Odysee

Uruguai libera comércio de tabaco aquecido

Publicado:

Tempo de leitura: 2 minutos

O tabaco aquecido é uma tecnologia de consumo de nicotina com risco reduzido já comercializada em mais de 60 países incluindo o Reino Unido, Japão e Estados Unidos, produtos que figuram paralelamente com os cigarros eletrônicos em alguns mercados e que de acordo com pesquisas mundiais possuem cerca de 80 a 85% menos danos do que o cigarro convencional.

Ainda quase exclusivos da indústria tabagista, mas que já possuem modelos sendo fabricados por empresas independentes Chinesas, recentemente foi aprovado para comercialização no Uruguai, que mantinha a proibição da venda destes produtos desde 2009.

O avanço científico e tecnológico destes produtos foram cruciais para que o governo uruguaio excluísse o banimento dessa alternativa no País, enquanto os cigarros eletrônicos continuam sem aprovação.

A decisão aconteceu no dia 23/03 depois de o governo excluir a proibição vigente baseando-se na diferenciação entre tabaco aquecido e cigarro eletrônico. Segundo o Poder Executivo uruguaio, é necessário considerar que os produtos de tabaco aquecido têm validação científica o suficiente para justificar o fim da proibição.

Apesar de ser uma vitória do ponto de vista da saúde pública do país, que terá agora à disposição uma alternativa muito menos destrutiva do que o tabagismo, ainda assim é curioso que os cigarros eletrônicos continuem banidos já que representam um ganho ainda maior de cerca de 95% menos danos quando comparados com o tabaco convencional.

No Brasil, o assunto está na agenda regulatória da Anvisa que, inclusive, já realizou audiências públicas para a modernização da Norma e tem previsão para conclusão do tema ainda este ano.

Uma pesquisa realizada pela consultoria internacional Povaddo em dezembro de 2020 em 20 países, incluindo o Brasil, revelou que 91% dos fumantes brasileiros – regulares ou ocasionais – teriam mais chance de optar por produtos alternativos se tivessem clareza sobre as diferenças entre eles e os cigarros, além de ter acesso à ciência por trás das soluções .

O levantamento revelou ainda, que 85% dos brasileiros acreditam que os adultos fumantes devem ter acesso e informações precisas sobre alternativas sem fumaça que estão cientificamente comprovadas como sendo melhores opções do que continuar fumando.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Notícias relacionadas

Tipos de vaporizadores

Conheça os tipos de aparelhos disponíveis no mercado e suas diferenças.

Primeiro uso de um vaporizador

Dicas para novatos que estão começando a usar vaporizadores.

Como preservar líquidos para vaporizadores

Saiba como evitar erros comuns que podem prejudicar seus produtos e como preservá-los por mais tempo.

21 e 22 de Setembro – 5ª Cúpula Científica sobre Redução de Danos do Tabaco

Brasil participa de evento que reúne especialistas do mundo todo para discutir sobre Redução dos Danos do Tabagismo.

‘Baseado mais em emoção do que ciência’: STEVE FORBES detona a ideologia contra o vaping

Editor-chefe da FORBES, um dos mais importantes veículos de mídia do mundo, fala sobre o vaping.

Algo está muito errado com a Organização Mundial da Saúde

A recusa de uma vacina eficaz para COVID pela fabricante ter laços com a indústria tabagista.

Newsletter

- Receba notícias em seu email

- Não compartilhamos emails com terceiros

- Cancele quando quiser

Últimas notícias

Algo está muito errado com a Organização Mundial da Saúde

A recusa de uma vacina eficaz para COVID pela fabricante ter laços com a indústria tabagista.

Governo proíbe 33 empresas de vender cigarros eletrônicos

As empresas enfrentarão multa de 5 mil reais diárias até encerrarem as atividades.

Revisão científica de pesquisas sobre metais inalados nos cigarros eletrônicos

Desde 2017 todos os estudos sobre metais no vaping possuem falhas de metodologia.

Médicos continuam divulgando desinformação sobre os cigarros eletrônicos

A divulgação de falácias e informações tendenciosas sobre vaporizadores tornou-se comum na mídia

Redução de danos também é importante para combater o tabagismo

Estudos apontam o quanto dispositivos eletrônicos podem reduzir danos da queima do tabaco.

No Reino Unido, vaporizadores salvaram quase 60.000% mais vidas do que cintos de segurança

Nenhum outro produto mostra um potencial para salvar vidas maior do que os cigarros eletrônicos.

O debate feroz sobre a proibição (e desbanimento) dos cigarros eletrônicos

Artigo do Boston Globe assinado pelo jornalistas e diretor do Programa de Pós-Graduação em Redação Científica do MIT.

Cigarros eletrônicos possuem mais de 8.000 pesquisas científicas publicadas

Argumento de que "não há estudos suficientes" sobre cigarros eletrônicos parece não ser válido.