‘Baseado mais em emoção do que ciência’: STEVE FORBES detona a ideologia contra o vaping

Publicado:

Tempo de leitura: 3 minutos

Malcolm Stevenson Forbes Jr. é um editor executivo e político americano, editor-chefe da Forbes, uma das mais importantes revistas de negócios do mundo. Ele é filho do antigo editor da Forbes, Malcolm Forbes, e neto do fundador da publicação, BC Forbes.

Em seu Podcast “O que vem por aí”, que apresenta semanalmente a visão do editor no que envolve os principais noticiários, políticos e pioneiros do mundo em negócios e economia em conversas honestas destinadas a desafiar as formas tradicionais de pensar, o editor apresenta sua visão sobre a guerra ideológica travada contra os cigarros eletrônicos nos EUA, o que também acontece no Brasil.

Confira o vídeo abaixo e a transcrição de sua fala.

A ininterrupta guerra mortal anti-vaping sendo travada pelo FDA baseia-se mais em emoção do que ciência

Olá, sou Steve Forbes e é esse é “O que ver por aí” onde você obtém as informações necessárias para navegar melhor nesses tempos turbulentos.

Ao ouvir a maioria das autoridades de saúde pública, lideradas pelo FDA, você deve achar que o vaping é tão mortal quanto fumar cigarros, o que certamente enganou o público com essa falsidade letal. 64% dos americanos acham que usar cigarros eletrônicos é tão ruim ou até pior do que fumar cigarros de tabaco

A realidade é o oposto.

A única coisa que os cigarros eletrônicos têm em comum com os cigarros normais é inalar nicotina, essa substância é viciante, mas não letal.

O que torna os cigarros de tabaco tão mortais são todas as outras substâncias, especialmente alcatrão e monóxido de carbono. Os cigarros eletrônicos não têm alcatrão. A maioria dos usuários de cigarros eletrônicos tem o mesmo prazer que inalar tabaco sem esses perigos que ameaçam a vida.

Vaping é o mais ferramenta eficaz para deixar de fumar tabaco quase duas vezes mais eficaz do que produtos aprovados pela FDA, como adesivos de nicotina, chicletes e pastilhas, é por isso que as autoridades de saúde britânicas vem o vaping como uma ferramenta crítica para fazer com que as pessoas parem de fumar.

Outros países chegaram à mesma conclusão. As academias nacionais de ciência, engenharia e medicina dizem: “usar os cigarros eletrônicos para substituir os cigarros de tabaco de combustão reduz a exposição dos usuários a inúmeros tóxicos e cancerígenos presentes nos cigarros queimados.”

Apesar da evidência de que vaping é 95% mais seguro do que fumar, o FDA e outros continuam a fazer guerra contra os cigarros eletrônicos, colocando em risco a saúde, se não a vida, de milhões de fumantes que querem abandonar o hábito.

Sua justificativa é o enorme aumento de vaping entre adolescentes, dizem que é uma porta de entrada para cigarros comuns, qual é a sua evidência?

Nenhuma.

Na verdade pesquisas do Centro de Controle de Doenças (CDC) minou suas táticas de medo, entre 2011 e 2020 vaping entre estudantes do ensino médio passou de 1,5% para quase 20% mas o fumo de cigarros caiu de 15,8% para 4,6%, o uso geral de produtos com nicotina caiu.

Lembre-se que os cigarros de tabaco são muito mais perigosos do que vaping.

É claro que não se deve inalar nada nos pulmões, exceto oxigênio, mas no mundo real as pessoas se entregam a prazeres que as babás da saúde não aprovam. Mas existem diferenças reais entre essas indulgências, para autoridades de saúde equiparar vaping com inalação de fumaça de cigarro é flagrantemente falso e contraproducente.

Incansavelmente tentar proibir produtos de cigarro eletrônico aumentará o consumo de cigarros regulares. San Francisco em 2018 proibiu cigarros eletrônicos e o tabagismo entre adolescentes e adultos jovens aumentou.

O FDA sofreu recentes processos judiciais desfavoráveis em suas tentativas maliciosas de estrangular a indústria, mas não se engane, os implacáveis ​​mal concebidos e muitas vezes mal informados ataques contra vaping não cessarão. O acordo de vários estados com laboratórios JUUL sobre acusações de fazer marketing para consumidores menores de idade vão ser usados para atacar o vaping em geral.

Onde está a ciência quando vidas dependem dela?

Eu sou Steve Forbes obrigado por ouvir, envie seus comentários e sugestões, estou ansioso para estar com você breve novamente.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Outros artigos

Portal de notícias anti-vaping ataca cigarros eletrônicos, mas defende produtos da indústria tabagista

O portal O Joio e O Trigo defende tabaco aquecido, produto da indústria tabagista, ao atacar os cigarros eletrônicos.

Estudo que alegava diagnóstico de câncer mais cedo em consumidores de cigarros eletrônicos é retratado

Mídia brasileira fez grande divulgação de estudo com qualidade tão ruim que precisou ser retratado pelo Jornal Mundial de Oncologia.

Governo de São Paulo divulga FAKE NEWS sobre cigarros eletrônicos em suas redes sociais

Publicação em dois perfis oficiais do Gov. de SP apresenta informações falsas sobre cigarros eletrônicos.

Por que EUA, Nova Zelândia e outros 77 países liberaram cigarros eletrônicos e vapes?

Olhar para a experiência internacional ressalta a importância da regulamentação para garantir o controle e a destinação adequada de vapes.

Resumo do debate organizado pelo Poder360 – Cigarros eletrônicos – Por que rever a proibição é fundamental?

Evento em Brasília organizado pelo portal de notícias Poder360 convidou especialistas para discutir a regulamentação do comércio de cigarros eletrônicos no Brasil.

Especialistas em saúde pública pedem que autoridades dos EUA corrijam desinformação sobre cigarros eletrônicos – EVALI e “porta de entrada ao tabagismo”

Mais uma vez os principais peritos em saúde pública pedem que informações incorretas sobre cigarros eletrônicos sejam corrigidas.

Newsletter

- Receba notícias em seu email

- Não compartilhamos emails com terceiros

- Cancele quando quiser

Últimas notícias

Mídia brasileira divulga estudo de baixa qualidade que alega que diagnóstico de câncer ocorre mais cedo em usuários de cigarro eletrônico

O próprio Jornal Mundial de Oncologia alerta para a baixa qualidade dos dados apresentados no trabalho e sugere cautela na interpretação dos dados.

Cientista é banido de conferência sobre cigarros eletrônicos por difamação de organização anti-vaping

O sociólogo norueguês Karl Erik Lund foi banido de uma conferência que ajudou a organizar por conta de acusações infundadas.

Procura-se morte por cigarros eletrônicos e paga-se bem

Que tal ganhar mais de 30 mil reais provando que os cigarros eletrônicos já provocaram alguma morte no mundo?