Odysee

Algo está muito errado com a Organização Mundial da Saúde

Publicado:

Tempo de leitura: 4 minutos

Artigo escrito por Henry I. Miller, médico e biólogo molecular, membro sênior do Pacific Research Institute e diretor fundador do Escritório de Biotecnologia da Food & Drug Administration dos EUA e Jeff Stier, membro sênior da Taxpayers Protection Alliance, para o City Journal, jornal online de Nova Iorque.

A pandemia de Covid-19 deve ser um alerta de que há algo muito errado – até mesmo irreparável – na Organização Mundial da Saúde. Esta revelação não deveria ser uma surpresa. Afinal, a OMS é um constituinte das Nações Unidas implacavelmente incompetentes e politizadas.

Desde o início, funcionários do governo, especialistas em saúde e analistas levantaram preocupações sobre a resposta desajeitada da OMS ao coronavírus, acusando a organização de confiança equivocada no governo chinês, que inicialmente tentou esconder o surto em Wuhan. Taro Aso, vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças do Japão, chegou a ridicularizar a OMS como a “Organização Chinesa de Saúde”. Em vez de criticar Pequim por sua tentativa de encobrimento, o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, elogiou o presidente chinês Xi Jinping por sua “liderança muito rara” e elogiou a “transparência” do Partido Comunista Chinês na resposta ao vírus. Poucos contestariam que Tedros e a OMS agiram tardiamente ao declarar uma emergência de saúde global e, posteriormente, uma pandemia. Mas o erro mais recente da OMS é inacreditável.

A Medicago, empresa canadense, desenvolveu uma vacina contra a Covid sintetizada na planta Nicotiniana , parente do tabaco. Em testes clínicos, a vacina provou ser 71% eficaz contra todas as variantes estudadas antes do surgimento do Omicron e 75% eficaz contra a variante Delta. O departamento de saúde do Canadá aprovou a vacina para uso doméstico em fevereiro, mas sua distribuição global encontrou um obstáculo inesperado: a OMS não considerará a aprovação da vacina para uso mais amplo devido aos laços do fabricante com a empresa de tabaco americano-suíça Philip Morris International, que detém uma participação acionária de aproximadamente um terço na Medicago.

Atualmente, os países ricos têm um suprimento abundante de vacinas contra a Covid, mas a autorização da OMS da vacina Medicago, Covifenz, é fundamental para expandir o acesso à vacina em países de baixa e média renda, pois qualificaria a vacina para inclusão na COVAX, programa global de vacinas da organização. O acesso ao Covifenz ajudaria particularmente os países sem infraestrutura médica sofisticada porque, ao contrário de algumas das outras vacinas para Covid, o Covifenz não requer armazenamento em um freezer ultrafrio. A Medicago pode encontrar uma solução alternativa – a Philip Morris pode se desfazer da propriedade parcial da empresa, por exemplo, mas a atual intransigência da OMS nega alívio aos países que o programa COVAX foi projetado para ajudar.

Essa loucura mais recente deve levar os Estados Unidos, como o maior doador da OMS, a realizar uma revisão completa da competência e dos valores da organização. A saúde pública global é consistente com os interesses americanos não apenas porque somos um povo generoso, mas também porque, como a Covid nos lembrou, as batalhas de saúde pública não vencidas no exterior chegarão às nossas costas. Seríamos negligentes em contribuir com dinheiro para organizações de saúde pública sem exigir uma boa administração.

Os contribuintes americanos são os maiores contribuintes para o orçamento de aproximadamente US$ 2 bilhões da OMS. Como outras organizações da ONU, a OMS é atormentada por gastos desnecessários, desrespeito à transparência, incompetência e falha em aderir até mesmo aos padrões democráticos básicos. Sua subsidiária no Hemisfério Ocidental, a Organização Pan-Americana da Saúde, apóia regimes antidemocráticos e, na verdade, “enfraquece a saúde pública em vez de fortalecê-la”, segundo um artigo do Wall Street Journal.

A história da OMS está repleta de inépcias e negócios eticamente comprometidos. Sob sua política de erradicação da pólio na Síria, por exemplo, os profissionais de saúde foram autorizados a trabalhar apenas com o regime brutal e corrupto do presidente sírio Bashar Assad, mas não em áreas controladas por rebeldes. Assim, enquanto a OMS efetivamente continha a poliomielite dentro do território do governo, a doença se espalhou pelas áreas rebeldes. A OMS também foi amplamente condenada por não ter alertado sobre os perigos do Ebola na África Ocidental em 2014. A Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (IARC) da OMS é conhecida por divulgar relatórios alarmistas frequentemente contrariados por reguladores em todo o mundo. Quando um comitê do Congresso dos EUA tentou investigar acusações (fundamentadas) de corrupção e conflitos de interesse dentro da agência, a IARC rejeitou o esforço.

O que explica o histórico duvidoso da OMS? Olhe para a estrutura da ONU.

Primeiro, a ONU é essencialmente um monopólio. Os “consumidores” de produtos e serviços da ONU não podem punir a organização por meio de concorrentes condescendentes. Pelo contrário, a inadequação é muitas vezes recompensada com recursos adicionais. Ao contrário do setor privado, onde projetos fracassados ​​são encerrados, os burocratas muitas vezes defendem e clamam pela expansão de programas que claramente não funcionam.

Em segundo lugar, os funcionários da ONU são recompensados ​​por fazer a máquina burocrática funcionar – por produzir relatórios, diretrizes, white papers e acordos, e por realizar reuniões – independentemente de seus esforços serem eficazes. Os burocratas normalmente sacrificam a qualidade e a veracidade pelo consenso.

Terceiro, nenhuma autoridade responsabiliza a ONU, e nenhum eleitorado pode destituir funcionários da ONU quando eles agem contra o interesse público.

Finalmente, a organização não é uma meritocracia. O país ou região de origem dos candidatos à liderança parece ser mais valorizado do que suas qualificações, e os países que cedem pessoal à OMS compreensivelmente não enviam seus melhores talentos.

O financiamento das atividades da ONU pelos Estados Unidos excede o de todos os outros países. Em 2020, os EUA contribuíram com mais de US$ 11 bilhões , o que representou pouco menos de um quinto do financiamento do orçamento coletivo da organização. A menos que uma entidade eficaz de supervisão e auditoria possa ser criada para supervisionar a OMS, os EUA devem interromper seu financiamento e, em vez disso, apoiar uma entidade que podemos responsabilizar por proteger a saúde pública global – uma missão digna e necessária, como a Covid nos lembra.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Notícias relacionadas

Tipos de vaporizadores

Conheça os tipos de aparelhos disponíveis no mercado e suas diferenças.

Primeiro uso de um vaporizador

Dicas para novatos que estão começando a usar vaporizadores.

Como preservar líquidos para vaporizadores

Saiba como evitar erros comuns que podem prejudicar seus produtos e como preservá-los por mais tempo.

21 e 22 de Setembro – 5ª Cúpula Científica sobre Redução de Danos do Tabaco

Brasil participa de evento que reúne especialistas do mundo todo para discutir sobre Redução dos Danos do Tabagismo.

‘Baseado mais em emoção do que ciência’: STEVE FORBES detona a ideologia contra o vaping

Editor-chefe da FORBES, um dos mais importantes veículos de mídia do mundo, fala sobre o vaping.

Governo proíbe 33 empresas de vender cigarros eletrônicos

As empresas enfrentarão multa de 5 mil reais diárias até encerrarem as atividades.

Newsletter

- Receba notícias em seu email

- Não compartilhamos emails com terceiros

- Cancele quando quiser

Últimas notícias

Governo proíbe 33 empresas de vender cigarros eletrônicos

As empresas enfrentarão multa de 5 mil reais diárias até encerrarem as atividades.

Revisão científica de pesquisas sobre metais inalados nos cigarros eletrônicos

Desde 2017 todos os estudos sobre metais no vaping possuem falhas de metodologia.

Médicos continuam divulgando desinformação sobre os cigarros eletrônicos

A divulgação de falácias e informações tendenciosas sobre vaporizadores tornou-se comum na mídia

Redução de danos também é importante para combater o tabagismo

Estudos apontam o quanto dispositivos eletrônicos podem reduzir danos da queima do tabaco.

No Reino Unido, vaporizadores salvaram quase 60.000% mais vidas do que cintos de segurança

Nenhum outro produto mostra um potencial para salvar vidas maior do que os cigarros eletrônicos.

O debate feroz sobre a proibição (e desbanimento) dos cigarros eletrônicos

Artigo do Boston Globe assinado pelo jornalistas e diretor do Programa de Pós-Graduação em Redação Científica do MIT.

Cigarros eletrônicos possuem mais de 8.000 pesquisas científicas publicadas

Argumento de que "não há estudos suficientes" sobre cigarros eletrônicos parece não ser válido.

Incoerência da proibição dos vapes no Brasil

Especialista em Direito Regulatório trata sobre a proibição do comércio de cigarros eletrônicos no Brasil.