Em decisão histórica, FDA autoriza venda de cigarros eletrônicos e declara benefícios no uso por fumantes

Publicado:

Tempo de leitura: 3 minutos

Na Terça-Feira dia 12 de Outubro o Food and Drug Administration (FDA), agência reguladora dos Estados Unidos, em decisão inédita e histórica, autorizou a venda de um produto de cigarro eletrônico no País.

Os cigarros eletrônicos chegaram ao mercado americano em 2007 e apesar de muitas tentativas, polêmicas e manobras políticas, até este ano não haviam sido implementadas políticas de regulação para os produtos.

Essa falta de regulamentação criou um ambiente propício para abusos na venda como o uso de marketing agressivo ao público jovem, o que aumentou o consumo entre o público adolescente, a oferta de produtos falsos e muita desinformação acerca dos potenciais benefícios dos produtos ao público fumante.

O plano atual do FDA é cercado de polêmica, sendo acusado de ser caro demais para a maior parte do mercado, composto por empresas pequenas e familiares que não podem arcar com um processo de registro que custa centenas de milhares de dólares por produto.

Apesar disso o FDA continua analisando milhões de solicitações de autorização para venda de produtos de cigarros eletrônicos e o primeiro aprovado foi da marca R. J. Reynolds, pertencente à gigante BAT – British American Tobacco, a antiga Souza Cruz que hoje no país mudou seu nome para BAT Brasil.

O produto se chama VUSE e trata-se de um aparelho com formato similar ao cigarro convencional e oferece um sabor de tabaco. Até o momento há resistência do FDA em aprovar sabores mentolados ou de frutas.

Talvez mais importante do que a permissão de venda seja a admissão da agência de que Os aerossóis dos produtos autorizados são significativamente menos tóxicos que os cigarros de combustão, baseado em dados disponíveis“.

O FDA também determinou que “o potencial benefício para fumantes que trocaram completamente, ou reduziram de forma significativa, o uso do cigarro superaria o risco para a juventude”.

É a primeira vez que a FDA admite que os produtos são menos prejudiciais que os cigarros convencionais e ainda que o risco que eles representam para os jovens é muito menor do que o potencial benefício aos adultos fumantes.

Essa postura segue a de países como a Inglaterra, Nova Zelândia e Canadá que estão na vanguarda do assunto e há anos não apenas permitem a venda, mas incluem os produtos em sua rede de saúde pública, incentivando a troca da fumaça pelo vapor, inclusive em programas sociais como a distribuição de cigarros eletrônicos para pessoas em situação de rua e autorizando a venda de cigarros eletrônicos dentro de hospitais.

O diretor da Rede de Pesquisa em Tabaco da Universidade de Michigan, Clifford Douglas, disse que a autorização do Vuse foi “uma boa notícia inicial em termos de a agência deixar claro que seu foco é em providenciar alternativas bem avaliadas de redução de danos para adultos”.

— Essa decisão deixa claro que o entendimento científico da FDA é de que os cigarros eletrônicos são intrinsecamente e significativamente menos perigosos que os produtos de tabaco à combustão — disse Douglas, e acrescenta: — E torna igualmente claro que esses produtos podem ser bons para a proteção da saúde pública e, portanto, potencialmente ajudar milhões de fumantes adultos viciados a pararem de fumar.

No Brasil a ANVISA – agência reguladora destes produtos – proibiu o comércio, importação e propaganda dos cigarros eletrônicos em 2009 através da RDC 46/2009, porém após um longo processo regulatório prometeu até Dezembro de 2021 uma resposta sobre uma possível regulamentação dos cigarros eletrônicos no país e garantiu entregar uma legislação completa até o segundo trimestre de 2022.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Outros artigos

Portal de notícias anti-vaping ataca cigarros eletrônicos, mas defende produtos da indústria tabagista

O portal O Joio e O Trigo defende tabaco aquecido, produto da indústria tabagista, ao atacar os cigarros eletrônicos.

Estudo que alegava diagnóstico de câncer mais cedo em consumidores de cigarros eletrônicos é retratado

Mídia brasileira fez grande divulgação de estudo com qualidade tão ruim que precisou ser retratado pelo Jornal Mundial de Oncologia.

Governo de São Paulo divulga FAKE NEWS sobre cigarros eletrônicos em suas redes sociais

Publicação em dois perfis oficiais do Gov. de SP apresenta informações falsas sobre cigarros eletrônicos.

Por que EUA, Nova Zelândia e outros 77 países liberaram cigarros eletrônicos e vapes?

Olhar para a experiência internacional ressalta a importância da regulamentação para garantir o controle e a destinação adequada de vapes.

Resumo do debate organizado pelo Poder360 – Cigarros eletrônicos – Por que rever a proibição é fundamental?

Evento em Brasília organizado pelo portal de notícias Poder360 convidou especialistas para discutir a regulamentação do comércio de cigarros eletrônicos no Brasil.

Especialistas em saúde pública pedem que autoridades dos EUA corrijam desinformação sobre cigarros eletrônicos – EVALI e “porta de entrada ao tabagismo”

Mais uma vez os principais peritos em saúde pública pedem que informações incorretas sobre cigarros eletrônicos sejam corrigidas.

Newsletter

- Receba notícias em seu email

- Não compartilhamos emails com terceiros

- Cancele quando quiser

Últimas notícias

Mídia brasileira divulga estudo de baixa qualidade que alega que diagnóstico de câncer ocorre mais cedo em usuários de cigarro eletrônico

O próprio Jornal Mundial de Oncologia alerta para a baixa qualidade dos dados apresentados no trabalho e sugere cautela na interpretação dos dados.

Cientista é banido de conferência sobre cigarros eletrônicos por difamação de organização anti-vaping

O sociólogo norueguês Karl Erik Lund foi banido de uma conferência que ajudou a organizar por conta de acusações infundadas.

Procura-se morte por cigarros eletrônicos e paga-se bem

Que tal ganhar mais de 30 mil reais provando que os cigarros eletrônicos já provocaram alguma morte no mundo?