Revisão científica de pesquisas sobre metais inalados nos cigarros eletrônicos

Publicado:

Tempo de leitura: 2 minutos

Uma das preocupações em relação aos cigarros eletrônicos é a potencial inalação de compostos metálicos nas emissões dos aerossóis produzidos pelos aparelhos. Independente do modelo, os cigarros eletrônicos funcionam por um mesmo sistema, composto por um algodão saturado com um líquido e uma bobina de metal que aquece e transforma esse líquido em vapor.

Como funciona um cigarro eletrônico

Todos os aparelhos funcionam da mesma forma, pelo aquecimento de uma bobina de metal que está em constante contato com o líquido a ser vaporizado. Por conta desse sistema, há preocupação de que partículas de metal seja transportadas pelo aerosol produzido e assim inaladas pelos consumidores.

O que dizem os estudos

Diversos estudos foram conduzidos para identificar se há transferência de partículas de metal para o aerosol inalado, vários deles concluindo que há perigos relevantes e chamando a atenção para o assunto.

Nos últimos 6 anos houve um grande aumento nas pesquisas relacionadas aos cigarros eletrônicos, com mais de 8000 novos trabalhos publicados. Infelizmente, nem todo conteúdo segue metodologias adequadas e várias pesquisas já foram descartadas por terem falhado em diversas etapas do processo.

Uma nova revisão dos estudos realizados

Agora, um novo artigo científico revisou estudos de laboratório publicados após 2017 sobre o tema específico de metais e a relação deles com o aerosol dos cigarros eletrônicos, com foco na consistência entre o projeto experimental, uso do dispositivo na vida real e avaliação adequada dos riscos de exposição.

Uma das grandes desafios e que mostra-se o principal ponto fraco nas metodologias de algumas pesquisas científicas é traduzir o uso de um consumidor humano para os resultados oferecidos por máquinas. É frequente o uso de robôs especiais que inalam os aerosóis e assim oferecem análises químicas. Alguns resultados obtidos foram bastante negativos, para então serem descartados após revisão, quando se concluiu que as amostras foram coletadas por meio de uso não compatível com situações normais.

Um caso bastante emblemático foi um estudo publicado em 2015 que identificou de 5 a 15 vezes mais formaldeído (uma substância cancerígena) nas amostras de cigarros eletrônicos quando comparado aos cigarros convencionais, o que conquistou bastante atenção da mídia.

Após revisão, este estudo identificou que os resultados foram obtidos através do uso por robôs em situações que jamais seriam toleradas por humanos, uma vez que os cigarros eletrônicos foram acionados em potências e temperaturas que tornariam o processo intragável a qualquer consumidor, criando falsos resultados.

A nova revisão identifica que todos os experimentos analisados, publicados após 2017, exibiram falhas experimentais.

Dentre as falhas está o mesmo problema da pesquisa de 2015, o uso de produtos em alta potência em sistemas de sopro destinados a inalação em baixa potência, causando condições de superaquecimento que favorecem a produção de tóxicos e geram aerossóis que são repelentes aos usuários humanos.

Dentre outras diversas falhas estão o erro de cálculo dos níveis de exposição dos resultados experimentais, produtos adquiridos meses ou anos antes dos experimentos, cuja validade e efeitos de corrosão podem ter tido um papel fundamental nos resultados e em geral a falta de informações importantes sobre as características dos produtos utilizados, sobre a metodologia experimental e os resultados, o que dificulta não só a interpretação dos dados como a possibilidade de replicação dos estudos, fundamental para definir se os estão corretos.

Outros artigos

Reino Unido proibirá vapes descartáveis, restringirá sabores e fará mais coisas estúpidas

O governo do Reino Unido decidiu que proibirá os vaporizadores descartáveis ​​e sugere que proibirá os sabores dos vaporizadores. Isto irá desencadear mais tabagismo, mais comércio ilícito e mais soluções alternativas.

9 fatos e mitos sobre o vaping de acordo com o Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido

Menos prejudiciais do que fumar, ajudam contra o tabagismo, menos nicotina que os cigarros e outros fatos que o Brasil ignora sobre o vaping.

Mais um grande estudo confirma os benefícios dos cigarros eletrônicos

Um conjunto crescente de evidências mostra que os cigarros eletrônicos são muito mais seguros do que fumar e a ferramenta de cessação mais eficaz disponível.

FDA divulga dados de 2023 dos EUA com queda no tabagismo e no uso de vape adolescente após regulamentação

Tabagismo adolescente é o menor de todos os tempos e o consumo de cigarros eletrônicos continua caindo.

Colégio Real de Psiquiatras da Austrália e Nova Zelândia declara que vapes são alternativa mais segura do que o consumo de tabaco

Instituição declara que o vaping pode ser prescrito para pessoas adultas que fumam como forma de tratamento contra o tabagismo.

4 milhões de brasileiros já usaram cigarro eletrônico no Brasil e a maioria vê propaganda na TV

O relatório Covitel 2023 coletou informações de 9 mil pessoas, com 18 anos ou mais, entre janeiro e abril de 2023, e traz informações...

Newsletter

- Receba notícias em seu email

- Não compartilhamos emails com terceiros

- Cancele quando quiser

Últimas notícias

Manifestação a favor da regulamentação dos cigarros eletrônicos ocorre nesta sexta-feira em Brasília

Consumidores foram convocados a se concentrarem na frente do prédio da ANVISA a partir das 9h de sexta-feira (1º)

A desinformação sobre os cigarros eletrônicos faz vítimas reais

O estigma contra os produtos e consumidores vem causando danos graves na vida das pessoas.

Globo compartilha informações falsas em editorial que faz campanha contra cigarros eletrônicos

Contra seu próprio princípio editorial de isenção, Globo toma partido contra a regulamentação do vape no Brasil, usando informações falsas para causar pânico moral.

Apoiar a proibição dos cigarros eletrônicos no Brasil é apoiar o terrorismo

Cidadão Sírio que morou em Belo Horizonte financiou ações terroristas graças ao contrabando de cigarros eletrônicos no Brasil.

COP10 é cancelada em meio a acusações de censura, controvérsias e protestos no Panamá

Evento da OMS criticado por não permitir acesso a interessados contrários aos temas foi prejudicado pela agitação no país.