Cientista é banido de conferência sobre cigarros eletrônicos por difamação de organização anti-vaping

Publicado:

Tempo de leitura: 7 minutos

Este conteúdo é traduzido e adaptado do excelente artigo de Marc Gunther, publicado no website Medium em 05 de Dezembro de 2022 que sugerimos a visita e leitura na íntegra!

O sociólogo norueguês Karl Erik Lund foi banido de uma conferência sobre cigarros eletrônicos sem motivo aparente além de um ataque à sua credibilidade sem qualquer motivo que não a difamação infundada.

Entenda o caso

No início de novembro, um site chamado Tobacco Tactics , que se autodenomina “a fonte essencial para pesquisas rigorosas sobre a indústria do tabaco”, publicou informações sobre uma pequena organização chamada Associação Internacional de Controle do Tabagismo e Redução de Danos, ou SCOHRE. Com sede na Universidade de Bath, na Inglaterra, a Tobacco Tactics é financiada, entre outros, pela Bloomberg Philanthropies , o veículo filantrópico do bilionário Michael Bloomberg. Bloomberg, por sua própria conta, lidera uma campanha global contra a indústria do tabaco e todos os seus produtos, incluindo produtos de nicotina mais seguros.

A descrição de 1.000 palavras da Tobacco Tactics do SCOHRE é um modelo de insinuação e culpa por associação. Os fundadores do SCHORE, incluindo um especialista norueguês em controle do tabaco chamado Karl Erik Lund, foram acusados ​​de ter “ligações com a indústria do tabaco” e “conexões” com a Foundation for A Smoke Free World , que é financiada pela Philip Morris International.

Para Lund, as repercussões foram rápidas. Em 26 de novembro, os organizadores de uma conferência sobre cigarros eletrônicos dirigida pelo Instituto Nacional Francês de Pesquisa do Câncer, conhecido como INCa, retiraram Lund de seu cargo de copresidente do comitê científico da conferência. Eles cancelaram sua palestra no evento, que ele ajudou a organizar, e o proibiram de comparecer.

Em uma carta a Lund, o Dr. Bruno Quesnel, funcionário do instituto francês do câncer, escreveu:

“Parece necessário antecipar as consequências das informações publicadas para todos os envolvidos. Não queremos que esta conferência prepare o palco para trocas virulentas ou acusações contra você. Além disso, seria muito lamentável se isso levasse a suposições generalizadas de laços entre o INCa e outras agências participantes desta conferência e a indústria do tabaco. Sua integridade científica, assim como a do INCa e de nossos parceiros, deve ser garantida e não questionada.”

Lund ficou atordoado. Ele disse ao INCa que o SCOHRE era independente da indústria do tabaco e que nunca havia aceitado dinheiro dessas empresas.

“Acho a menção no site da Tobacco Tactics ofensiva e incorreta, e sinto que a suspensão é errada, irracional e injusta”, escreveu Lund em um e-mail aos colegas. “Para mim, isso é quase um assassinato de caráter.”

Ele acrescentou: “Minha lição é que somos bastante indefesos contra as reivindicações feitas pela Tobacco Tactics e, além disso, impotentes contra as reações que essas reivindicações desencadeiam”.

Há muito a dizer sobre isso e sobre a confusão que se seguiu. À medida que a notícia da suspensão de Lund se espalhava, os cientistas se uniram em sua defesa. Sob pressão, a Tobacco Tactics retirou sua postagem. Quesnel então recuou, dizendo a Lund que ele poderia comparecer à conferência desta semana. Lund se recusou a fazê-lo.

“Foi uma montanha-russa de uma semana”, Lund, que tem 62 anos, me disse via Zoom. “Isso foi muito desagradável para mim.”

A difamação de Lund reflete a polarização que aflige o mundo da pesquisa sobre tabaco e nicotina. Apoiados pelos milhões de Bloomberg, aqueles que querem proibir todos ou quase todos os produtos de tabaco e nicotina se reuniram em um campo; eles querem se proteger contra a influência nociva do que consideram uma indústria irredimível e má. No campo oposto estão aqueles, como Lund, que defendem o que é chamado de redução de danos do tabaco, o que significa encorajar as pessoas que não podem ou não querem parar de fumar a mudar para produtos de tabaco sem fumaça para obter sua dose de nicotina; muitos nesta multidão estão mais do que dispostos a conversar com aqueles da indústria que fabricam produtos alternativos à nicotina.

Lund é um pesquisador sênior do Instituto Norueguês de Saúde Pública que estudou o uso do tabaco por mais de três décadas. Ele testemunhou pelos queixosos em cinco ações judiciais contra a indústria do tabaco. “Não sou amigo da indústria do tabaco”, diz ele. “Longe disso.”

Lund, no entanto, publicou amplamente sobre snus, que são bolsas de tabaco sem fumaça colocadas sob o lábio; eles são populares na Suécia e na Noruega, mas proibidos em outros lugares da União Européia. Ele descobriu, entre outras coisas, que os jovens que poderiam ter fumado estão usando snus, tanto que a prevalência do tabagismo entre os jovens na Noruega é inferior a dois por cento. “Agora estamos olhando para uma geração livre de fumo”, diz ele.

Embora o snus traga riscos à saúde, Lund diz que os “ganhos para a saúde com a cessação do tabagismo, a redução do tabagismo e a substituição do fumo produzida pelo snus mais do que compensaram” os danos causados ​​à saúde dos que nunca fumaram e que consomem snus. A Suécia, berço do snus, tem há anos a menor taxa de mortalidade relacionada ao tabaco na Europa.

O que, então, podemos aprender com essa história? Aqui estão algumas das minhas reações.

A Tobacco Tactics não é confiável

Operando sob a égide de uma universidade, a Tobacco Tactics falha nos testes mais fundamentais de justiça, precisão e bom senso. Publicou uma página à respeito da SCOHRE sem buscar uma resposta dos acadêmicos cujos nomes listava, sabendo que uma menção em um site destinado a expor táticas e aliados da indústria levaria a prejuízos para a carreira.

A Tobacco Tactics parece considerar a indústria como portadora de uma doença contagiosa a ser evitada a todo custo. Ele relata que “pesquisadores da indústria do tabaco fizeram apresentações nos seminários [da SCOHRE] e executivos da indústria participaram de painéis de discussão” como evidência de nefastas “conexões com a indústria do tabaco”. Lund é escolhido por contribuir, sem pagamento, para um relatório de 2018 sobre a redução de danos do tabaco que foi apoiado por uma doação da fundação Smoke-Free World – ao qual a resposta racional deveria ser, e daí?

“Esta é uma manobra típica do grupo Tobacco Tactics – vários nomes são colocados juntos de forma vagamente conectada para sugerir culpa por associação e implicar ligações com a indústria, mesmo quando não há nenhuma”, diz Gerry Stimson, acadêmico britânico e defensor de longa data da redução de danos. “É a pureza ideológica enlouquecida.”

Scott Ballin, ex-vice-presidente da American Heart Association, diz: “A lista negra, a intimidação e o ostracismo de pessoas boas devem parar.”

O Instituto Nacional do Câncer da França deveria se envergonhar de sua conduta

A carta do Dr. Quesnel suspendendo Karl Erik Lund é um exemplo clássico de tolice burocrática. Ele começa:

“Estou ciente do grande trabalho que vocês colocaram na organização desta conferência. Minha equipe encarregada do projeto destacou seu grande comprometimento, meticulosidade e capacidade de resposta, além de seu papel importante na construção do ímpeto de trabalho construtivo para esta conferência, e gostaria de agradecer por esses esforços.”

Precisamente como ele agradece a Lund? Banindo-o da conferência!

Michelle Minton, analista sênior de políticas do Reason Institute, diz que o problema aqui é “que o National French Cancer Institute, junto com outras organizações supostamente científicas, parece estar recebendo ordens de um site aleatório administrado por ativistas que não são responsáveis a ninguém, exceto talvez a seus doadores”.

Alguns dias depois, o Dr. Quesnel revogou a suspensão. Na íntegra, sua carta diz:

“Caro Dr Lund.

Obrigado por sua declaração de honra.

A situação foi esclarecida. Dada sua declaração, trocas com o comitê gestor, atualizações fornecidas e exame cuidadoso de todas as informações disponíveis, todas as preocupações parecem infundadas

Não temos dúvidas de sua ausência de vínculos com a indústria do tabaco. Estamos convencidos de sua integridade. Isso não é uma questão ética

Sua suspensão foi suspensa

Esta situação foi muito infeliz. Como órgão público, somos obrigados a examinar seriamente qualquer questão preocupante que chegue ao nosso conhecimento. Isso pode levar de tempos em tempos a situações difíceis

Com os melhores cumprimentos”.

Se houver sequer um indício de um pedido de desculpas, não consigo ver.

Os ativistas financiados pela Bloomberg estão escrevendo as regras da batalha

Quando Lund foi acusado de ter “conexões com a indústria”, sua reação imediata foi protestar contra sua inocência dizendo que nunca aceitou dinheiro da indústria. Isso é compreensível. Mas ele estava jogando de acordo com as regras estabelecidas pela Tobacco Tactics.

O defensor da redução de danos, Clive Bates, explica: “Pode-se (a) argumentar que um orador cumpre o “teste de pureza” estabelecido pelos organizadores ou pelos ativistas que os estão pressionando, ou (b) pode-se argumentar que o teste de pureza é o problema. O perigo de enfatizar o primeiro é que tende a legitimar a ideia de testes de pureza. Nossa experiência recente é que aqueles que usam essa tática são encorajados e ampliam o escopo de seus testes de pureza a um grau absurdo, como podemos ver aqui. A última abordagem tem mais integridade, na minha opinião, mas é um argumento mais difícil e longo de se ter. Qualquer argumento baseado no primeiro deve definitivamente fazer referência ao último, eu acho.”

Fácil de dizer, difícil de fazer, especialmente quando a reputação de alguém está em jogo.

No entanto, é impressionante que tanta atenção seja dada aos conflitos com a indústria do tabaco e tão pouca atenção aos conflitos que surgem quando advogados, acadêmicos, os chamados grupos de interesse público e jornalistas são financiados pela Bloomberg Philanthropies, com sua oposição linha-dura a alternativas mais seguras à nicotina.

Esta não é a indústria do tabaco de seu pai ou avô

Demonizar todas as coisas relacionadas ao tabaco é um erro porque a indústria está mudando, embora não tão rápido quanto deveria. Já vimos este filme antes: pense na indústria da música quando os discos deram lugar a fitas de áudio, CDs e streaming de música, ou a indústria automobilística nesta era de mudança climática.

David Sweanor, um advogado canadense que lutou contra a indústria do tabaco enquanto se esforçava para entendê-la, coloca bem:

“Pensar na ‘indústria do tabaco’ como uma entidade única, em vez de um tipo dinâmico de ecossistema, erra o alvo. A indústria não é diferente de outras indústrias que enfrentam disrupção transformacional. Haverá vencedores e perdedores entre as empresas e dentro das empresas, e existem linhas de batalha entre e dentro das empresas.”

Por mais difícil que seja aceitar, produtos de nicotina mais seguros, quando acompanhados de taxação e regulamentação apropriadas de cigarros combustíveis, podem ajudar a reduzir a morte e as doenças causadas pelo fumo. Diz Clive Bates: “Em alguns casos, os interesses da saúde pública e das empresas de tabaco/nicotina estão alinhados.”

Algumas empresas receberão bem a transição para produtos mais seguros, enquanto outras resistirão.

“As pessoas que produzem apenas snus estão sendo tratadas da mesma forma que as que produzem apenas cigarros”, diz Sweanor. “É como confundir a vacina com a doença.”

Em um mundo racional, aqueles que se preocupam com a saúde humana estariam ansiosos para aprender mais sobre a indústria; em vez disso, eles são desdenhosos.

Quando alguém tentar matar um mensageiro, preste atenção à mensagem

Aqueles de nós que acompanharam o debate sobre a redução de danos causados ​​pelo tabaco não ficaram surpresos com a proibição de Karl Erik Lund. Com muita frequência, aqueles que desafiam a abordagem de apenas dizer não a todas as coisas relacionadas ao tabaco são atacados ou ignorados. Bloomberg e seus asseclas se recusaram a ouvir opiniões divergentes, mesmo quando apresentadas por alguns dos principais cientistas do tabaco do mundo.

Há um padrão aqui. “O caso Lund não foi um acidente ou erro, mas o alvo deliberado de Karl e da conferência”, diz Gerry Stimson.

O problema para os proibicionistas é a crescente evidência de que a redução de danos do tabaco funciona. Na semana passada, um artigo de Karl Fagerstrom, um distinto cientista que estudou a cessação do tabagismo, dependência de nicotina e produtos de nicotina mais seguros, comparou países com adoção relativamente alta de produtos alternativos de nicotina, como cigarros eletrônicos, tabaco aquecido e snus com países vizinhos onde esses produtos são menos prevalentes.

“As descobertas sugerem que a adoção de produtos alternativos de nicotina pode ajudar a reduzir a prevalência do tabagismo mais rapidamente do que as medidas tradicionais de controle do tabaco focadas apenas na prevenção e cessação”, escreveu Fagerstrom.

Esta é uma das coisas que Karl Erik Lund esperava dizer sobre o snus na conferência em Paris.

“A indústria do tabaco está produzindo um produto que pode substituir o cigarro”, ele me diz.

Aqueles que se opõem à redução de danos o atacam porque “eles realmente não podem contestar meus dados”, diz Lund.

O Dr. Quesnel e a Tobacco Tactics não responderam aos pedidos de comentários. Não aceito dinheiro da indústria do tabaco.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Outros artigos

Portal de notícias anti-vaping ataca cigarros eletrônicos, mas defende produtos da indústria tabagista

O portal O Joio e O Trigo defende tabaco aquecido, produto da indústria tabagista, ao atacar os cigarros eletrônicos.

Estudo que alegava diagnóstico de câncer mais cedo em consumidores de cigarros eletrônicos é retratado

Mídia brasileira fez grande divulgação de estudo com qualidade tão ruim que precisou ser retratado pelo Jornal Mundial de Oncologia.

Governo de São Paulo divulga FAKE NEWS sobre cigarros eletrônicos em suas redes sociais

Publicação em dois perfis oficiais do Gov. de SP apresenta informações falsas sobre cigarros eletrônicos.

Por que EUA, Nova Zelândia e outros 77 países liberaram cigarros eletrônicos e vapes?

Olhar para a experiência internacional ressalta a importância da regulamentação para garantir o controle e a destinação adequada de vapes.

Resumo do debate organizado pelo Poder360 – Cigarros eletrônicos – Por que rever a proibição é fundamental?

Evento em Brasília organizado pelo portal de notícias Poder360 convidou especialistas para discutir a regulamentação do comércio de cigarros eletrônicos no Brasil.

Especialistas em saúde pública pedem que autoridades dos EUA corrijam desinformação sobre cigarros eletrônicos – EVALI e “porta de entrada ao tabagismo”

Mais uma vez os principais peritos em saúde pública pedem que informações incorretas sobre cigarros eletrônicos sejam corrigidas.

Newsletter

- Receba notícias em seu email

- Não compartilhamos emails com terceiros

- Cancele quando quiser

Últimas notícias

Mídia brasileira divulga estudo de baixa qualidade que alega que diagnóstico de câncer ocorre mais cedo em usuários de cigarro eletrônico

O próprio Jornal Mundial de Oncologia alerta para a baixa qualidade dos dados apresentados no trabalho e sugere cautela na interpretação dos dados.

Procura-se morte por cigarros eletrônicos e paga-se bem

Que tal ganhar mais de 30 mil reais provando que os cigarros eletrônicos já provocaram alguma morte no mundo?

A ideia de que os sabores dos cigarros eletrônicos fisgam as crianças é simples, convincente – e falsa.

Cigarros eletrônicos com sabores são motivo de muito debate, mas em muitos casos acabamos por ter que usar o princípio da assimetria da besteira.