Diretores da ANVISA aprovam relatório que sugere manter a proibição do comércio de cigarros eletrônicos no Brasil

Publicado:

Tempo de leitura: 2 minutos

Em Reunião Extraordinária realizada hoje, 06/07/2022, a ANVISA votou pela aprovação do Relatório AIR – Análise de Impacto Regulatório, documento já tratado pelo Vapor Aqui através deste artigo, que sugere a manutenção da proibição do comércio de cigarros eletrônicos no Brasil.

A reunião começou com a apresentação de mais de 20 vídeos de instituições contrárias a regulamentação do mercado, como ACT, INCA, Fiocruz, AMB e outras. A única contribuição a favor foi feita por um representante da Philip Morris Brasil, que sugeriu uma possível judicialização caso o relatório fosse aprovado, acusando o documento de conter vários problemas e vícios.

Ao longo de mais de 4 horas e meia, o espaço foi exclusivamente usado para criticar os cigarros eletrônicos, com várias falas contraditórias e com informações que não se sustentam na literatura científica mundial.

Parecia não haver consenso sobre a prevalência de consumidores de cigarros eletrônicos no Brasil. Glória Latuf, assessora da GGTAB, mostrou dados que indicam apenas 0.64% de usuários de DEFs, enquanto outros diretores alegaram que “se encontra os produtos em todos os lugares” e que é uma “epidemia de uso”.

Durante a defesa do Relatório AIR, Glória Latuf também alega que os DEFs não são úteis para a cessação do tabagismo, o que é contestado por diversos estudos científicos como o relatório Cochrane, uma das instituições de revisão científica de maior credibilidade no mundo, além do serviço de saúde da Nova Zelândia e do serviço de saúde da Inglaterra.

Também foi dito que o vaping é uma porta de entrada ao tabagismo, apesar de existir literatura acadêmica suficiente que indique o contrário, como essa recente pesquisa mostra, além de outra de 2021 e até uma conclusão do próprio CDC, órgão de saúde americano.

O PHE – Public Health England, hoje renomeado UK Health Security Agency, órgão de saúde da Inglaterra, foi descartado e acusado de não ser confiável, nas palavras da relatora Dra. Cristiane Jourdan, que durante mais de 1 hora e meia discursou sobre seu voto.

O UKHSA produz relatórios anuais extensos sobre o impacto dos cigarros eletrônicos na saúde pública da Inglaterra e todos os anos tem apresentado dados positivos sobre os vaporizadores, acrescentando-os ao serviço de saúde público Inglês, inclusive distribuindo produtos em vários projetos sociais para adultos fumantes, como pessoas em situação de rua, até para mulheres grávidas que não conseguem parar de fumar.

Por várias vezes foi mencionado o desafio regulatório do registro de milhares de produtos diferentes, pois um dos apelos dos vaporizadores é a quantidade de sabores, modelos e escolhas que os consumidores possuem para se manter livres dos cigarros. Parece que a agência quer optar pela saída mais fácil, não pela de melhor impacto na saúde pública.

De forma unânime, o relatório foi aprovado, defendido pela relatora e acatado pelos outros diretores, mas com ressalvas. Exceto a Dra. Cristiane Jourdan, todos os votantes apontaram a necessidade de maior análise do processo, recebimento de mais contribuições da sociedade e partes interessadas e a obrigatoriedade de revisão da futura normativa caso novas dados sejam apresentados.

A continuidade do processo agora cabe ao Diretor-presidente, Sr. Antonio Barra Torres, sorteado como relator. Por enquanto, a RDC 46/2009 continua em vigor, mantendo proibido o comércio, importação e propaganda dos DEFS – dispositivos eletrônicos para fumar, mais conhecidos como cigarros eletrônicos.

Caso a nova normativa siga o Relatório AIR, passá a incluir também a proibição da fabricação desses produtos, o que não é contemplado pela resolução atual, além da realização de campanhas informativas e melhor atuação dos agentes públicos de fiscalização.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Outros artigos

Cientista é banido de conferência sobre cigarros eletrônicos por difamação de organização anti-vaping

O sociólogo norueguês Karl Erik Lund foi banido de uma conferência que ajudou a organizar por conta de acusações infundadas.

Procura-se morte por cigarros eletrônicos e paga-se bem

Que tal ganhar mais de 30 mil reais provando que os cigarros eletrônicos já provocaram alguma morte no mundo?

A ideia de que os sabores dos cigarros eletrônicos fisgam as crianças é simples, convincente – e falsa.

Cigarros eletrônicos com sabores são motivo de muito debate, mas em muitos casos acabamos por ter que usar o princípio da assimetria da besteira.

A lei brasileira sobre os cigarros eletrônicos e o panorama do país nos dias atuais

Conheça em detalhes a lei brasileira sobre cigarros eletrônicos e a situação geral do país em relação aos produtos.

Newsletter

- Receba notícias em seu email

- Não compartilhamos emails com terceiros

- Cancele quando quiser

Últimas notícias

Paulo Jubilut, biólogo famoso com mais de 2.5 milhões de inscritos no Youtube, divulga vídeo com fake news sobre o vape

Da quantidade de nicotina no vape e nos cigarros até Acetato de Vitamina E, o biólogo não fez a pesquisa necessária para tratar do tema.

Decisão da ANVISA sobre cigarros eletrônicos pode ser anulada pela câmara dos deputados

Ex-diretora Cristiane Jourdan é acusada de "politização do processo" e "revanchismo" na tentativa de manter o cargo.

Vape é oportunidade de colaboração entre indústria e governo para combater tabagismo

Estudos apontam que o cigarro eletrônico desempenha importante papel na redução de danos do tabaco, apoiando a prevenção de recaídas e crises de abstinência; caso da Nova Zelândia é considerado exemplar

Aumenta a certeza de que DEFs são mais eficazes para parar de fumar do que adesivos e gomas de mascar de nicotina

Conclusão foi da Biblioteca Cochrane, referência no mundo em revisão de pesquisas de saúde.

Vídeo mostra que falta de regulação do mercado vaping estimula trabalho infantil na China

O mercado não regulado de vaporizadores alimenta uma indústria ilegal que explora crianças.