Odysee

O vaping e a diabetes

Publicado:

Tempo de leitura: 3 minutos

O que é a diabetes?

A diabetes é uma doença que aflige mais de 425 milhões de pessoas ao redor do mundo, só no Brasil temos quase 8% da população com o diagnóstico da doença o que equivale a mais de 12 milhões e meio de pessoas, ocupando o 4º lugar no ranking de maior número de diagnósticos no planeta.

Ao todo, a doença matou 4 milhões de pessoas em 2017.

É uma doença crônica na qual o organismo não produz insulina ou não consegue empregá-la adequadamente no corpo. A insulina é o hormônio responsável por controlar a quantidade de glicose no sangue. Em suma, o corpo da pessoa com diabetes não consegue lidar com o açúcar que ela consome em qualquer tipo de bebida ou alimento e portanto passa a ter muito açúcar no sangue, exigindo cuidados para o resto da vida, além de uma dieta rígida e medicação.

As principais complicações da diabetes são doenças cardiovasculares, perda da visão, doenças renais e até amputação.

O tema é relevante ao vapor por conta de duas substâncias presentes nos líquidos consumidos. A glicerina e a nicotina.

Infelizmente ainda não existem estudos específicos do impacto do vaping em pessoas com diabetes, o que se sabe ainda é baseado em questões indiretas como o efeito que a nicotina causa como substância em si e normalmente atrelada ao fumo e não especificamente através do vapor, cuja absorção é bem diferente.

A glicerina no vapor

Começando pela glicerina, temos um artigo bastante completo sobre a substância através deste link, mas em resumo, a glicerina possui o poder adoçante equivalente a 60% da sacarose e uma colher de chá representa 27 kcal, praticamente o mesmo que o açúcar, com 4 calorias por grama.

Apesar disso quando consumida ela não eleva os níveis de açúcar no sangue, assim como não alimenta bactérias que causam a cárie. Só não é utilizada em larga escala como adoçante porque adoça menos, obrigando o uso em maior quantidade, o que elevaria o consumo de calorias pois apesar de ter o mesmo poder calórico do açúcar, é 40% menos adoçante.

Não há qualquer comprovação científica, estudo ou caso documentado que faça ligação entre o uso de vaporizadores e aumento de níveis de glicose em pessoas com diabetes. Os testemunhos de consumidores dizem que não há nenhuma alteração, mesmo com acompanhamento dos níveis de glicose antes e após usar cigarros eletrônicos.

A especialista em diabetes Dra. Sue Marshall (que inclusive é portadora de diabetes tipo 1) autora do livro “Diabetes: The Essencial Guide” (Diabetes: O Guia Essencial em tradução livre) declara que os açúcares presentes nos líquidos consumidos nos cigarros eletrônicos são irrelevantes para alterar o nível de glicose no sangue dos diabéticos e inclusive indica os cigarros eletrônicos para pessoas que tenham a doença de qualquer tipo e que não consigam parar de fumar. Confira a entrevista dela ao site “The Blog of E-cigarette Direct”.

Nicotina, potencial perigo

Devemos lembrar que a diabetes oferece um constante stress no corpo. Isso significa que acrescentar qualquer outro tipo de stress é uma má ideia e é por isso que o consumo de nicotina não é recomendado.

Já é sabido que a nicotina, mesmo de forma isolada, altera o ritmo cardíaco e a pressão arterial, o que em diabéticos tem uma gravidade muito maior pois problemas no coração é a principal causa de mortes provocadas pela doença.

Mais uma vez precisamos levar em consideração a redução de danos já que cigarros eletrônicos não foram feitos para ser saudáveis, mas uma alternativa muito menos prejudicial que o fumo. Se não há possibilidade de evitar o consumo de nicotina, é inegável a vantagem em se trocar o cigarro convencional pelo vaping, já que várias pesquisas apontam que os cigarros eletrônicos ajudam a parar de fumar, tendo quase 2 vezes mais sucesso do que as terapias clássicas como adesivos, gomas de mascar e remédios.

Além disso, pela forma como o vaping funciona, é possível diminuir gradativamente a quantidade de nicotina consumida nos líquidos até zerar completamente, retirando um elemento potencialmente nocivo da equação, ficando apenas com o vício mecânico.

Porém continuamos sem ter certeza dos reais riscos, se é que existem, enquanto não houver pesquisas mais aprofundadas na área, o que espero que sejam feitas devido o crescimento do vaping no mundo, o que deve atrair o interesse de cientistas e pesquisadores acerca do assunto.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Notícias relacionadas

Tipos de vaporizadores

Conheça os tipos de aparelhos disponíveis no mercado e suas diferenças.

Primeiro uso de um vaporizador

Dicas para novatos que estão começando a usar vaporizadores.

Como preservar líquidos para vaporizadores

Saiba como evitar erros comuns que podem prejudicar seus produtos e como preservá-los por mais tempo.

21 e 22 de Setembro – 5ª Cúpula Científica sobre Redução de Danos do Tabaco

Brasil participa de evento que reúne especialistas do mundo todo para discutir sobre Redução dos Danos do Tabagismo.

‘Baseado mais em emoção do que ciência’: STEVE FORBES detona a ideologia contra o vaping

Editor-chefe da FORBES, um dos mais importantes veículos de mídia do mundo, fala sobre o vaping.

Algo está muito errado com a Organização Mundial da Saúde

A recusa de uma vacina eficaz para COVID pela fabricante ter laços com a indústria tabagista.

Newsletter

- Receba notícias em seu email

- Não compartilhamos emails com terceiros

- Cancele quando quiser

Últimas notícias

Algo está muito errado com a Organização Mundial da Saúde

A recusa de uma vacina eficaz para COVID pela fabricante ter laços com a indústria tabagista.

Governo proíbe 33 empresas de vender cigarros eletrônicos

As empresas enfrentarão multa de 5 mil reais diárias até encerrarem as atividades.

Revisão científica de pesquisas sobre metais inalados nos cigarros eletrônicos

Desde 2017 todos os estudos sobre metais no vaping possuem falhas de metodologia.

Médicos continuam divulgando desinformação sobre os cigarros eletrônicos

A divulgação de falácias e informações tendenciosas sobre vaporizadores tornou-se comum na mídia

Redução de danos também é importante para combater o tabagismo

Estudos apontam o quanto dispositivos eletrônicos podem reduzir danos da queima do tabaco.

No Reino Unido, vaporizadores salvaram quase 60.000% mais vidas do que cintos de segurança

Nenhum outro produto mostra um potencial para salvar vidas maior do que os cigarros eletrônicos.

O debate feroz sobre a proibição (e desbanimento) dos cigarros eletrônicos

Artigo do Boston Globe assinado pelo jornalistas e diretor do Programa de Pós-Graduação em Redação Científica do MIT.

Cigarros eletrônicos possuem mais de 8.000 pesquisas científicas publicadas

Argumento de que "não há estudos suficientes" sobre cigarros eletrônicos parece não ser válido.