Validade de líquidos para vaporizadores

Publicado:

Tempo de leitura: 3 minutos

Dependendo de onde são fabricados, os líquidos para cigarros eletrônicos podem muitas vezes não oferecer informações básicas como data de fabricação ou validade, um dos problemas da falta de regulamentação adequada em muitos países.

Líquidos fabricados em países como Inglaterra, EUA, Canadá, Austrália e muitos outros, possuem regras rígidas para a fabricação e obrigam os rótulos dos produtos a ter esse tipo de informação, enquanto aqui no Brasil, apesar da proibição do comércio de cigarros eletrônicos desde 2003, há um grande mercado ilegal em expansão e a fabricação de líquidos sem qualquer fiscalização ou controle, que muitas vezes não oferecem informações de validade.

Validade dos compostos

Líquidos para vaporizadores são compostos por Propilenoglicol, Glicerina, essências de sabor e nicotina. Estes dois últimos podem ser diluídos tanto em Propilenoglicol quanto em Glicerina Vegetal.

O percentual de cada componente é definido de acordo com a receita do produto, normalmente em uma combinação de 70% Glicerina Vegetal, 10% a 15% de essências de sabor, sendo o restante de Propilenoglicol e nicotina. Cada um possui uma validade estimada diferente, chamada também de “vida útil de prateleira”, que se ultrapassada significa que o produto deve ser devolvido ao fabricante.

Abaixo os prazos estimados de validade de cada componente:

  • Propilenoglicol: prazo de validade estimado de 2 anos;
  • Glicerina Vegetal: prazo de validade estimado de 1 ano e meio a 2 anos;
  • Essências: Variam muito de acordo com seu sabor. Acetyl Pyrazine, uma essência com notas de amendoim e nozes tostadas, possui uma vida útil de prateleira de 5 anos, enquanto o Vanillin (sabor baunilha) de 2 anos;
  • Nicotina: Acompanha o prazo de validade de sua base, seja Propilenoglicol ou Glicerina Vegetal, sendo o componente mais sensível a mudanças de temperatura, portanto sua validade pode variar muito dependendo de como é acondicionado.

Degradação após o frasco ser aberto

Devido à abertura e fechamento do frasco do produto, há uma renovação do ar interno e as moléculas de sabor evaporam lentamente, fazendo com que o líquido perca sua intensidade. Como existem muitas combinações possíveis entre saborizantes e diferença de validade entre eles, alguns produtos perdem sabor mais rapidamente que outros, mas considera-se em média um prazo de validade de 2 anos desde a data de fabricação.

No caso da nicotina, pode haver oxidação forçada através da exposição do produto a temperaturas altas ou luz solar, que acelera muito o processo.

Dicas de segurança

É importantíssimo salientar que apesar da ciência mundial já ter comprovado que cigarros eletrônicos são muito menos prejudiciais do que fumar, também sabemos que não são livres de riscos e são prejudiciais à saúde. Estes riscos podem ser estimados e calculados somente em mercados cuja fabricação obedece à diretrizes sanitárias, controle e fiscalização.

Quando falamos em mercados não regulados como o Brasil, os riscos tornam-se impossíveis de prever.

Podemos especular que existam fabricantes de produtos nacionais que decidam seguir regras de higiene e segurança adequados, mesmo que estejam praticando uma ilegalidade. Igualmente podemos cogitar que haverão aqueles que não vão seguir qualquer tipo de norma, fabricando produtos cujos riscos de consumo serão muito maiores do que aqueles feitos em mercados regulados. Infelizmente por conta do cenário de proibição e falta de regulamentação do comércio em nosso país, não há forma de distinguir um do outro.

Seja um produto fabricado em um mercado com regras rígidas ou em um país sem qualquer controle ou fiscalização, as dicas para armazenagem serão as mesmas, pois trata-se de reações químicas.

  • Guardar os líquidos em local fresco, escuro e sempre longe do alcance de crianças e animais;
  • Caso o produto não informe a data de validade, leve em consideração o menor prazo entre todos os componentes, de 1 ano e meio;
  • Nunca deixe frascos em locais muito quentes ou diretamente expostos à luz solar. Um produto pode estragar com apenas algumas horas exposto a condições não adequadas;
  • Por causa de falsificações, nunca utilize produtos de procedência duvidosa e confira os mecanismos de segurança presentes nos rótulos como QRCODE, código de barras ou códigos de autenticação. Prefira produtos fabricados em países com regulamentações rígidas para fabricação de líquidos como Inglaterra, Nova Zelândia, Austrália, Canadá, Estados Unidos e outros.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Outros artigos

Portal de notícias anti-vaping ataca cigarros eletrônicos, mas defende produtos da indústria tabagista

O portal O Joio e O Trigo defende tabaco aquecido, produto da indústria tabagista, ao atacar os cigarros eletrônicos.

Estudo que alegava diagnóstico de câncer mais cedo em consumidores de cigarros eletrônicos é retratado

Mídia brasileira fez grande divulgação de estudo com qualidade tão ruim que precisou ser retratado pelo Jornal Mundial de Oncologia.

Governo de São Paulo divulga FAKE NEWS sobre cigarros eletrônicos em suas redes sociais

Publicação em dois perfis oficiais do Gov. de SP apresenta informações falsas sobre cigarros eletrônicos.

Por que EUA, Nova Zelândia e outros 77 países liberaram cigarros eletrônicos e vapes?

Olhar para a experiência internacional ressalta a importância da regulamentação para garantir o controle e a destinação adequada de vapes.

Resumo do debate organizado pelo Poder360 – Cigarros eletrônicos – Por que rever a proibição é fundamental?

Evento em Brasília organizado pelo portal de notícias Poder360 convidou especialistas para discutir a regulamentação do comércio de cigarros eletrônicos no Brasil.

Especialistas em saúde pública pedem que autoridades dos EUA corrijam desinformação sobre cigarros eletrônicos – EVALI e “porta de entrada ao tabagismo”

Mais uma vez os principais peritos em saúde pública pedem que informações incorretas sobre cigarros eletrônicos sejam corrigidas.

Newsletter

- Receba notícias em seu email

- Não compartilhamos emails com terceiros

- Cancele quando quiser

Últimas notícias

Mídia brasileira divulga estudo de baixa qualidade que alega que diagnóstico de câncer ocorre mais cedo em usuários de cigarro eletrônico

O próprio Jornal Mundial de Oncologia alerta para a baixa qualidade dos dados apresentados no trabalho e sugere cautela na interpretação dos dados.

Cientista é banido de conferência sobre cigarros eletrônicos por difamação de organização anti-vaping

O sociólogo norueguês Karl Erik Lund foi banido de uma conferência que ajudou a organizar por conta de acusações infundadas.

Procura-se morte por cigarros eletrônicos e paga-se bem

Que tal ganhar mais de 30 mil reais provando que os cigarros eletrônicos já provocaram alguma morte no mundo?