Odysee

Em decisão histórica, FDA autoriza venda de cigarros eletrônicos e declara benefícios no uso por fumantes

Publicado:

Tempo de leitura: 3 minutos

Na Terça-Feira dia 12 de Outubro o Food and Drug Administration (FDA), agência reguladora dos Estados Unidos, em decisão inédita e histórica, autorizou a venda de um produto de cigarro eletrônico no País.

Os cigarros eletrônicos chegaram ao mercado americano em 2007 e apesar de muitas tentativas, polêmicas e manobras políticas, até este ano não haviam sido implementadas políticas de regulação para os produtos.

Essa falta de regulamentação criou um ambiente propício para abusos na venda como o uso de marketing agressivo ao público jovem, o que aumentou o consumo entre o público adolescente, a oferta de produtos falsos e muita desinformação acerca dos potenciais benefícios dos produtos ao público fumante.

O plano atual do FDA é cercado de polêmica, sendo acusado de ser caro demais para a maior parte do mercado, composto por empresas pequenas e familiares que não podem arcar com um processo de registro que custa centenas de milhares de dólares por produto.

Apesar disso o FDA continua analisando milhões de solicitações de autorização para venda de produtos de cigarros eletrônicos e o primeiro aprovado foi da marca R. J. Reynolds, pertencente à gigante BAT – British American Tobacco, a antiga Souza Cruz que hoje no país mudou seu nome para BAT Brasil.

O produto se chama VUSE e trata-se de um aparelho com formato similar ao cigarro convencional e oferece um sabor de tabaco. Até o momento há resistência do FDA em aprovar sabores mentolados ou de frutas.

Talvez mais importante do que a permissão de venda seja a admissão da agência de que Os aerossóis dos produtos autorizados são significativamente menos tóxicos que os cigarros de combustão, baseado em dados disponíveis“.

O FDA também determinou que “o potencial benefício para fumantes que trocaram completamente, ou reduziram de forma significativa, o uso do cigarro superaria o risco para a juventude”.

É a primeira vez que a FDA admite que os produtos são menos prejudiciais que os cigarros convencionais e ainda que o risco que eles representam para os jovens é muito menor do que o potencial benefício aos adultos fumantes.

Essa postura segue a de países como a Inglaterra, Nova Zelândia e Canadá que estão na vanguarda do assunto e há anos não apenas permitem a venda, mas incluem os produtos em sua rede de saúde pública, incentivando a troca da fumaça pelo vapor, inclusive em programas sociais como a distribuição de cigarros eletrônicos para pessoas em situação de rua e autorizando a venda de cigarros eletrônicos dentro de hospitais.

O diretor da Rede de Pesquisa em Tabaco da Universidade de Michigan, Clifford Douglas, disse que a autorização do Vuse foi “uma boa notícia inicial em termos de a agência deixar claro que seu foco é em providenciar alternativas bem avaliadas de redução de danos para adultos”.

— Essa decisão deixa claro que o entendimento científico da FDA é de que os cigarros eletrônicos são intrinsecamente e significativamente menos perigosos que os produtos de tabaco à combustão — disse Douglas, e acrescenta: — E torna igualmente claro que esses produtos podem ser bons para a proteção da saúde pública e, portanto, potencialmente ajudar milhões de fumantes adultos viciados a pararem de fumar.

No Brasil a ANVISA – agência reguladora destes produtos – proibiu o comércio, importação e propaganda dos cigarros eletrônicos em 2009 através da RDC 46/2009, porém após um longo processo regulatório prometeu até Dezembro de 2021 uma resposta sobre uma possível regulamentação dos cigarros eletrônicos no país e garantiu entregar uma legislação completa até o segundo trimestre de 2022.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Notícias relacionadas

Tipos de vaporizadores

Conheça os tipos de aparelhos disponíveis no mercado e suas diferenças.

Primeiro uso de um vaporizador

Dicas para novatos que estão começando a usar vaporizadores.

Como preservar líquidos para vaporizadores

Saiba como evitar erros comuns que podem prejudicar seus produtos e como preservá-los por mais tempo.

21 e 22 de Setembro – 5ª Cúpula Científica sobre Redução de Danos do Tabaco

Brasil participa de evento que reúne especialistas do mundo todo para discutir sobre Redução dos Danos do Tabagismo.

‘Baseado mais em emoção do que ciência’: STEVE FORBES detona a ideologia contra o vaping

Editor-chefe da FORBES, um dos mais importantes veículos de mídia do mundo, fala sobre o vaping.

Algo está muito errado com a Organização Mundial da Saúde

A recusa de uma vacina eficaz para COVID pela fabricante ter laços com a indústria tabagista.

Newsletter

- Receba notícias em seu email

- Não compartilhamos emails com terceiros

- Cancele quando quiser

Últimas notícias

Algo está muito errado com a Organização Mundial da Saúde

A recusa de uma vacina eficaz para COVID pela fabricante ter laços com a indústria tabagista.

Governo proíbe 33 empresas de vender cigarros eletrônicos

As empresas enfrentarão multa de 5 mil reais diárias até encerrarem as atividades.

Revisão científica de pesquisas sobre metais inalados nos cigarros eletrônicos

Desde 2017 todos os estudos sobre metais no vaping possuem falhas de metodologia.

Médicos continuam divulgando desinformação sobre os cigarros eletrônicos

A divulgação de falácias e informações tendenciosas sobre vaporizadores tornou-se comum na mídia

Redução de danos também é importante para combater o tabagismo

Estudos apontam o quanto dispositivos eletrônicos podem reduzir danos da queima do tabaco.

No Reino Unido, vaporizadores salvaram quase 60.000% mais vidas do que cintos de segurança

Nenhum outro produto mostra um potencial para salvar vidas maior do que os cigarros eletrônicos.

O debate feroz sobre a proibição (e desbanimento) dos cigarros eletrônicos

Artigo do Boston Globe assinado pelo jornalistas e diretor do Programa de Pós-Graduação em Redação Científica do MIT.

Cigarros eletrônicos possuem mais de 8.000 pesquisas científicas publicadas

Argumento de que "não há estudos suficientes" sobre cigarros eletrônicos parece não ser válido.