Boa Vista, capital de Roraima, sanciona lei que limita o uso dos cigarros eletrônicos

Publicado:

Tempo de leitura: 4 minutos

Na última Segunda-feira dia 07 de Novembro de 2022 foi sancionada a lei municipal nº 2.432 da cidade de Boa Vista, capital de Roraima, pelo prefeito Arthur Henrique (MDB) que proíbe a produção, importação, comercialização, publicidade e também o uso de cigarros eletrônicos e seus acessórios.

Infelizmente temos visto diversos veículos de mídia cobrindo o assunto de maneira equivocada, com artigos cujos títulos são “Proibição total do cigarro eletrônico começa a valer em Boa Vista” (Folha BV) ou “Prefeito sanciona lei que proíbe uso e comercialização de cigarros eletrônicos em Boa Vista” (Globo), entre outros, o que causa confusão e preocupação nos consumidores.

O projeto do vereador Bruno Perez (MDB) inicialmente não apresentava a proibição do uso, porém o próprio político declarou na defesa de seu projeto que era favorável a essa adição. Recebendo 15 votos e uma abstenção, foi então enviado ao prefeito que aprovou a lei incluindo a proibição do uso.

O Vapor Aqui buscou apoio jurídico para interpretar a lei e esclarecer todos os pontos, que podem gerar dúvidas aos consumidores.

Em seus três primeiros artigos, a Lei diz:

Art. 1º Esta Lei dispõe sobre a proibição da produção, da importação, da comercialização, da publicidade e uso de Dispositivos Eletrônicos para Fumar, bem como dos acessórios e refis desses produtos.

Art. 2º Fica proibida em todo o município de Boa Vista a produção, a importação, a comercialização e a publicidade de Dispositivos Eletrônicos para Fumar, que incluem cigarros eletrônicos e produtos de tabaco aquecido, bem como os seus acessórios e refis, nos termos de regulamento.

Art. 3º Aos estabelecimentos privados, o descumprimento ao disposto nesta lei acarretará a imposição de multa entre 200 (duzentas) e 500 (quinhentas) vezes o valor da Unidade Fiscal do Municipal – UFM, a ser graduada de acordo com a gravidade da infração, o porte econômico do infrator, a conduta e o resultado produzido.

Proibição da importação, comercialização e propaganda

A proibição da importação, comercialização e propaganda dos cigarros eletrônicos já existe desde 2009 através da RDC 46 da ANVISA. Apesar disso, alguns estados e municípios criaram ou discutem leis redundantes a esse respeito, que acabam por não complementar ou modificar a legislação federal atual, que nunca proibiu a posse ou uso dos produtos, motivo pelo qual foi gerado um comércio ilegal gigantesco no país com milhões de atuais consumidores.

O que a nova lei de Boa Vista cria é um agravo para estabelecimentos que descumpram a legislação, pois estarão sujeitos a penalidades da ANVISA de acordo com a legislação federal e paralelamente às sanções próprias do município, criando uma potencial punição dupla.

Proibição da fabricação

Já a proibição da fabricação dos produtos, em especial os líquidos consumidos, é uma questão que a ANVISA não previu em 2009, criando uma lacuna que teoricamente permitiria a produção de cigarros eletrônicos e seus acessórios, porém não a sua venda, o que do ponto legislativo não faz sentido. Agora a lei do município de Boa Vista estabelece esse impedimento.

Existem muitas marcas de líquidos para vaporizadores fabricadas e vendidas no Brasil, todas sem qualquer fiscalização, controle sanitário ou garantia de qualidade.

É por este motivo que os cigarros eletrônicos comercializados em países que optaram por regulamentar os produtos, fiscalizando a cadeia produtiva e definindo diretrizes sanitárias, são considerados como 95% menos prejudiciais do que os cigarros convencionais, mas no Brasil acabam por ter um risco indeterminado, podendo ser até mais prejudiciais do que fumar, já que não há como saber o que os consumidores estão utilizando.

Proibição do uso

Em relação ao uso, a lei passa a ser nada mais do que uma iniciativa anti-fumo, como diversos estados já adotaram, caso por exemplo do Paraná, que desde 2009 proíbe o uso de cigarros eletrônicos e derivados em ambientes fechados coletivos públicos ou privados. Mais recentemente, o Ceará também tomou as mesmas medidas e cobrimos o caso em um vídeo e o mesmo aconteceu com a Paraíba, entre outros.

Não há qualquer limitação da posse ou uso em outros ambientes públicos ou privados como praças, na rua ou especialmente em casa, como o próprio vereador Bruno Perez (MDB), criador do projeto, declarou de acordo com o site Roraima Em Tempo.

O uso passa a ser proibido em estabelecimentos privados com identidade jurídica como restaurantes, hotéis, casas de shows, empresas e outros.

Para os locais que descumprirem a lei, será imposta multa entre 200 e 500 vezes o valor da Unidade Fiscal do Município – UFM que para 2022 foi estabelecida em R$ 3,53, portanto o valor pode ir de R$ 706,00 até R$ 1.765,00, dependendo da situação.

Não há qualquer menção de sanções aplicadas aos consumidores, apenas aos estabelecimentos. O que não fica claro é se a lei também proíbe o uso em “fumódromos”, locais específicos e exclusivos para fumantes, comuns em casas de show. Se for o caso, será uma grande ironia que seja permitido o consumo de produtos altamente tóxicos, responsáveis por mais de 8 milhões de mortes todos os anos no mundo, mas não o uso de cigarros eletrônicos, que possuem apenas uma fração dos danos dos cigarros convencionais e que até hoje não registra nenhuma morte documentada, quando usados adequadamente para consumo de nicotina.

Lei desconectada da ciência

Durante a defesa do projeto de lei, o vereador Bruno Perez (MDB) declarou que “O uso tem prejudicado também a saúde. Quem tem o cigarro, consegue recarregá-lo. O fumante passivo sofre, você tá fumando as pessoas que estão ao seu redor acaba sendo prejudicado. Eu tenho pessoa próxima a mim que está com problemas, está com mancha no pulmão, então nada mais justo que a gente proibir”.

Infelizmente legisladores ainda possuem pouco conhecimento acerca da redução dos danos do tabagismo, cuja fonte de informação acaba sendo a grande mídia, que repete dados muitas vezes com fundamento ideológico de organizações de saúde que ignoram o que a ciência mundial tem descoberto.

Até o momento não há qualquer comprovação científica do “fumante passivo” em relação aos cigarros eletrônicos e nenhum caso de “mancha no pulmão” comprovado e documentado pelo uso exclusivo de vaporizadores contendo nicotina. O que a ciência já sabe é que usar um cigarro eletrônico é muito menos prejudicial do que fumar, sendo mais eficaz para largar o tabagismo do que adesivos e gomas de mascar de nicotina, à venda livremente nas farmácias.

Esta decisão dos políticos de Boa Vista fere a liberdade de escolha e o direito de acesso das pessoas a produtos menos prejudiciais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Outros artigos

Cientista é banido de conferência sobre cigarros eletrônicos por difamação de organização anti-vaping

O sociólogo norueguês Karl Erik Lund foi banido de uma conferência que ajudou a organizar por conta de acusações infundadas.

Procura-se morte por cigarros eletrônicos e paga-se bem

Que tal ganhar mais de 30 mil reais provando que os cigarros eletrônicos já provocaram alguma morte no mundo?

A ideia de que os sabores dos cigarros eletrônicos fisgam as crianças é simples, convincente – e falsa.

Cigarros eletrônicos com sabores são motivo de muito debate, mas em muitos casos acabamos por ter que usar o princípio da assimetria da besteira.

A lei brasileira sobre os cigarros eletrônicos e o panorama do país nos dias atuais

Conheça em detalhes a lei brasileira sobre cigarros eletrônicos e a situação geral do país em relação aos produtos.

Newsletter

- Receba notícias em seu email

- Não compartilhamos emails com terceiros

- Cancele quando quiser

Últimas notícias

Paulo Jubilut, biólogo famoso com mais de 2.5 milhões de inscritos no Youtube, divulga vídeo com fake news sobre o vape

Da quantidade de nicotina no vape e nos cigarros até Acetato de Vitamina E, o biólogo não fez a pesquisa necessária para tratar do tema.

Decisão da ANVISA sobre cigarros eletrônicos pode ser anulada pela câmara dos deputados

Ex-diretora Cristiane Jourdan é acusada de "politização do processo" e "revanchismo" na tentativa de manter o cargo.

Vape é oportunidade de colaboração entre indústria e governo para combater tabagismo

Estudos apontam que o cigarro eletrônico desempenha importante papel na redução de danos do tabaco, apoiando a prevenção de recaídas e crises de abstinência; caso da Nova Zelândia é considerado exemplar

Aumenta a certeza de que DEFs são mais eficazes para parar de fumar do que adesivos e gomas de mascar de nicotina

Conclusão foi da Biblioteca Cochrane, referência no mundo em revisão de pesquisas de saúde.

Vídeo mostra que falta de regulação do mercado vaping estimula trabalho infantil na China

O mercado não regulado de vaporizadores alimenta uma indústria ilegal que explora crianças.