O efeito ilusório da verdade nos cigarros eletrônicos

Publicado:

Tempo de leitura: 2 minutos

O “Efeito ilusório da verdade” é um fenômeno identificado pela primeira vez em um estudo de 1977 na Villanova University e na Temple University. Trata-se de uma técnica de persuasão que ajuda o cérebro a fazer escolhas dando mais peso aos conceitos e ideias que ouvimos repetidamente.

Com essa técnica, entendemos que a repetição facilita o processamento de declarações, levando as pessoas a acreditar que a conclusão repetida é mais verdadeira. Embora a tática tenha sido citada cientificamente apenas nos últimos anos, é um fenômeno com o qual as pessoas estão familiarizadas há milênios. 

O estadista romano Cato encerrou cada um de seus discursos com um apelo à destruição de Cartago (“Ceterum censeo Carthaginem esse delendam”), sabendo que a repetição geraria concordância.

Napoleão teria dito que “Há apenas uma figura em retórica de grande importância, a saber, a repetição”, na qual uma afirmação repetida se fixa na mente de tal maneira que é aceita no final como uma verdade demonstrada.

O “efeito verdade” desempenha um papel significativo em vários campos de atividade, como política, oratória e propaganda.

Durante as campanhas eleitorais, informações falsas sobre um candidato, se repetidas em comerciais de tevê, podem fazer com que o público acredite. Da mesma forma, a publicidade que repete alegações sobre um produto pode aumentar as vendas porque alguns espectadores podem pensar que ouviram as alegações de uma fonte objetiva.

E nos cigarros eletrônicos vemos este fenômeno acontecendo em diversos países, onde o público leigo percebe os riscos dos produtos de forma muito pior do que eles realmente são.

Cigarros eletrônicos possuem apenas uma fração dos riscos dos cigarros convencionais, sendo declarados por pesquisas científicas como pelo menos 95% menos prejudiciais. Porém muitas pessoas pensam que são produtos tão ou até mais prejudiciais do que os convencionais.

No quadro acima, Clive Bates em seu blog mostra a incorreta percepção de risco nos EUA entre 2014 e 2020, por conta de uma campanha anti-vaping massiva e coordenada por grupos proibicionistas, o público passou a considerar os cigarros eletrônicos muito mais prejudiciais do que os cigarros convencionais.

Na pesquisa mais recente, apenas 2,6% têm uma percepção correta de “muito menos prejudicial”.

“Menos prejudicial” caiu de 31.9% para apenas 8,6%, mas mesmo isso é uma percepção equivocada – menos pode significar um pouco menos, como por exemplo 20% menos prejudicial, o que ainda é extremamente impreciso e seria incluído nesta resposta.

Temos 27,7% achando que os cigarros eletrônicos são mais prejudiciais ou muito mais prejudiciais do que os cigarros, e 62% acham que são tão prejudiciais ou mais prejudiciais. Não há absolutamente nenhuma base substantiva para pensar isso.

“Não sei” neste contexto com 24.4% é provavelmente resultado de informações conflitantes e confusas que circulam na mídia.

O motivo destes dados pode ser a repetição pela mídia sobre informações incorretas à respeito dos vaporizadores. Múltiplos estudos sobre o “efeito ilusório da verdade” mostram que ele funciona para 85% das pessoas.

No Brasil devido a uma companha coordenada por grupos anti-vaping, alguns financiados por capital estrangeiro, a mídia repete à exaustão informações falsas ou que simplesmente não são comprovadas cientificamente. Algumas delas é que os cigarros eletrônicos pertencem à indústria tabagista, que a EVALI foi causada pelos produtos ou ainda que eles são tão prejudiciais do que fumar, entre outras.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Outros artigos

Cientista é banido de conferência sobre cigarros eletrônicos por difamação de organização anti-vaping

O sociólogo norueguês Karl Erik Lund foi banido de uma conferência que ajudou a organizar por conta de acusações infundadas.

Procura-se morte por cigarros eletrônicos e paga-se bem

Que tal ganhar mais de 30 mil reais provando que os cigarros eletrônicos já provocaram alguma morte no mundo?

A ideia de que os sabores dos cigarros eletrônicos fisgam as crianças é simples, convincente – e falsa.

Cigarros eletrônicos com sabores são motivo de muito debate, mas em muitos casos acabamos por ter que usar o princípio da assimetria da besteira.

A lei brasileira sobre os cigarros eletrônicos e o panorama do país nos dias atuais

Conheça em detalhes a lei brasileira sobre cigarros eletrônicos e a situação geral do país em relação aos produtos.

Newsletter

- Receba notícias em seu email

- Não compartilhamos emails com terceiros

- Cancele quando quiser

Últimas notícias

Paulo Jubilut, biólogo famoso com mais de 2.5 milhões de inscritos no Youtube, divulga vídeo com fake news sobre o vape

Da quantidade de nicotina no vape e nos cigarros até Acetato de Vitamina E, o biólogo não fez a pesquisa necessária para tratar do tema.

Decisão da ANVISA sobre cigarros eletrônicos pode ser anulada pela câmara dos deputados

Ex-diretora Cristiane Jourdan é acusada de "politização do processo" e "revanchismo" na tentativa de manter o cargo.

Vape é oportunidade de colaboração entre indústria e governo para combater tabagismo

Estudos apontam que o cigarro eletrônico desempenha importante papel na redução de danos do tabaco, apoiando a prevenção de recaídas e crises de abstinência; caso da Nova Zelândia é considerado exemplar

Aumenta a certeza de que DEFs são mais eficazes para parar de fumar do que adesivos e gomas de mascar de nicotina

Conclusão foi da Biblioteca Cochrane, referência no mundo em revisão de pesquisas de saúde.

Vídeo mostra que falta de regulação do mercado vaping estimula trabalho infantil na China

O mercado não regulado de vaporizadores alimenta uma indústria ilegal que explora crianças.