No Reino Unido, vaporizadores salvaram quase 60.000% mais vidas do que cintos de segurança

Publicado:

Tempo de leitura: < 1 minuto

Um relatório produzido pela ASH – Action on Smoking and Health, uma instituição de caridade de saúde pública que trabalha para eliminar os danos causados ​​pelo tabaco, criada em janeiro de 1971 pelo Royal College of Physicians, apresenta dados que indicam que os cigarros eletrônicos salvaram mais vidas do que qualquer outro produto de redução de danos na Inglaterra.

O uso adulto de vaporizadores com nicotina no Reino Unido é de 4,3 milhões em 2022. Destes, 57% deles são ex-fumantes (2,5 milhões).

Considerados pelo menos 95% mais seguro, os vapores de nicotina (“cigarros eletrônicos”) salvaram potencialmente até 1,2 milhão de vidas. Este número pode ser ainda maior se considerarmos os fumantes que pararam de fumar usando os cigarros eletrônicos e consequentemente também pararam de usar os produtos de vaporização na última década.

Mesmo que sejamos extremamente conservadores e façamos a divisão destes dados pela metade, ainda teremos um total de 500.000 vidas salvas pelo uso de vaporizadores.

Para comparação, o Conselho de Segurança Britânico divulga que os cintos de segurança salvam 2.000 vidas todos os anos no Reino Unido. Nos EUA o cinto de segurança foi responsável por salvar 14.955 vidas de passageiros em 2017, segundo o Departamento de Transportes dos EUA.

Nenhum outro produto mostra um potencial para salvar vidas maior do que os cigarros eletrônicos quando oferecidos em mercados regulados, com fiscalização, controle e regras sanitárias rígidas.

Outros artigos

Reino Unido proibirá vapes descartáveis, restringirá sabores e fará mais coisas estúpidas

O governo do Reino Unido decidiu que proibirá os vaporizadores descartáveis ​​e sugere que proibirá os sabores dos vaporizadores. Isto irá desencadear mais tabagismo, mais comércio ilícito e mais soluções alternativas.

9 fatos e mitos sobre o vaping de acordo com o Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido

Menos prejudiciais do que fumar, ajudam contra o tabagismo, menos nicotina que os cigarros e outros fatos que o Brasil ignora sobre o vaping.

Mais um grande estudo confirma os benefícios dos cigarros eletrônicos

Um conjunto crescente de evidências mostra que os cigarros eletrônicos são muito mais seguros do que fumar e a ferramenta de cessação mais eficaz disponível.

FDA divulga dados de 2023 dos EUA com queda no tabagismo e no uso de vape adolescente após regulamentação

Tabagismo adolescente é o menor de todos os tempos e o consumo de cigarros eletrônicos continua caindo.

Colégio Real de Psiquiatras da Austrália e Nova Zelândia declara que vapes são alternativa mais segura do que o consumo de tabaco

Instituição declara que o vaping pode ser prescrito para pessoas adultas que fumam como forma de tratamento contra o tabagismo.

4 milhões de brasileiros já usaram cigarro eletrônico no Brasil e a maioria vê propaganda na TV

O relatório Covitel 2023 coletou informações de 9 mil pessoas, com 18 anos ou mais, entre janeiro e abril de 2023, e traz informações...

Newsletter

- Receba notícias em seu email

- Não compartilhamos emails com terceiros

- Cancele quando quiser

Últimas notícias

Manifestação a favor da regulamentação dos cigarros eletrônicos ocorre nesta sexta-feira em Brasília

Consumidores foram convocados a se concentrarem na frente do prédio da ANVISA a partir das 9h de sexta-feira (1º)

A desinformação sobre os cigarros eletrônicos faz vítimas reais

O estigma contra os produtos e consumidores vem causando danos graves na vida das pessoas.

Globo compartilha informações falsas em editorial que faz campanha contra cigarros eletrônicos

Contra seu próprio princípio editorial de isenção, Globo toma partido contra a regulamentação do vape no Brasil, usando informações falsas para causar pânico moral.

Apoiar a proibição dos cigarros eletrônicos no Brasil é apoiar o terrorismo

Cidadão Sírio que morou em Belo Horizonte financiou ações terroristas graças ao contrabando de cigarros eletrônicos no Brasil.

COP10 é cancelada em meio a acusações de censura, controvérsias e protestos no Panamá

Evento da OMS criticado por não permitir acesso a interessados contrários aos temas foi prejudicado pela agitação no país.