Image default
Científico Notícias

Especialistas assinam carta pedindo que OMS promova a redução de danos do tabagismo

Um grupo formado por cerca de cem especialistas em ciência, política e prática da nicotina escreveu, em 18/10/2021, uma carta para os Chefes da Delegação da CQCT – Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco pedindo suporte para encorajar a OMS a apoiar e promover a inclusão da redução de danos do tabagismo.

Os especialistas lamentam a decisão da organização em deixar de fora a discussão sobre medidas de redução de danos para fumantes e pedem com urgência a modernização em sua abordagem em relação a política de tabaco. O documento apresenta sete pontos sobre estratégias de saúde pública em relação ao tabagismo, e termina com a recomendação de tornar a redução de danos do tabaco um componente da estratégia global para cumprir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável para a saúde.

Abaixo a carta na íntegra:

Somos especialistas independentes em ciência e política de tabaco e nicotina. Escrevemos para instar as Partes da CQCT a encorajar a OMS a apoiar e promover a inclusão da redução de danos do tabaco na Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco.

Na última década, a inovação no mercado de tabaco e nicotina significou que agora existem muitos produtos de nicotina disponíveis que não envolvem a combustão da folha de tabaco e a inalação de fumaça.

Esses produtos sem fumaça incluem produtos de vaporização, novos sachês de nicotina oral, produtos de tabaco aquecidos e tabaco sem fumaça com baixo teor de nitrosamina, como o snus. Os cigarros e outros produtos do tabaco com fumaça são responsáveis pela grande maioria das mortes causadas pelo uso do tabaco em todo o mundo. Os produtos de nicotina sem fumaça oferecem um caminho promissor para reduzir os danos causados pelo fumo. Há evidências convincentes de que os produtos sem fumaça são muito menos prejudiciais do que os cigarros e podem substituir o fumo para os indivíduos e para a população.

Reconhecemos que há incerteza quanto aos benefícios e riscos associados à evolução do mercado de produtos de tabaco não combustíveis a longo prazo e reconhecemos que existe uma continuidade de risco nesses produtos. Também somos devidamente cautelosos quanto ao envolvimento da indústria do tabaco. No entanto, devemos também considerar o corpo substancial de evidências que temos e não permitir que um excesso de cautela ou incertezas residuais neguem aos fumantes as opções promissoras de abandonar os produtos com fumaça, que sabemos com certeza serem letais.

Lamentavelmente, a OMS rejeitou o potencial de transformar o mercado de tabaco de produtos de alto risco para produtos de baixo risco. 1 A OMS rejeita uma estratégia de saúde pública que poderia evitar milhões de mortes relacionadas ao fumo. Convidamos você a considerar os sete pontos a seguir e, em seguida, nossas seis recomendações.

  1. A redução de danos do tabaco apresenta oportunidades significativas de saúde pública

Quinze ex-presidentes da principal sociedade acadêmica profissional no campo, a Sociedade para Pesquisa sobre Nicotina e Tabaco (SRNT), escreveram um ensaio científico defendendo um reequilíbrio na política de tabaco para explorar oportunidades de produtos de risco reduzido. Os autores, alguns dos especialistas mais confiáveis em todo o mundo, abordam muitos conceitos errôneos sobre os riscos para a saúde, os efeitos de porta de entrada, o uso por jovens e o vício. 2 O artigo conclui:

Embora as evidências sugiram que o “vaping” está aumentando a cessação do tabagismo, o impacto poderia ser muito maior se a comunidade de saúde pública prestasse mais atenção ao seu potencial para ajudar os fumantes adultos, os fumantes recebessem informações precisas sobre os riscos relativos do “vaping” e do fumo e políticas fossem elaboradas tendo em mente os efeitos potenciais sobre os fumantes. Isso não está acontecendo.

Isso não está acontecendo na OMS. Isso deve mudar, se necessário, por meio da liderança das Partes, se a OMS continuar relutante ou incapaz de desempenhar esse papel.

  1. Os cigarros eletrônicos são um motivador da cessação do tabagismo

Desde a COP8, as evidências continuaram a se acumular apoiando o papel que os cigarros eletrônicos desempenham na redução do tabagismo. Em particular, a Cochrane Review, que fornece uma síntese de renome mundial de evidências de ensaios clínicos, conclui em setembro de 2021:3

Os cigarros eletrônicos de nicotina provavelmente ajudam as pessoas a parar de fumar por pelo menos seis meses. Eles provavelmente funcionam melhor do que a terapia de reposição de nicotina e os cigarros eletrônicos sem nicotina. Eles podem funcionar melhor do que nenhum suporte, ou apenas suporte comportamental, e podem não estar associados a efeitos indesejáveis graves.

A evidência do ensaio é apoiada por estudos observacionais, tendências populacionais, dados de mercado e testemunhos de usuários.4 Tomadas como um todo, as evidências mostram que as alternativas sem fumaça aos cigarros substituem o hábito de fumar. A Rede de Tratamento do Tabaco da SRNT argumentou recentemente:5

As estratégias usadas para a cessação de produtos combustíveis podem ser adaptadas para novos produtos, e as recomendações de tratamento para transtorno do uso do tabaco devem ser feitas dentro do contexto de uma estrutura de redução de danos em que o uso de produtos alternativos pode ser o resultado desejado.

  1. A redução de danos do tabaco pode contribuir para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável

A meta 3.4 de ODS tem como objetivo reduzir as mortes prematuras de quatro doenças não transmissíveis (DNTs) em um terço até 2030 em comparação com 2015.6 A maioria das nações do mundo está muito aquém do progresso necessário para cumprir a meta.7 A única maneira de o controle do tabagismo fazer uma diferença substancial nesse período é a rápida cessação do tabagismo.8 As medidas de controle do tabagismo de ação mais rápida misturariam a força motriz das medidas MPOWER com a oferta de uma resposta comportamental mais direta para a maioria dos fumantes: a migração dos cigarros convencionais para produtos livres de fumaça. Essa abordagem garante uma grande redução no risco de doenças sem a luta adicional de parar de usar a nicotina. A modelagem do impacto de produtos livres de fumaça na morbidade e mortalidade relacionadas ao tabaco mostra benefícios de saúde pública muito substanciais.9

  1. As principais avaliações regulatórias e experiência apoiam os produtos de tabaco aquecidos

Embora produtos de tabaco aquecidos criem maior exposição a tóxicos do que ENDS, sachês ou tabaco sem fumaça, esses produtos podem ser uma alternativa de risco reduzido mais aceitável para alguns fumantes. A US Food and Drug Administration conduziu uma extensa avaliação de mais de dois milhões de páginas de evidências para um produto de tabaco aquecido feito por uma grande empresa de tabaco. A FDA concluiu que o produto é “apropriado para a proteção da saúde pública” e revelar ao público que ele criou exposições humanas significativamente mais baixas a tóxicos é “apropriado para a promoção da saúde pública”.10 Também está claro que quedas dramáticas no fumo no Japão seguiram a introdução de produtos de tabaco aquecidos em 2015.11 Dados de mercado mostram uma queda sem precedentes de mais de 40% no volume de cigarros e cigarrilhas vendidos no Japão entre 2015 a 2020.12 No entanto, essas descobertas significativas não são reconhecidas pela OMS em seu artigo recente para a COP9 sobre produtos de tabaco novos e emergentes.

Desconsiderando o claro potencial de saúde pública, a OMS afirmou:13

Os reguladores não devem se deixar distrair pelas táticas relacionadas à indústria do tabaco ou equivalente, ou pela promoção agressiva desses produtos.

Além disso, o secretariado da Convenção argumentou, incorretamente, que o aerossol aquecido de produto do tabaco deveria ser classificado como “fumaça de tabaco”.14 Essa abordagem minimiza os riscos dos produtos de combustão e obscurece inadequadamente a distinção crítica entre produtos com e sem fumaça. Os signatários da CQCT não devem ser desviados do significativo potencial de saúde pública dos produtos de risco reduzido simplesmente porque as empresas de tabaco os fabricam. As abordagens de redução de danos envolvem inevitavelmente produtos feitos por entidades comerciais que fabricam produtos de nicotina para o consumidor em concorrência com os cigarros. O desafio para os reguladores é alinhar os incentivos da indústria com os imperativos de saúde pública para reduzir os danos, uma abordagem conhecida como regulamentação proporcional ao risco.

  1. Os formuladores de políticas devem reconhecer as consequências não intencionais das propostas de políticas

A OMS continua a defender a proibição de alternativas de baixo risco ao fumo e aplaude os países que banem esses produtos. Por exemplo, o Dr. Harsh Vardhan, Ministro da Saúde e Bem-Estar da Família da Índia, recebeu o Prêmio de Reconhecimento Especial do Diretor-Geral da OMS, com a seguinte citação: 15

O Dr. Harsh Vardhan recebeu o prêmio por liderar a legislação do governo da Índia para proibir cigarros eletrônicos e produtos de tabaco aquecidos em 2019.

No entanto, os formuladores de políticas devem considerar o efeito provável ou plausível de tais proibições no mundo real. Que efeito isso terá sobre os 100 milhões de fumantes da Índia, que agora não têm alternativas mais seguras? Isso significaria que os jovens começariam a fumar em vez de usar o ENDS? Isso criaria um comércio ilícito significativo? Serviria principalmente aos interesses da indústria de cigarros parcialmente estatal da Índia? De forma mais geral, o Royal College of Physicians (Londres) expôs o desafio das consequências indesejadas em seu relatório de 2016:16

No entanto, se [uma abordagem avessa ao risco, preventiva] também tornar os cigarros eletrônicos menos facilmente acessíveis, menos saborosos ou aceitáveis, mais caros, menos amigáveis para o consumidor ou farmacologicamente menos eficazes, ou inibir a inovação e o desenvolvimento de produtos novos e melhorados, essa abordagem acaba por causar danos ao perpetuar o tabagismo. É difícil chegar a esse equilíbrio.

Em artigos para a Conferência das Partes, a OMS rotineiramente defende a proibição total de alternativas livres de fumaça aos cigarros ou regulamentação e tributação de produtos livres de fumaça equivalentes aos cigarros. Nenhum dos dois é apropriado para a saúde pública. O perigo dessa abordagem é que ela constitui uma proteção regulatória de fato do comércio de cigarros e irá, para citar o Royal College, causar danos ao perpetuar o fumo. Estão surgindo evidências de que o uso de ENDS desloca o hábito de fumar para outros produtos17 18 19 e que medidas para controlar o uso de ENDS podem desencadear aumentos no tabagismo. Por exemplo, evidências sugerem proibições de sabor e-liquid,20 aumentos nos impostos sobre produtos de vaporização, 21 22 proibições de publicidade de cigarro eletrônico 23 e restrições de acesso 24 podem, na verdade, aumentar o consumo de cigarros. A regulamentação excessiva de alternativas sem fumaça também favorecerá injustamente as grandes empresas que fabricam esses produtos, nomeadamente as de tabaco. Este não é um apelo para um mercado não regulamentado, mas para uma regulamentação proporcional ao risco, cuidadosamente projetada, que esteja ciente dos riscos de consequências indesejáveis prejudiciais.

  1. Colocar o uso de ENDS por adolescentes no contexto adequado

Os formuladores de políticas estão preocupados com o aumento do uso de ENDS por jovens, principalmente nos Estados Unidos. No entanto, uma análise mais profunda das evidências dos EUA, segmentando os dados por frequência de uso e uso anterior de tabaco, é reveladora e tranquilizadora. Ela mostra que: (1) a vaporização da maioria dos adolescentes é infrequente, (2) o uso frequente e a dependência de nicotina entre usuários de tabaco são raros, e (3) o uso mais frequente concentra-se em quem já usou tabaco.25 26 Apesar do aumento no uso de cigarros eletrônicos por adolescentes, não houve um aumento na dependência de nicotina. 27Os Estados Unidos observaram um declínio anormalmente rápido no tabagismo entre adolescentes, coincidindo com a absorção da fumaça.28 29 Alguns jovens usam o ENDS para parar de fumar ou como alternativa aos cigarros. Como resultado, a vaporização está substituindo o tabagismo entre os jovens e os fumantes estabelecidos.17 18 Embora haja associações positivas entre o uso de ENDS na adolescência e o tabagismo subsequente, é improvável que indiquem um ‘efeito de porta de entrada’. É mais provável que surjam de fatores de risco comuns – características de risco do indivíduo ou suas circunstâncias que os inclinam tanto ao tabagismo quanto ao uso de ENDS. 0 31 32 33

  1. Há apoio de saúde pública para redução de danos no controle do tabagismo

A redução de danos é praticada em muitas áreas da saúde pública (drogas ilícitas, saúde sexual, HIV), e a Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco (Artigo 1d) também reconhece a redução de danos como um componente do controle do tabagismo. Para centenas de milhões de pessoas que lutam para parar de fumar ou querem continuar a usar a nicotina, esses produtos representam uma via adicional significativa para escapar das formas mais mortais da nicotina. O tabagismo é responsável por 98% da carga global de mortalidade relacionada ao tabaco.34 35 Grande parte da retórica da OMS enquadra a redução dos danos do tabaco como uma estratégia da indústria para minar o controle do tabaco. Mas isso ignora o apoio substancial de especialistas para a redução de danos do tabaco na saúde pública e controle do tabaco36 e a experiência de milhões de fumantes que mudaram com sucesso e estão em melhor situação física, social e econômica.37

Nossas recomendações

Recomendamos que as Partes da CQCT adotem uma abordagem mais questionadora e assertiva em relação à defesa da OMS sobre alternativas livres de fumaça ao tabagismo e realizem o seguinte: Tornar a redução de danos do tabaco um componente da estratégia global para cumprir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável para a saúde, especialmente o ODS 3.4 sobre doenças não transmissíveis.

  • Insistam para que qualquer análise de política da OMS faça uma avaliação adequada dos benefícios para fumantes ou aspirantes a fumantes, incluindo adolescentes, bem como dos riscos para usuários e não usuários desses produtos.
  • Exijam que quaisquer propostas de políticas, especialmente proibições, reflitam os riscos de consequências indesejadas, incluindo aumentos potenciais no tabagismo e outras reações adversas.
  • Apliquem adequadamente o Artigo 5.3 da CQCT para lidar com a negligência genuína da indústria do tabaco, mas não para criar uma barreira contraproducente para produtos de risco reduzido que tenham benefícios para a saúde pública ou para impedir a avaliação crítica dos dados da indústria estritamente com base em seus méritos científicos.
  • Tornem as negociações da CQCT mais abertas às partes interessadas com perspectivas de redução de danos, incluindo consumidores, especialistas em saúde pública e algumas empresas com conhecimento especializado significativo fora da comunidade tradicional de controle do tabaco.
  • Iniciar uma revisão independente da OMS e da abordagem da CQCT para a política do tabaco no contexto dos ODS. Essa revisão pode abordar a interpretação e o uso da ciência, a qualidade do aconselhamento sobre políticas, o envolvimento das partes interessadas e a responsabilidade e governança. O Painel Independente para Preparação e Resposta à Pandemia (IPPPR), iniciado para avaliar a resposta à pandemia COVID-19, oferece esse modelo.38

Acreditamos que é hora da política global do tabaco aproveitar todo o potencial da redução dos danos do tabaco. Esperamos que a ciência da saúde pública, a política e as comunidades de profissionais convirjam para um propósito comum de atender aos ODS e reduzir a carga global de doenças relacionadas ao tabaco e mortalidade prematura o mais rápido e profundamente possível.

Compartilharemos esta carta com as partes interessadas relevantes.

Os signatários desta carta não relatam nenhum conflito de interesse com respeito à indústria do tabaco e nenhuma questão que surja de acordo com o Artigo 5.3 da Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco.

Com os melhores cumprimentos

Manuel Linares Abad, PhD,

Professor.

Enfermeiro especialista em obstetrícia e ginecologia
Ex-reitor da Faculdade de Ciências da Saúde da Universidade de Jaen

Espanha

David Abrams, PhD

Professor de Ciências Sociais e Comportamentais da Escola de Saúde Pública Global

New York University, Estados Unidos

Jasjit S Ahluwalia, MD, MPH, MS
Professor de Ciências Sociais e Comportamentais e Professor de Medicina

Centro de Estudos de Álcool e Dependência, Brown University School of Public Health e Alpert School of Medicine

Diretor Associado (Ciências da População), Brown Cancer Center

Estados Unidos

Karolien Adriaens, PhD

Pesquisadora de pós-doutorado

Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação KU Leuven

Bélgica

Sanjay Agrawal, MD, MBChB
Professor de Medicina Respiratória, University of Leicester

Presidente –Royal College of Physicians Tobacco Advisory Group

Reino Unido

Frank Baeyens, PhD

Professor de psicologia

Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação KU Leuven, Bélgica

Philippe Arvers, MD, PhD
Tabacologista e adictologista, Université Grenoble Alpes França

Scott Ballin, JD

Consultor de política de saúde

Ex-vice-presidente de Políticas Públicas e Conselheiro Legislativo, Ex-presidente da American Heart Association, Coalition on Smoking OR Health

José Mª García Basterrechea, MD
Professor Associado de Medicina da Universidade de Murcia

Ex-chefe da Unidade Dupla de Vício e Patologia

Hospital Reina Sofia. Espanha

Clive D. Bates, MA, MSc

Diretor, Consultoria Contrafactual

Ex-Diretor, Ação sobre Tabagismo e Saúde, Londres, Reino Unido

Robert Beaglehole, MD, DSc, FRSNZ

Professor Emérito da Universidade de Auckland

Presidente, ASH: Action for Smokefree 2025, Nova Zelândia

Pavel Bém MD

Membro da Comissão Global de Política de Drogas, Chefe do Departamento Clínico, Clínica de Adictologia, Charles University

Ex-prefeito de Praga

Membro do Escritório da Comissão Nacional de Drogas do Governo da República Tcheca

Ruth Bonita MPH PhD MD (hon)

Professora Emérita

Escola de Saúde da População da Universidade de Auckland

Nova Zelândia

Ron Borland, PhD

Professor adjunto

Escolas de Saúde Global e Populacional e Ciências Psicológicas

Universidade de Melbourne. Austrália

John Britton, MD

Professor Emérito de Epidemiologia da Universidade de Nottingham

Reino Unido

Fernando Fernández Bueno, MD

Cirurgião oncológico do Hospital Central de la

Defensa Gómez Ulla

Professor da Universidade de Alcalá de Henares

Madri, Espanha

Suzanne M. Colby, PhD

Professora do Centro de Psiquiatria e Comportamento Humano para Estudos de Álcool e Vícios, Warren Alpert School of Medicine da Brown University

Estados Unidos

Sharon Cox, PhD

Pesquisadora Sênior do Grupo de Pesquisa de Álcool e Tabaco da Ciência do Comportamento, University College London

Reino Unido

K. Michael Cummings, PhD, MPH

Professor do

Departamento de Psiquiatria e Ciências Comportamentais, Diretor da Divisão de Política e Programa de Pesquisa do Tabaco

Universidade Médica da Carolina do Sul, Estados Unidos

Lynne Dawkins, PhD

Professora do Centro de Estudos de Nicotina e Tabaco para Pesquisa de Comportamentos Aditivos, London South Bank University

Reino Unido

Clifford E. Douglas, JD

Professor Adjunto e Diretor, Tobacco Research Network,

Ex-vice-presidente da Escola de Saúde Pública da Universidade de Michigan e Diretor Fundador do Centro de Controle do Tabaco da American Cancer Society

Hugo Caballero Durán, MD

Ex-presidente da Sociedade Colombiana de Pneumologia.

Ex-Diretor Científico Clínico da Clínica Marly. Diretor do Serviço de Pneumologia e Terapia Respiratória da Clínica Marly

Bogotá, Colômbia

Allan C. Erickson

Ex-vice-presidente de Educação Pública e Controle do Tabaco da American Cancer Society;

Ex-Diretor de Equipe, Comitê de Coordenação da América Latina para o Controle do Tabaco

Estados Unidos

Carmen Escrig, PhD

Universidade Autônoma de Genética e Biologia Celular de Madri, Espanha

Jean-François Etter, PhD

Professor de saúde pública

Instituto de Saúde Global, Faculdade de Medicina da Universidade de Genebra

Genebra, Suíça

Patrick Fafard, PhD

Professor titular

Centro de Legislação, Política e Ética em Saúde

Escola de Pós-Graduação em Relações Públicas e Internacionais da Universidade de Ottawa

Canadá.

Konstantinos Farsalinos, MD, MPH

Pesquisador da

Universidade de Patras, Grécia
University of West Attica, Grécia

Jonathan Foulds, PhD

Professor de Ciências da Saúde Pública e Psiquiatria Penn State University, College of Medicine Hershey

Estados Unidos

Abigail S. Friedman, PhD

Professora Assistente de Política de Saúde Escola de Saúde Pública de Yale

Yale University, Estados Unidos

Thomas J. Glynn, PhD
Professor Adjunto do Centro de Pesquisa de Prevenção

Escola de Medicina, Universidade de Stanford
Anteriormente, Diretor Associado do Programa Científico de Controle do Câncer, Instituto Nacional do Câncer dos EUA, e Diretor de Ciência e Tendências do Câncer, Sociedade Americana do Câncer

Eliana Golberstein B.Sc. Pharm, B. Chem Consultora em política de saúde e toxicologia. Universidade Nacional da Colômbia

Ernest Groman, MD Professor Associado do Instituto de Nicotina

& Medical University of Vienna, Áustria

Miguel de la Guardia PhD
Professor de Química Analítica da Universidade de Valência

Espanha

Peter Hajek, PhD

Professor de Psicologia Clínica

Diretor da Unidade de Pesquisa de Dependência do Tabaco
Wolfson Institute of Preventive Medicine, Queen Mary University of London

Reino Unido

Wayne Hall, PhD

Professor Emérito

Centro Nacional de Pesquisa sobre o Uso de Substâncias por Jovens, Universidade de Queensland

Austrália

Deborah Hart LLB

Diretora da ASH NZ,

Action for Smokefree 2025, Nova Zelândia

Cheryl Healton, MPA, DrPH

Reitor da Escola de Saúde Pública Global

Professor de Política e Gestão de Saúde Pública da New York University

Estados Unidos

Christian Heinrich Henonin MD

MIPH International Public Health. Professor médico, pesquisador e consultor de saúde

México

Natasha A. de Herrera, PhD

Psicologia Clínica

Unidade Psiquiátrica, Centro Médico Docente la Trinidad

Clínica de cessação do tabagismo em Caracas

Venezuela

Jacques Le Houezec, PhD

Consultor independente em saúde pública, especialista em cessação do tabagismo

Rennes, França

Maria del Mar Sangüesa Jareño, MD

Especialista em Terapia Intensiva do Hospital Universitário de Ceuta, Espanha

Martin J Jarvis, DSc OBE

Professor Emérito do Departamento de Psicologia da Saúde de Ciências do Comportamento e Saúde da University College London

Reino Unido

Martin Juneau MPs, MD, FRCP(C)

Diretor de Prevenção e Reabilitação Cardíaca, Montreal Heart Institute

Professor Clínico Titular da Faculdade de Medicina

Universidade de Montreal, Canadá

Aparajeet Kar, MD

Consultor de Pneumologia e Cuidados Críticos, Sir HN Reliance Foundation Hospital Mumbai

Índia

Imane Kendili M.D.

Psiquiatra – Adictóloga

Professeure affiliée à l’UM6P

Cheffe de service Psychiatrie-Addictologie Clinique Andalouss

Vice-Présidente du Centre Africain de Recherche en Santé

Marrocos

Milton Klun

Farmacêutico

Universidad Nacional del Sur. Argentina

Tan Kok Kuan, MD

Diretor médico

Dr. Tan Medical Center Novena Medical Center, Singapura

Lynn T. Kozlowski, PhD

Professor de Saúde Comunitária e Ex-Reitor de Comportamento de Saúde

Escola de Saúde Pública e Universidade de Profissões da Saúde em Buffalo

Estados Unidos

Eva Králíková, MD

Professora do

Instituto de Higiene e Epidemiologia, Centro para Dependência de Tabaco

Primeira Faculdade de Medicina e Hospital Geral Charles University, Praga

República Checa

George Laking, MD, PhD

Membro do Conselho

End Smoking New Zealand, Nova Zelândia

Karl E Lund, PhD

Pesquisador Sênior

Instituto Norueguês de Saúde Pública de Oslo

Noruega

Clifford Garfield Mahood, O.C.

Diretor Executivo Fundador (1976-2012) Non-Smokers’ Rights Association Toronto

Canadá.

Bernhard-Michael Mayer, PhD

Professor de Farmacologia e Toxicologia Instituto de Ciências Farmacêuticas

Karl-Franzens-Universität Graz

Áustria

Olivia M Maynard, PhD

Palestrante sênior, Escola de Ciências Psicológicas Bristol Population Health Science Institute

MRC Integrative Epidemiology Unit Bristol,

Reino Unido

Garrett McGovern, MD

Clínica prioritária de GP com especialização em medicina de dependência

Dundrum, Dublin, New Nicotine Alliance Ireland

Kiran Melkote, MBBS, MS Consultor Associado, Departamento de Ortopedia

Fortis Memorial Research Institute, Nova Delhi

Índia

Colin Mendelsohn, MB BS

Médico clinicando para tratamento de tabaco, Membro Fundador da

Associação Australiana de Redução de Danos ao Tabaco, Sydney

Austrália

Robin Mermelstein, Ph.D.

Professor Distinto, Departamento de Artes Liberais e Ciências Psicológicas

Diretor do Instituto de Pesquisa em Saúde e Co-Diretor do Centro de Ciências Clínicas e Translacionais

Universidade de Illinois em Chicago, Estados Unidos

Fares Mili, MD, CTTS, NCTTP

Pneumologista e Adictologista

Chefe da sociedade tunisina de tabacologia e comportamentos aditivos (STTACA)

Tunísia, membro do Conselho da Associação Internacional de Controle do Tabagismo e Redução de Danos ao Tabaco (SCOHRE)

Thomas J. Miller, Procurador-Geral de Iowa, Des Moines,

Iowa

Estados Unidos

Marcus Munafò, PhD

Professor de Psicologia Biológica e Investigador MRC

MRC Integrative Epidemiology Unit School of Psychological Science University of Bristol

Reino Unido

José David García Muñiz, MD, PhD

Coordenador de Estudos Clínicos de Farmacologia Clínica e Medicina Interna, Investigador Principal do Hospital Universitário de Ceuta

Espanha

Ethan Nadelmann, JD, PhD

Fundador e ex-diretor executivo da Drug Policy Alliance

Estados Unidos

Raymond Niaura, PhD

Professor, Faculdade de Ciências Sociais e Comportamentais de Saúde Pública Global

New York University, Estados Unidos

Caitlin Notley, PhD

Professor de Ciências da Dependência, Norwich Medical School

Diretor da Faculdade de Medicina e Health Citizen’s Academy

University of East Anglia, Reino Unido

David Nutt DM FRCP FRCPsych FBPhS FMedSci DLaws

Edmond J. Safra Professor de Neuropsicofarmacologia

Diretor do Centro de Pesquisas Psicodélicas, Imperial College London

Reino Unido

Tikki Elka Pang, PhD

Ex-diretor,

Política de Pesquisa e Cooperação, OMS, Genebra

Suíça

Young-bum Park, PhD

Professor do

Departamento de Economia da Hansung University

Coreia do Sul

César Paz y Miño, MD, PhD

Diretor, Centro de Investigacion Genética y

Genómica e Especialista em Genética e Biologia Molecular Humana

Universidad UTE Quito, Equador

Michael F. Pesko PhD

Professor Adjunto do

Departamento de Economia | Escola Andrew Young de Estudos Políticos

Georgia State University

Hernán Prat, MD, PhD

Professor da Universidade do Chile. Ex-Diretor do Departamento Cardiovascular do Hospital das Clínicas da Universidade do Chile. Ex-presidente da Sociedade Chilena de Hipertensão. Chile

Lars M. Ramström, PhD Principal Investigator do Institute for Tobacco Studies Täby,

Suécia

Vaughan Rees, PhD

Professor Sênior de Ciências Sociais e Comportamentais, Diretor do Centro de Controle Global do Tabaco, Departamento de Ciências Sociais e Comportamentais, Harvard TH Escola Chan de Saúde Pública

Estados Unidos

Arleen R. Reyes, DMD, ICD, ICCDE

Ex-presidente, membro do conselho da Philippine Dental Association, da Comissão de Educação Odontológica, Federação Odontológica da Ásia-Pacifico

Filipinas

Andrew John da Roza Psicoterapeuta – Addictions Promises Health Care Pte. Ltd. Singapura

Steven A. Schroeder, MD

Distinto Professor de Saúde e Assistência Médica do Departamento de Medicina,

Universidade da Califórnia em São Francisco

Estados Unidos

John R. Seffrin, PhD

Professor emérito

da Escola de Saúde Pública da Universidade de Indiana, Ex-CEO da American Cancer Society, Estados Unidos

Peter Selby MBBS, CCFP, FCFP, MHSc, dipABAM, DFASAM

Professor Giblon, vice-presidente de pesquisa DFCM University of Toronto

Centro de Vício e Saúde Mental, Serviço de Dependência de Nicotina

Toronto, Canadá

Rohan Sequeira, MD, PhD

Professor de medicina interna

Especialista em Cardiologia Não Invasiva, Diabetes, Endocrinologia e Gerenciamento de Obesidade, Jaslok Hospital and Research Center

Mumbai, Índia

Lion Shahab, PhD

Professor de Psicologia da Saúde

Departamento de Ciências do Comportamento e Saúde, University College London

Reino Unido

Michael Siegel, MD, MPH

Professor visitante,

Departamento de Saúde Pública e Medicina Comunitária

Escola de Medicina da Universidade Tufts de Boston

Estados Unidos

Antonio Sierra, MD, PhD

Professor de Medicina Preventiva e Saúde Pública da Universidade de La Laguna.

Ex-Reitor da Faculdade de Medicina da Universidade de La Laguna

Ex-Diretor Geral de Saúde Pública do Governo das Ilhas Canárias

Francisco Garcia Sierra, MD. Chefe do Serviço de Nefrologia do Hospital Universitário de Ceuta, Espanha

Ron Christian G. Sison, MLS (ASCPi), MPH

Professor Assistente, Principal Convocador

Aliança de Redução de Danos das Filipinas Manila

Filipinas

Andrzej Sobczak, PhD

Professor

Chefe do Departamento de Química Geral e Inorgânica

Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade Médica Sosnowiec da Silésia

Katowice, Polônia

Roberto A Sussman, PhD

Departamento de Gravitação e Instituto de Teorias de Campo para Pesquisa Nuclear,

Universidade Nacional Autônoma do México, ICN- UNAM

Representando Pro-Vapeo Mexico AC Mexico

David Sweanor, JD

Presidente do Comitê Consultivo,

Centro de Legislação, Política e Ética em Saúde da Universidade de Ottawa

Professor Adjunto da Faculdade de Direito da Universidade de Ottawa

Canadá.

Enrique Teran, MD, PhD

Professor

Faculdade de Ciências da Saúde – Universidad San Francisco de Quito.

Academia Equatoriana de Medicina, Academia de Ciências do Equador, Equador

Umberto Tirelli MD

Professor

Diretor, Cancer Center Clinica Mede Sacile, Itália

Josep María Ramón Torrell, MD, PhD. Professor de Epidemiologia e Saúde Pública da Universidade de Barcelona

Chefe do Grupo de Pesquisa de Prevenção Clínica, Bellvitge Biomedical Research Institut

Chefe do Serviço de Prevenção do Tabaco, Hospital Bellvitge

Barcelona, Espanha

Mark Tyndall MD ScD FRCPC

Professor da Escola de População e Saúde Pública da Universidade de British Columbia

Canadá.

Angel González Ureña, PhD

Professor Emérito de Físico-Química. Universidade Complutense de Madrid

Espanha

Francisco E. Urrestra. MD.

Diretor médico

Hospital Clinica Metropolitana. Ibarra. Equador

Diego Verrastro MD

Cirurgião-geral especialista em medicina de emergência, Argentina

Natalie Walker, PhD

Professora Associada de Saúde da População e Diretora do Center for Addiction Research, National Institute for Health Innovation, Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde, University of Auckland

Nova Zelândia

Kenneth Warner, PhD

Avedis Donabedian Distinguished University, Professor Emérito de Saúde Pública,

Reitor Emérito da Universidade de Saúde Pública de Michigan

Estados Unidos

Judith Watt

Ex-Diretora Executiva, Ex-Diretora da NCD Alliance, Quit Victoria,

Austrália

Robert West, PhD

Professor Emérito em Psicologia da Saúde, University College London

Reino Unido

Alex Wodak AM FRACP, FAChAM,

Consultor Emérito

Hospital St Vincent’s, Sydney Chair, Austrália21

Austrália

Naohito Yamaguchi, MD

Chefe da Divisão de Pesquisa, Saiseikai Research Institute of Health Care and Welfare

Ex-professor de Saúde Pública, Faculdade de Medicina,

Universidade Médica Feminina de Tóquio, Japão

Referências

1 See, for example: WHO press release for World No Tobacco Day 2021, 19 May 2021 [link]; WHO report on the global tobacco epidemic 2021: addressing new and emerging products, 17 August 2021 [link]; and WHO Q&A on e-cigarettes 29 January 2020 [link]

2 Balfour DJK, Benowitz NL, Colby SM, Warner KE et al. Balancing Consideration of the Risks and Benefits of E-Cigarettes. Am J Public Health 2021;e1–e12. [link][full text PDF]

3 Hartmann-Boyce J, McRobbie H, Butler AR, Lindson N, Bullen C, Begh R, et al. Electronic cigarettes for smoking cessation. Cochrane Database Syst Rev. September 2021 update. [link]

4 The evidence is briefly summarised in: Balfour DJK, Benowitz NL, Colby SM, Warner KE et al. Balancing Consideration of the Risks and Benefits of E-Cigarettes. Am J Public Health 2021;e1–e12. [link]

5 Palmer AM, Toll BA, Carpenter MJ, et al. Reappraising Choice in Addiction: Novel Conceptualizations and Treatments for Tobacco Use Disorder. Nicotine Tob Res 2021 [link]

6 By 2030, reduce by one third premature mortality from non-communicable diseases through prevention and treatment and promote mental health and well-being [compared to 2015] [link]

7 Bennett JE, Kontis V, Mathers CD, et al. NCD Countdown 2030: pathways to achieving Sustainable Development Goal target 3.4. Lancet 2020;396(10255):918–934. [link] See commentary: NCD Alliance, New NCD Countdown 2030 report shows slow progress towards UN SDG target 3.4, 4 September 2020 [link]

8 Jha P, Peto R. Global Effects of Smoking, of Quitting, and of Taxing Tobacco. N Engl J Med 2014;370(1):60–68. [link]

9 See, for example: Mendez D, Warner KE. A Magic Bullet? The Potential Impact of E-Cigarettes on the Toll of Cigarette Smoking. Nicotine Tob Res 2020; [link] and Levy DT, Borland R, Lindblom EN, et al. Potential deaths averted in USA by replacing cigarettes with e-cigarettes. Tob Control 2018;27(1):18–25. [link]

10 See FDA, Pre-Market Tobacco Marketing Orders, iQOS System Holder and Charger, and Heatsticks, 30 April 2019 [link] and FDA, Modified Risk Orders, iQOS System Holder and Charger, and Heatsticks, 7 July 2020 [link]

11 Cummings KM, Nahhas GJ, Sweanor DT. What Is Accounting for the Rapid Decline in Cigarette Sales in Japan? Int J Environ Res Public Health 2020;17(10):3570. [link]

12 Philip Morris International, Can innovative products like IQOS accelerate the decline of smoking? A case study from PMI’s Integrated Report 2020. 18 May 2021 [link]

13 WHO FCTC/COP/9/9 Comprehensive report on research and evidence on novel and emerging tobacco products, in particular heated tobacco products, in response to paragraphs 2(a)–(d) of decision FCTC/COP8(22) 21 July 2021 [link]

14 FCTC Convention Secretariat, Challenges posed by and classification of novel and emerging tobacco products, FCTC/COP/9/10, July 2021 [link]

15 WHO press release: Dr Harsh Vardhan conferred WHO award for leadership in tobacco control. 2 June 2021 [link]

16 Royal College of Physicians. Nicotine without smoke: tobacco harm reduction. London: RCP; 2016. [link] (12.10 p.187)

17 Selya AS, Foxon F. Trends in electronic cigarette use and conventional smoking: quantifying a possible ‘diversion’ effect among US

adolescents. Addiction. 2021;add.15385. [link]

18 Sokol N, Feldman J. High school seniors who used e-cigarettes may have otherwise been cigarette smokers: evidence from Monitoring the Future (United States, 2009-2018). Nicotine Tob Res. 2021 [link]

19 Farsalinos KE, Poulas K, Voudris V, Le Houezec J. E-cigarette use in the European Union: millions of smokers claim e-cigarettes helped them quit [Internet]. Vol. 112, Addiction. Blackwell Publishing Ltd; 2017. p. 545–6. [link]

20 Friedman AS. A Difference-in-Differences Analysis of Youth Smoking and a Ban on Sales of Flavored Tobacco Products in San Francisco, California. JAMA Pediatr 2021 [link]

21 Abouk R, Courtemanche C, Feng B, et al. Intended and Unintended Effects of E-cigarette Taxes on Youth Tobacco Use. San Diego State University Center for Health Economics and Policy Studies, Working Paper 2021801: 2021. [link]

22 Pesko MF, Courtemanche CJ, Maclean JC. The effects of traditional cigarette and e-cigarette tax rates on adult tobacco product use. J Risk Uncertain. 2020;60(3):229–58. [link]

23 Dave D, Dench D, Grossman M, Kenkel DS, Saffer H. Does e-cigarette advertising encourage adult smokers to quit? J Health Econ. 2019; 68:102227. [link]

24 Pesko MF, Hughes JM, Faisal FS. The influence of electronic cigarette age purchasing restrictions on adolescent tobacco and marijuana use. Prev Med. 2016;87:207–212. [link]

25 Jarvis M, Jackson S, West R, Brown J. Epidemic of youth nicotine addiction? What does the National Youth Tobacco Survey 2017-2019 reveal about high school e-cigarette use in the USA? Qeios. 2020. [link]

26 Glasser AM, Johnson AL, Niaura RS, Abrams DB, Pearson JL. Youth Vaping and Tobacco Use in Context in the United States: Results from the 2018 National Youth Tobacco Survey. Nicotine Tob Res [Internet]. 2021 Feb 16 [cited 2021 Sep 7];23(3):447–53. [link]

27 Jackson SE, Brown J, Jarvis MJ. Dependence on nicotine in US high school students in the context of changing patterns of tobacco product use. Addiction. 2021;116(7):1859–70. [link]

28 Levy DT, Warner KE, Michael Cummings K, Hammond D, Kuo C, Fong GT, et al. Examining the relationship of vaping to smoking initiation among US youth and young adults: A reality check. Tob Control. 2019;28(6):629–35. [link]

29 Meza R, Jimenez-Mendoza E, Levy DT. Trends in Tobacco Use Among Adolescents by Grade, Sex, and Race, 1991-2019. JAMA Netw Open [Internet]. 2020 Dec 1 [cited 2021 Sep 19];3(12):e2027465–e2027465. [link]

30 Chan GCK, Stjepanović D, Lim C, Sun T, Shanmuga Anandan A, Connor JP, et al. Gateway or common liability? A systematic review and meta-analysis of studies of adolescent e-cigarette use and future smoking initiation . Addiction. 202;add.15246. [link]

31 Hall W, Chan G. The “gateway” effect of e-cigarettes may be explained by a genetic liability to risk-taking. PLOS Med. 2021;18(3):e1003554.

32 Kim S, Selya AS. The Relationship Between Electronic Cigarette Use and Conventional Cigarette Smoking Is Largely Attributable to Shared Risk Factors. Nicotine Tob Res. 2020;22(7):1123–30. [link]

33 Lee PN, Coombs KJ, Afolalu EF. Considerations related to vaping as a possible gateway into cigarette smoking: an analytical review. F1000Research. Version 3, July 2019. [link]

34 Stanaway JD, Afshin A, Gakidou E, et al. Global, regional, and national comparative risk assessment of 84 behavioural, environmental and occupational, and metabolic risks or clusters of risks for 195 countries and territories, 1990–2017: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2017. Lancet 2018;392(10159):1923–1994. [link]

35 Kozlowski LT. Policy Makers and Consumers Should Prioritize Human Rights to Being Smoke-Free over Either Tobacco- or Nicotine- Free: Accurate Terms and Relevant Evidence [Internet]. Nicotine Tob. Res. 2020;22(6):1056–1058. [link]

36 See, for example, Letter to WHO Director General from 72 independent experts in tobacco and nicotine policy, 1 October 2018 [link], and Comments on vaping and tobacco harm reduction from expert stakeholders, 31 May 2021 [link].

37 See, for example, 14,000+ testimonials at Right to Vape [link]

38 WHO, Independent evaluation of global COVID-19 response announced, 9 July 2020 [link]

Artigos relacionados

Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação. Imaginamos que você esteja feliz com isso, mas caso não queira, você pode optar por não aceitar. Aceitar Leia mais