Odysee

‘Baseado mais em emoção do que ciência’: STEVE FORBES detona a ideologia contra o vaping

Publicado:

Tempo de leitura: 3 minutos

Malcolm Stevenson Forbes Jr. é um editor executivo e político americano, editor-chefe da Forbes, uma das mais importantes revistas de negócios do mundo. Ele é filho do antigo editor da Forbes, Malcolm Forbes, e neto do fundador da publicação, BC Forbes.

Em seu Podcast “O que vem por aí”, que apresenta semanalmente a visão do editor no que envolve os principais noticiários, políticos e pioneiros do mundo em negócios e economia em conversas honestas destinadas a desafiar as formas tradicionais de pensar, o editor apresenta sua visão sobre a guerra ideológica travada contra os cigarros eletrônicos nos EUA, o que também acontece no Brasil.

Confira o vídeo abaixo e a transcrição de sua fala.

A ininterrupta guerra mortal anti-vaping sendo travada pelo FDA baseia-se mais em emoção do que ciência

Olá, sou Steve Forbes e é esse é “O que ver por aí” onde você obtém as informações necessárias para navegar melhor nesses tempos turbulentos.

Ao ouvir a maioria das autoridades de saúde pública, lideradas pelo FDA, você deve achar que o vaping é tão mortal quanto fumar cigarros, o que certamente enganou o público com essa falsidade letal. 64% dos americanos acham que usar cigarros eletrônicos é tão ruim ou até pior do que fumar cigarros de tabaco

A realidade é o oposto.

A única coisa que os cigarros eletrônicos têm em comum com os cigarros normais é inalar nicotina, essa substância é viciante, mas não letal.

O que torna os cigarros de tabaco tão mortais são todas as outras substâncias, especialmente alcatrão e monóxido de carbono. Os cigarros eletrônicos não têm alcatrão. A maioria dos usuários de cigarros eletrônicos tem o mesmo prazer que inalar tabaco sem esses perigos que ameaçam a vida.

Vaping é o mais ferramenta eficaz para deixar de fumar tabaco quase duas vezes mais eficaz do que produtos aprovados pela FDA, como adesivos de nicotina, chicletes e pastilhas, é por isso que as autoridades de saúde britânicas vem o vaping como uma ferramenta crítica para fazer com que as pessoas parem de fumar.

Outros países chegaram à mesma conclusão. As academias nacionais de ciência, engenharia e medicina dizem: “usar os cigarros eletrônicos para substituir os cigarros de tabaco de combustão reduz a exposição dos usuários a inúmeros tóxicos e cancerígenos presentes nos cigarros queimados.”

Apesar da evidência de que vaping é 95% mais seguro do que fumar, o FDA e outros continuam a fazer guerra contra os cigarros eletrônicos, colocando em risco a saúde, se não a vida, de milhões de fumantes que querem abandonar o hábito.

Sua justificativa é o enorme aumento de vaping entre adolescentes, dizem que é uma porta de entrada para cigarros comuns, qual é a sua evidência?

Nenhuma.

Na verdade pesquisas do Centro de Controle de Doenças (CDC) minou suas táticas de medo, entre 2011 e 2020 vaping entre estudantes do ensino médio passou de 1,5% para quase 20% mas o fumo de cigarros caiu de 15,8% para 4,6%, o uso geral de produtos com nicotina caiu.

Lembre-se que os cigarros de tabaco são muito mais perigosos do que vaping.

É claro que não se deve inalar nada nos pulmões, exceto oxigênio, mas no mundo real as pessoas se entregam a prazeres que as babás da saúde não aprovam. Mas existem diferenças reais entre essas indulgências, para autoridades de saúde equiparar vaping com inalação de fumaça de cigarro é flagrantemente falso e contraproducente.

Incansavelmente tentar proibir produtos de cigarro eletrônico aumentará o consumo de cigarros regulares. San Francisco em 2018 proibiu cigarros eletrônicos e o tabagismo entre adolescentes e adultos jovens aumentou.

O FDA sofreu recentes processos judiciais desfavoráveis em suas tentativas maliciosas de estrangular a indústria, mas não se engane, os implacáveis ​​mal concebidos e muitas vezes mal informados ataques contra vaping não cessarão. O acordo de vários estados com laboratórios JUUL sobre acusações de fazer marketing para consumidores menores de idade vão ser usados para atacar o vaping em geral.

Onde está a ciência quando vidas dependem dela?

Eu sou Steve Forbes obrigado por ouvir, envie seus comentários e sugestões, estou ansioso para estar com você breve novamente.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Notícias relacionadas

Tipos de vaporizadores

Conheça os tipos de aparelhos disponíveis no mercado e suas diferenças.

Primeiro uso de um vaporizador

Dicas para novatos que estão começando a usar vaporizadores.

Como preservar líquidos para vaporizadores

Saiba como evitar erros comuns que podem prejudicar seus produtos e como preservá-los por mais tempo.

21 e 22 de Setembro – 5ª Cúpula Científica sobre Redução de Danos do Tabaco

Brasil participa de evento que reúne especialistas do mundo todo para discutir sobre Redução dos Danos do Tabagismo.

Algo está muito errado com a Organização Mundial da Saúde

A recusa de uma vacina eficaz para COVID pela fabricante ter laços com a indústria tabagista.

Governo proíbe 33 empresas de vender cigarros eletrônicos

As empresas enfrentarão multa de 5 mil reais diárias até encerrarem as atividades.

Newsletter

- Receba notícias em seu email

- Não compartilhamos emails com terceiros

- Cancele quando quiser

Últimas notícias

Governo proíbe 33 empresas de vender cigarros eletrônicos

As empresas enfrentarão multa de 5 mil reais diárias até encerrarem as atividades.

Revisão científica de pesquisas sobre metais inalados nos cigarros eletrônicos

Desde 2017 todos os estudos sobre metais no vaping possuem falhas de metodologia.

Médicos continuam divulgando desinformação sobre os cigarros eletrônicos

A divulgação de falácias e informações tendenciosas sobre vaporizadores tornou-se comum na mídia

Redução de danos também é importante para combater o tabagismo

Estudos apontam o quanto dispositivos eletrônicos podem reduzir danos da queima do tabaco.

No Reino Unido, vaporizadores salvaram quase 60.000% mais vidas do que cintos de segurança

Nenhum outro produto mostra um potencial para salvar vidas maior do que os cigarros eletrônicos.

O debate feroz sobre a proibição (e desbanimento) dos cigarros eletrônicos

Artigo do Boston Globe assinado pelo jornalistas e diretor do Programa de Pós-Graduação em Redação Científica do MIT.

Cigarros eletrônicos possuem mais de 8.000 pesquisas científicas publicadas

Argumento de que "não há estudos suficientes" sobre cigarros eletrônicos parece não ser válido.

Incoerência da proibição dos vapes no Brasil

Especialista em Direito Regulatório trata sobre a proibição do comércio de cigarros eletrônicos no Brasil.