Odysee

Resumo do Seminário Internacional de Redução de Danos

Publicado:

Tempo de leitura: 5 minutos

Alexandro “Hazard” Lucian, criador do Vapor Aqui, foi um dos convidados como palestrante do “Seminário Internacional de Redução de Danos: Histórico, Atualidade e Perspectivas” que ocorreu na Faculdade São Leopoldo Mandic, em Campinas – SP no dia 17 de Maio e trago aqui um resumo do evento e dos principais assuntos discutidos.

Entre professores, especialistas, mestres e doutores com grande gabarito em suas áreas, ofereceram muita informação para um público de cerca de 200 pessoas, compostas principalmente de estudantes, profissionais e interessados na área de saúde pública.

O evento contou com 4 palestras.

Primeira palestra

Na primeira, o Prof. Dr. Maurício Fiore, pesquisador do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap) e editor da Platô: drogas e políticas, uma revista científica da Plataforma Brasileira de Política de Drogas, falou sobre sua experiência no campo de pesquisas sobre drogas.

Em companhia do moderador Prof. Dr. Thiago Trapé, doutor em Política, Planejamento e Gestão em Saúde, fizeram um painel sobre políticas de saúde em relação às drogas e a forma como o governo se posiciona em relação ao consumo de qualquer uma dessas substâncias.

Segunda palestra

Na segunda mesa, o Prof. Dr. André Malbergier, médico e doutor em Psiquiatria juntamente com o Moderador Dr. Pedro Farsky, falaram sobre a dicotomia do “tudo ou nada”, a ideia antiga de que é preciso que a pessoa seja completamente abstinente e pare de consumir aquilo que tem um potencial dano, para uma nova abordagem de “se você não consegue/quer parar de usar, use de maneira menos danosa possível”.

A palestra de Alexandro Lucian foi na terceira mesa de debate em companhia da Profa. Dra. Silvia Cazenave, doutora em Toxicologia e ex-superintendente de Toxicologia da Anvisa entre 2014 e 2016. A Doutora fez uma excelente apresentação sobre a quebra de paradigma em relação ao tratamento a viciados.

Terceira palestra

Antigamente o pensamento era exclusivamente o internamento e a abstinência. Hoje, sabe-se que o caminho mais eficaz é o de redução de danos, ajudando a pessoa que não consegue ou não quer parar de consumir algum tipo de substância, a utilizá-la de forma menos destrutiva.

A forma mais clássica que representa esta política de redução de danos é a distribuição de seringas descartáveis para usuários de drogas injetáveis, mas isso não se resume a este tipo de consumo.

Para o viciado em cocaína, ao invés de excluí-lo da sociedade e exigir que o único tratamento seja a institucionalização e abstinência, solução que muitas vezes é ineficaz e em costuma fazer o paciente voltar a consumir a droga após liberação, a abordagem da redução de danos é indicar a melhor maneira de consumir o produto. Não utilizar dinheiro enrolado para cheirar cocaína e sim um canudo de plástico e não compartilhá-lo, intercalar as narinas entre um consumo e outro, evitando danos à mucosa nasal, entre outras sugestões.

No caso do tabagismo, pontuou a vantagem de utilizar produtos de entrega de nicotina de risco reduzido como o tabaco aquecido ou os cigarros eletrônicos.

Participação de Alexandro Lucian

A apresentação de Alexandro Lucian transmitiu ao público sua experiência como ex-fumante e consumidor de cigarros eletrônicos, história similar a de milhares de outras pessoas, que largaram o cigarro da noite para o dia, de forma muito mais fácil do que a esperada, sem recaídas e ganhando uma vida com muito menos danos.

Deixou claro que os produtos não pertencem à indústria tabagista, que não foi sua inventora e tampouco detém maior parte do mercado mundial, narrativa muito usada por quem é contra a regulamentação dos cigarros eletrônicos no Brasil, falsamente acusando os produtos de serem apenas uma estratégia comercial e de marketing das tabagistas para manter e conquistar novos clientes.

Um segundo ponto levantado, o cigarro eletrônico está sendo usado em larga escala, continuará sendo usado e seu uso só tende a aumentar no Brasil. A proibição do comércio desses produtos já faz tempo que não impede a existência de um amplo mercado que cresce a cada dia. As pessoas estão comprando e usando muitas vezes sem as informações necessárias para sua própria segurança.

Um terceiro ponto foi salientar o quão importante é uma regulamentação feita de uma forma coerente, baseada em pesquisas científicas, sem se contaminar com o terrorismo midiático e interesses de organizações ideológicas. Os cigarros eletrônicos já possuem pesquisas suficientes para determinar que são produtos de muito menor risco e que ajudam a parar de fumar.

A maioria dos fumantes brasileiros não tem escolha e continuam fumando, já que os métodos clássicos contra o tabagismo como força de vontade, adesivos, gomas de mascar e remédios possuem índice de sucesso de menos de 30%, algumas pesquisas indicando somente 7% de eficácia. Temos quase 20 milhões de fumantes e não sabemos exatamente quantos usuários de narguilé, sem contar os novos fumantes dos próximos anos. Atualmente não há nenhuma alternativa regulamentada para que essas pessoas possam trocar o consumo de um produto muito prejudicial por outro de muito menor dano.

Alexandro Lucian finalizou abordando a questão dos jovens, uma grande preocupação, mas que deve ser abordada de forma pragmática e realista. Explicou que existem 3 caminhos possíveis que um jovem pode seguir: o melhor deles é aquele que não haverá consumo de produtos que causam danos, independente de quais sejam.

O segundo caminho é evitável ou pelo menos reversível, quando um adolescente que não seria um fumante passa a usar os cigarros eletrônicos por qualquer motivo. Neste caso uma série de filtros precisam ser ultrapassados. Falham os pais na educação preventiva, falha a escola na vigilância de seu ambiente, falha o comerciante em permitir acesso a esses produtos e falha o governo em criar políticas de combate ao uso por menores.

Mesmo que todos esses filtros sejam ultrapassados, ainda teremos apenas um experimentador e não um usuário, cabendo a nós trabalharmos para impedir que isso ocorra e se ocorrer, agir para reverter o quadro, que de acordo com várias pesquisas indicam que é um percentual estatisticamente pequeno.

O terceiro e último caminho exige que sejamos realistas. Haverão muitos novos fumantes nos próximos anos e alguns destes serão jovens, não há como evitar isso. Se não há solução, então que sejam consumidores de produtos com risco reduzido. Para isso é preciso oferecer alternativas, pois no Brasil é fácil adquirir cigarros que comprovadamente viciam e matam, estes que os próprios fabricantes não querem mais oferecer, enquanto produtos como cigarros eletrônicos seguem totalmente ilegais.

Quarta palestra

O evento continuou com a última mesa de discussão com o Doutor Kevin McGuirre professor da Universidade de São Francisco na Califórnia onde estuda o uso de dispositivos eletrônicos de nicotina em companhia do Dr. José Queiroz, Diretor Executivo da Agência Piaget Para o Desenvolvimento (APDES), entidade de sociedade civil de Portugal que trabalha com comunidades e públicos em situações de vulnerabilidade (usuários de drogas sendo uma delas).

No final, foi feito uma sessão em que todos os convidados palestrantes puderam responder a questões apresentadas pelos presentes.

Abaixo você consegue conferir o resumo em vídeo:

Publicamos também as palestras na íntegra abaixo:

Segunda Palestra

Terceira Palestra

Quarta Palestra

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Notícias relacionadas

DIY – Fabricar líquidos para cigarros eletrônicos em casa

Consumidores estão optando por fazer líquidos para vaporizadores em casa, conheça as vantagens e os riscos.

Cigarros eletrônicos para novatos

Vídeo didático com as principais informações sobre cigarros eletrônicos.

FAÇA A DIFERENÇA! PETIÇÃO para a ANVISA liberar o comércio de vape no BRASIL

Assine e participe do movimento de consumidores que quer regular o comércio no Brasil.

Entrevista do Vapor Aqui no Tec Mundo

Criador do projeto é entrevistado pelo maior portal de tecnologia do Brasil.

Cigarros eletrônicos NÃO entregam mais nicotina que o cigarro convencional

Uma importante informação compartilhada entre especialistas que simplesmente não é verdade.

A EVALI nunca teve relação com os vaporizadores de nicotina consumidos no Brasil

O que realmente aconteceu e como a mídia está divulgando informações falsas.

Newsletter

- Receba notícias em seu email

- Não compartilhamos emails com terceiros

- Cancele quando quiser

Últimas notícias

A EVALI nunca teve relação com os vaporizadores de nicotina consumidos no Brasil

O que realmente aconteceu e como a mídia está divulgando informações falsas.

Guia completo sobre segurança de pilhas

Evite acidentes, saiba os conceitos básicos de segurança para vaporizadores.

Especialistas criticam relatório da ANVISA sobre cigarros eletrônicos

Documento aponta falhas graves no relatório desenvolvido pela área técnica da ANVISA.

Como soltar peças presas do atomizador?

Saiba como resolver um problema comum dos consumidores.

Como trocar a proteção de pilhas

As pilhas utilizadas no vaping possuem capas de PVC para proteção que podem se desgastar com o tempo e...

Carregando corretamente seu vaporizador

Uma questão importante de segurança que pode evitar acidentes.

Diretores da ANVISA aprovam relatório que sugere manter a proibição do comércio de cigarros eletrônicos no Brasil

Diretores da ANVISA aprovam relatório que sugere manter a proibição do comércio de cigarros eletrônicos.

Muito JOIO, pouco TRIGO, entenda a guerra contra os cigarros eletrônicos no Brasil

Entenda a guerra de jogo de interesses travada contra os cigarros eletrônicos no Brasil.