Procura-se morte por cigarros eletrônicos e paga-se bem

Publicado:

Tempo de leitura: 2 minutos

Uma post no Twitter feito por Charles A. Gardner está oferecendo, até o momento da publicação deste artigo, uma recompensa de U$ 7.000,00 (convertidos para R$ 36.330,00 na cotação de 01/12/2022) para qualquer pessoa que apresente um caso confirmado de morte diretamente ligada a inalação de vapor contendo nicotina, se referindo ao uso de cigarros eletrônicos ou vape.

Tudo começou com um post de 11 de Janeiro de 2022 em que Charles publicou:

“OFERTA DE DINHEIRO
68 milhões de adultos no planeta usam #SaferNicotine vaporizadores para evitar formas tóxicas de tabaco. Adultos já tem usado esses aparatos por 20 anos.

Eu vou pagar U$ 100,00 para qualquer um que possa fornecer prova confirmada de uma (mesmo que somente uma) morte causada pela inalação de vapor de nicotina.”

Ao longo do tempo pessoas passaram a oferecer quantias para aumentar a oferta que hoje foi atualizada para U$ 7.000,00. Além do valor, também foi atualizado o número de consumidores de cigarros eletrônicos no mundo, agora de 85 milhões.

Charles A. Gardner é neurobiólogo, tem 25 anos de experiência em saúde global, é advogado para ex-fumantes que usam nicotina mais segura e seu objetivo de acordo com o perfil no Twitter é acabar com os cigarros. Ele é diretor executivo da INNCO, uma aliança sem fins lucrativos de 35 organizações independentes lideradas por voluntários em todo o mundo. Eles são financiados por contribuições individuais em espécie e pequenas doações de milhares de ex-fumantes adultos, formando uma comunidade global de ex-fumantes ajudando os fumantes a parar de fumar e defendendo os direitos de 112 milhões de pessoas que usam nicotina mais segura.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Outros artigos

Portal de notícias anti-vaping ataca cigarros eletrônicos, mas defende produtos da indústria tabagista

O portal O Joio e O Trigo defende tabaco aquecido, produto da indústria tabagista, ao atacar os cigarros eletrônicos.

Estudo que alegava diagnóstico de câncer mais cedo em consumidores de cigarros eletrônicos é retratado

Mídia brasileira fez grande divulgação de estudo com qualidade tão ruim que precisou ser retratado pelo Jornal Mundial de Oncologia.

Governo de São Paulo divulga FAKE NEWS sobre cigarros eletrônicos em suas redes sociais

Publicação em dois perfis oficiais do Gov. de SP apresenta informações falsas sobre cigarros eletrônicos.

Por que EUA, Nova Zelândia e outros 77 países liberaram cigarros eletrônicos e vapes?

Olhar para a experiência internacional ressalta a importância da regulamentação para garantir o controle e a destinação adequada de vapes.

Resumo do debate organizado pelo Poder360 – Cigarros eletrônicos – Por que rever a proibição é fundamental?

Evento em Brasília organizado pelo portal de notícias Poder360 convidou especialistas para discutir a regulamentação do comércio de cigarros eletrônicos no Brasil.

Especialistas em saúde pública pedem que autoridades dos EUA corrijam desinformação sobre cigarros eletrônicos – EVALI e “porta de entrada ao tabagismo”

Mais uma vez os principais peritos em saúde pública pedem que informações incorretas sobre cigarros eletrônicos sejam corrigidas.

Newsletter

- Receba notícias em seu email

- Não compartilhamos emails com terceiros

- Cancele quando quiser

Últimas notícias

Mídia brasileira divulga estudo de baixa qualidade que alega que diagnóstico de câncer ocorre mais cedo em usuários de cigarro eletrônico

O próprio Jornal Mundial de Oncologia alerta para a baixa qualidade dos dados apresentados no trabalho e sugere cautela na interpretação dos dados.

Cientista é banido de conferência sobre cigarros eletrônicos por difamação de organização anti-vaping

O sociólogo norueguês Karl Erik Lund foi banido de uma conferência que ajudou a organizar por conta de acusações infundadas.

A ideia de que os sabores dos cigarros eletrônicos fisgam as crianças é simples, convincente – e falsa.

Cigarros eletrônicos com sabores são motivo de muito debate, mas em muitos casos acabamos por ter que usar o princípio da assimetria da besteira.