Snus: uma alternativa convincente de redução de danos aos cigarros

Publicado:

Tempo de leitura: 2 minutos

Trabalho de Elizabeth Clarke, Keith Thompson, Sarah Weaver, Joseph Thompson, Grant O’Connell

Artigo original: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/31775744/

“Os dados científicos disponíveis, incluindo estudos populacionais de longo prazo conduzidos por órgãos independentes, demonstram que os riscos à saúde associados ao snus são consideravelmente menores do que os associados ao tabagismo”.

Abstrato

Snus é um produto de tabaco sem fumaça oral que geralmente é colocado atrás do lábio superior, solto ou em sachês com porções, e é usado principalmente na Suécia e na Noruega. O objetivo desta revisão é examinar os efeitos relatados do uso de snus em relação a efeitos específicos na saúde, como câncer de pulmão, doenças cardiovasculares, câncer pancreático, diabetes, câncer oral e doenças orais não neoplásicas. A revisão também examina o potencial de redução de danos do snus como alternativa aos cigarros, comparando a prevalência do uso de snus e do tabagismo, e a incidência relatada de doenças relacionadas ao tabaco nos países da União Europeia. A literatura científica geralmente indica que o uso de snus não é um fator de risco significativo para o desenvolvimento de câncer de pulmão, doenças cardiovasculares, câncer pancreático ou câncer oral. Estudos investigando o uso de snus e diabetes relataram que o alto consumo de snus (estimado em quatro ou mais latas por semana) pode estar associado a um risco maior de desenvolver diabetes ou componentes da síndrome metabólica; no entanto, os resultados gerais não são conclusivos. O uso de snus está associado à presença de lesões não neoplásicas da mucosa oral que cicatrizam rapidamente quando o uso é interrompido. Os dados mais recentes do Eurobarômetro de 2017 relataram que a Suécia teve a menor prevalência de uso diário de cigarros na União Europeia em 5%, enquanto o uso diário de “tabaco oral” foi relatado em 20%. Dados europeus publicados pela Organização Mundial da Saúde em 2018 indicaram que a Suécia tinha a menor taxa de mortalidade relacionada ao tabaco e a menor incidência de câncer de pulmão masculino. No geral, estatísticas de prevalência e dados epidemiológicos indicam que o uso de snus confere um benefício significativo de redução de danos que se reflete nos níveis comparativamente baixos de doenças relacionadas ao tabaco na Suécia quando comparados com o resto da Europa. Os dados científicos disponíveis, incluindo estudos populacionais de longo prazo conduzidos por órgãos independentes, demonstram que os riscos à saúde associados ao snus são consideravelmente menores do que os associados ao tabagismo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Outros artigos

Portal de notícias anti-vaping ataca cigarros eletrônicos, mas defende produtos da indústria tabagista

O portal O Joio e O Trigo defende tabaco aquecido, produto da indústria tabagista, ao atacar os cigarros eletrônicos.

Estudo que alegava diagnóstico de câncer mais cedo em consumidores de cigarros eletrônicos é retratado

Mídia brasileira fez grande divulgação de estudo com qualidade tão ruim que precisou ser retratado pelo Jornal Mundial de Oncologia.

Governo de São Paulo divulga FAKE NEWS sobre cigarros eletrônicos em suas redes sociais

Publicação em dois perfis oficiais do Gov. de SP apresenta informações falsas sobre cigarros eletrônicos.

Por que EUA, Nova Zelândia e outros 77 países liberaram cigarros eletrônicos e vapes?

Olhar para a experiência internacional ressalta a importância da regulamentação para garantir o controle e a destinação adequada de vapes.

Resumo do debate organizado pelo Poder360 – Cigarros eletrônicos – Por que rever a proibição é fundamental?

Evento em Brasília organizado pelo portal de notícias Poder360 convidou especialistas para discutir a regulamentação do comércio de cigarros eletrônicos no Brasil.

Especialistas em saúde pública pedem que autoridades dos EUA corrijam desinformação sobre cigarros eletrônicos – EVALI e “porta de entrada ao tabagismo”

Mais uma vez os principais peritos em saúde pública pedem que informações incorretas sobre cigarros eletrônicos sejam corrigidas.

Newsletter

- Receba notícias em seu email

- Não compartilhamos emails com terceiros

- Cancele quando quiser

Últimas notícias

Mídia brasileira divulga estudo de baixa qualidade que alega que diagnóstico de câncer ocorre mais cedo em usuários de cigarro eletrônico

O próprio Jornal Mundial de Oncologia alerta para a baixa qualidade dos dados apresentados no trabalho e sugere cautela na interpretação dos dados.

Cientista é banido de conferência sobre cigarros eletrônicos por difamação de organização anti-vaping

O sociólogo norueguês Karl Erik Lund foi banido de uma conferência que ajudou a organizar por conta de acusações infundadas.

Procura-se morte por cigarros eletrônicos e paga-se bem

Que tal ganhar mais de 30 mil reais provando que os cigarros eletrônicos já provocaram alguma morte no mundo?