anos, têm uma recuperação completa e uma expectativa de vida normal. 

Os benefícios

O uso de cigarros eletrônicos por jovens mais frequente é feito por aqueles que já fumaram ou fumam atualmente. Vaping por jovens que já fumam é benéfico se os desviar total ou parcialmente do tabagismo, e muitos vaporizam para esse fim.

É preciso enfatizar com firmeza de que o vaping, em geral, está desviando os jovens do fumo mortal.

Alguns jovens que teriam fumado nunca começaram porque os vaporizadores de nicotina estavam disponíveis como uma alternativa. Outra pesquisa descobriu que as restrições aos cigarros eletrônicos estão associadas ao aumento do tabagismo entre os jovens.

Nunca é demais enfatizar que o vaping, em geral, está desviando os jovens do fumo mortal. Os aumentos no vaping entre jovens foram acompanhados por declínios acelerados no tabagismo nos Estados Unidos, Reino Unido e Nova Zelândia. 

Declínio acelerado no tabagismo entre jovens nos EUA, à medida que o vaping aumenta

Os jovens que experimentam cigarros eletrônicos são mais propensos a tentar fumar. Mas isso simplesmente nos diz que as pessoas com maior probabilidade de experimentar um produto de nicotina também são mais propensas a experimentar outros produtos de nicotina. Não há evidências de que o vaping faça as pessoas fumarem (a “teoria da porta de entrada”).

Os jovens que usam vaporizadores exibem os mesmos fatores genéticos, psicológicos e sociais (como pressão do grupo de pares ou tabagismo dos pais) que também predispõem as pessoas a fumar – ou seja, eles têm uma “responsabilidade comum” tanto para vaporizar quanto para fumar.

Se houver um pequeno “efeito de entrada” para alguns jovens, certamente é superado por um número muito maior que passa do tabagismo para o vaping.

Também há evidências crescentes de que aqueles que vaporizam primeiro (antes de fumar) têm menos probabilidade de fumar mais tarde, em comparação com aqueles que fumam primeiro.

Muitas pessoas também experimentam efeitos positivos da vaporização da nicotina na saúde mental. Foi demonstrado que a nicotina cria prazer, reduz a ansiedade e alivia a depressão. E, assim como os adultos, os jovens costumam usar estes produtos por esses benefícios.

A Pesquisa Canadense de Álcool e Drogas para Estudantes de Tabaco de 2021, por exemplo, relatou que o motivo mais comum para vaporizar era relaxar e aliviar a tensão. Vaping é mais comum em adolescentes com depressão e provavelmente está sendo usado por alguns para se automedicar.

Os jovens se beneficiam imensamente quando seus pais param de fumar.

A nicotina também melhora a atenção, a memória de trabalho e a função cognitiva e é benéfica para jovens com transtorno de déficit de atenção e hiperatividade e esquizofrenia. A nicotina vaporizada pode ajudar no controle de peso e é usada por alguns para esse fim. Outros benefícios são a aceitação social e o prazer.

Outro fator crítico é o papel do vaping como uma ajuda eficaz para parar de fumar em adultos. Os jovens se beneficiam imensamente quando seus pais param de fumar.

Os adultos que param de fumar têm melhor saúde e vivem mais, eliminando o trauma e a dor de perder um dos pais devido a uma doença relacionada ao tabagismo. Como o vaping é menos dispendioso do que fumar, há mais dinheiro para o orçamento familiar e menor estresse financeiro. As crianças crescem sem fumo passivo. E os pais que mudam para o vaping também não são mais modelos de fumar, o que significa que seus filhos têm menos probabilidade de começar a fumar. 

Os jovens têm problemas maiores

Mesmo que você negue alguns desses benefícios, o pânico sobre o vaping juvenil é totalmente desproporcional ao dano que causa.

Uma avaliação recente dos danos causados ​​pelas drogas aos jovens na Nova Zelândia classificou o vaping como a forma menos prejudicial de uso de drogas entre os jovens.

Nenhum jovem ou adulto jamais morreu por vaporizar nicotina.

Existem questões muito, muito maiores que deveriam nos preocupar em relação à saúde dos jovens. Na população do ensino médio dos EUA em 2021-22, 41% relataram problemas de saúde mental e 22% consideraram tentar o suicídio. Muitos outros usaram drogas com perfis de risco mais preocupantes do que a nicotina, ou praticaram sexo desprotegido.

O maior perigo do pânico criado em torno do uso de cigarros eletrônicos por jovens é que isso desencoraja os adultos que fumam a mudar.

Novamente, os jovens que não fumam geralmente devem ser aconselhados a não começar a vaporizar, devido aos pequenos riscos potenciais à saúde. Mas, em nível populacional, os benefícios do vaping juvenil, principalmente na redução das taxas de tabagismo, superam os danos.

O maior perigo do pânico criado em torno do uso de vaporizadores por jovens, no entanto, é que ele impulsiona políticas contraproducentes e desencoraja os adultos que fumam a mudar para uma alternativa muito mais segura.

Esses adultos estão morrendo prematuramente a uma taxa de mais de 8 milhões por ano – um dano real e devastador que deveria estar no topo da agenda de saúde pública. Para muitos, vaporizar nicotina é a única maneira de salvar suas vidas.

Colin Mendelsohn
Colin Mendelsohnhttp://www.colinmendelsohn.com.au/
Colin Mendelsohn trabalhou como médico, acadêmico e pesquisador em cessação do tabagismo e redução de danos causados ​​pelo tabaco por 40 anos. Ele é o presidente fundador da Australian Tobacco Harm Reduction Association e foi professor associado adjunto na Escola de Saúde Pública e Medicina Comunitária da Universidade de New South Wales. Ele é membro do grupo consultivo de especialistas que desenvolve as diretrizes nacionais para parar de fumar do Royal Australian College of General Practitioners. Ele está ativamente envolvido em ensinar, escrever, pesquisar e defender a redução de danos do tabaco.

Outros artigos

Reino Unido proibirá vapes descartáveis, restringirá sabores e fará mais coisas estúpidas

O governo do Reino Unido decidiu que proibirá os vaporizadores descartáveis ​​e sugere que proibirá os sabores dos vaporizadores. Isto irá desencadear mais tabagismo, mais comércio ilícito e mais soluções alternativas.

9 fatos e mitos sobre o vaping de acordo com o Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido

Menos prejudiciais do que fumar, ajudam contra o tabagismo, menos nicotina que os cigarros e outros fatos que o Brasil ignora sobre o vaping.

Mais um grande estudo confirma os benefícios dos cigarros eletrônicos

Um conjunto crescente de evidências mostra que os cigarros eletrônicos são muito mais seguros do que fumar e a ferramenta de cessação mais eficaz disponível.

FDA divulga dados de 2023 dos EUA com queda no tabagismo e no uso de vape adolescente após regulamentação

Tabagismo adolescente é o menor de todos os tempos e o consumo de cigarros eletrônicos continua caindo.

Colégio Real de Psiquiatras da Austrália e Nova Zelândia declara que vapes são alternativa mais segura do que o consumo de tabaco

Instituição declara que o vaping pode ser prescrito para pessoas adultas que fumam como forma de tratamento contra o tabagismo.

4 milhões de brasileiros já usaram cigarro eletrônico no Brasil e a maioria vê propaganda na TV

O relatório Covitel 2023 coletou informações de 9 mil pessoas, com 18 anos ou mais, entre janeiro e abril de 2023, e traz informações...

Newsletter

- Receba notícias em seu email

- Não compartilhamos emails com terceiros

- Cancele quando quiser

Últimas notícias

Manifestação a favor da regulamentação dos cigarros eletrônicos ocorre nesta sexta-feira em Brasília

Consumidores foram convocados a se concentrarem na frente do prédio da ANVISA a partir das 9h de sexta-feira (1º)

A desinformação sobre os cigarros eletrônicos faz vítimas reais

O estigma contra os produtos e consumidores vem causando danos graves na vida das pessoas.

Globo compartilha informações falsas em editorial que faz campanha contra cigarros eletrônicos

Contra seu próprio princípio editorial de isenção, Globo toma partido contra a regulamentação do vape no Brasil, usando informações falsas para causar pânico moral.

Apoiar a proibição dos cigarros eletrônicos no Brasil é apoiar o terrorismo

Cidadão Sírio que morou em Belo Horizonte financiou ações terroristas graças ao contrabando de cigarros eletrônicos no Brasil.

COP10 é cancelada em meio a acusações de censura, controvérsias e protestos no Panamá

Evento da OMS criticado por não permitir acesso a interessados contrários aos temas foi prejudicado pela agitação no país.