4 milhões de brasileiros já usaram cigarro eletrônico no Brasil e a maioria vê propaganda na TV

Publicado:

Tempo de leitura: 4 minutos

O relatório Covitel 2023 coletou informações de 9 mil pessoas, com 18 anos ou mais, entre janeiro e abril de 2023, e traz informações de âmbito nacional, com representatividade para o Brasil e para as cinco grandes regiões do país, com dados importantes sobre os cigarros eletrônicos e hábitos de consumo dos usuários.

O chamado Inquérito Telefônico de Fatores de Risco para Doenças Crônicas não Transmissíveis em Tempos de Pandemia é produzido pela Vital Strategies, Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Umane e Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco).

A Vital Strategies é uma organização fundada pela Bloomberg, uma das maiores organizações do mundo, cuja pauta é publicamente contrária à regulamentação do comércio de cigarros eletrônicos em qualquer país, prática que é acusada por especialistas mundiais no controle do tabaco como uma forma de paternalismo e lobby que tenta influenciar governos, comprometendo a soberania nacional, como aconteceu recentemente com as Filipinas.

No website – tobaccocontrolgrants.org – consta o texto “Desde 2005, a Bloomberg Philanthropies comprometeu mais de 1,58 bilhões de dólares para apoiar uma iniciativa para reduzir o consumo de tabaco em países de baixo e médio rendimento. Uma prioridade da Iniciativa Bloomberg para Reduzir o Uso do Tabaco é um Programa de Subsídios gerido e administrado conjuntamente pela Vital Strategies ( VS ) e pela Campaign for Tobacco-Free Kids ( CTFK ).”

Como vimos em nossa reportagem que identifica quem é contra o comércio de vapes no país, várias organizações nacionais famosas nesse debate, já receberam fundos internacionais originados da Bloomberg, cujo total pode ter chegado a R$ 25 milhões de reais.

Por aqui, a Vital Strategies enviou contribuição em vídeo para a 19º reunião da Anvisa no dia 01 de Dezembro apoiando o banimento dos cigarros eletrônicos, legislação que está em discussão e foi colocada em consulta pública.

O relatório Covitel foi realizado pela primeira vez em 2022, para contribuir com a geração de dados sobre o comportamento da população brasileira quanto aos fatores de risco para as doenças crônicas não transmissíveis (DCNT), que são a maior causa de morte no mundo. Assim como no ano passado, a edição de 2023 traz informações sobre prática de atividade física, hábitos alimentares, saúde mental, estado de saúde, prevalências de hipertensão arterial e diabetes, consumo de álcool e tabagismo.

De acordo com o relatório, “a prevalência de experimentação de cigarro eletrônico no Brasil foi de 7.3% (IC95% = 6.0;
8.9) no primeiro trimestre de 2022 e 8.0% (IC95% = 5.7; 11.1) no primeiro trimestre de 2023. As análises que constam nesta seção consideram o número estimado de pessoas que usam ou já usaram cigarro eletrônico (cerca de 4 milhões de pessoas no Brasil, no primeiro trimestre de 2023).”

O principal motivo apontado para a utilização de cigarro eletrônico foi “para experimentar ou por curiosidade” (20,5% dos usuários). Os sabores, apontados pelas organizações contrárias como apelativos e principal motivo pelo interesse das pessoas, principalmente jovens, ficou somente em 5º lugar com 6,8%.

Já o principal local de aquisição do cigarro eletrônico foi em “lojas, quiosques ou bares” (43,1% dos usuários), mostrando que as pessoas preferem comprar em locais físicos. Em segundo lugar aparece a internet, com 29,9%.

O mais curioso, é que o principal local onde as pessoas dizem ter visto propagandas de cigarro eletrônico foi a televisão (57,3% das pessoas que referiram já ter visto propaganda deste produto). Obviamente não existem propagandas de cigarros eletrônicos na televisão, uma vez que a prática é proibida desde 2009 pela Anvisa – Agência Nacional de Vigilância Sanitária e nenhum veículo de TV aceitaria veicular uma propaganda de um produto proibido.

Então o que está acontecendo?

O mesmo fenômeno acontece nos EUA, com campanhas anti-vaping produzidas por grupos como o Tobacco-Free Kids, outra organização fortemente financiada pela Bloomberg e parceira da Vital Strategies.

Em um artigo da Filter Magazine, Michelle Minton, investigadora sênior do Competitive Enterprise Institute, produziu um relatório que batizou de “Psicologia Perversa – Como os ativistas anti-vaping criaram a “epidemia” de vaping juvenil”, argumentando que as campanhas anti-vaping nos EUA que retratam os cigarros eletrônicos como uma epidemia juvenil mortal têm o efeito oposto ao pretendido. Ela observou que, após um aumento inicial na vaporização entre jovens, houve um declínio por volta de 2015-2017 – mas que um aumento de 78% no número de estudantes do ensino médio que experimentaram a vaporização em 2018 seguiu-se a uma proliferação de campanhas anti-vaping na mídia.

Aqui no Brasil, fora o relativo interesse da mídia em esporadicamente tratar do assunto nos últimos 2 anos, há um impulso cíclico da imprensa sempre quando o tema é aquecido por algum motivo, como consultas públicas e reuniões realizadas pela Anvisa. Em ambos os momentos, a maior parte da narrativa costuma ser negativa, como é padrão atual do jornalismo, já que notícias assustadoras e chocantes chamam mais a atenção do espectador.

O problema começa quando tais reportagens não se preocupam em apresentar informações dentro de um contexto ou confirmar se há embasamento científico para o que é mostrado, frequentemente entrevistando os mesmos profissionais de saúde dessas organizações financiadas pela Bloomberg, que usam a tática do argumento por autoridade, se vestindo não só do jaleco, mas de seus títulos e cargos, para declarar em rede nacional que “cigarros eletrônicos são mais prejudiciais do que fumar”, sem citar qualquer fonte ou referência científica.

Os dados do relatório Covitel 2023 mostram que o fenômeno que acontece nos EUA também está ocorrendo no Brasil e as narrativas contrárias aos cigarros eletrônicos e a extensa cobertura negativa da mídia, independente de motivos, interesses ou credibilidade, parecem ter o efeito inverso do pretendido, onde os brasileiros estão literalmente confundindo a presença dos produtos na TV mostrados nessas reportagens com propagandas, o que acaba criando curiosidade e interesse na cabeça das pessoas de todas as idades.

Outros artigos

Reino Unido proibirá vapes descartáveis, restringirá sabores e fará mais coisas estúpidas

O governo do Reino Unido decidiu que proibirá os vaporizadores descartáveis ​​e sugere que proibirá os sabores dos vaporizadores. Isto irá desencadear mais tabagismo, mais comércio ilícito e mais soluções alternativas.

9 fatos e mitos sobre o vaping de acordo com o Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido

Menos prejudiciais do que fumar, ajudam contra o tabagismo, menos nicotina que os cigarros e outros fatos que o Brasil ignora sobre o vaping.

Mais um grande estudo confirma os benefícios dos cigarros eletrônicos

Um conjunto crescente de evidências mostra que os cigarros eletrônicos são muito mais seguros do que fumar e a ferramenta de cessação mais eficaz disponível.

FDA divulga dados de 2023 dos EUA com queda no tabagismo e no uso de vape adolescente após regulamentação

Tabagismo adolescente é o menor de todos os tempos e o consumo de cigarros eletrônicos continua caindo.

Colégio Real de Psiquiatras da Austrália e Nova Zelândia declara que vapes são alternativa mais segura do que o consumo de tabaco

Instituição declara que o vaping pode ser prescrito para pessoas adultas que fumam como forma de tratamento contra o tabagismo.

Manifestação a favor da regulamentação dos cigarros eletrônicos ocorre nesta sexta-feira em Brasília

Consumidores foram convocados a se concentrarem na frente do prédio da ANVISA a partir das 9h de sexta-feira (1º)

Newsletter

- Receba notícias em seu email

- Não compartilhamos emails com terceiros

- Cancele quando quiser

Últimas notícias

A desinformação sobre os cigarros eletrônicos faz vítimas reais

O estigma contra os produtos e consumidores vem causando danos graves na vida das pessoas.

Globo compartilha informações falsas em editorial que faz campanha contra cigarros eletrônicos

Contra seu próprio princípio editorial de isenção, Globo toma partido contra a regulamentação do vape no Brasil, usando informações falsas para causar pânico moral.

Apoiar a proibição dos cigarros eletrônicos no Brasil é apoiar o terrorismo

Cidadão Sírio que morou em Belo Horizonte financiou ações terroristas graças ao contrabando de cigarros eletrônicos no Brasil.

COP10 é cancelada em meio a acusações de censura, controvérsias e protestos no Panamá

Evento da OMS criticado por não permitir acesso a interessados contrários aos temas foi prejudicado pela agitação no país.

Quem é contra a regulamentação do vape no Brasil?

Organizações de saúde estão fazendo campanha contra a regulamentação dos cigarros eletrônicos no Brasil.