Odysee

Souza Cruz quer apagar o cigarro

Publicado:

Tempo de leitura: 2 minutos

A Souza Cruz é a líder do segmento de cigarros no Brasil com cerca de 80% do mercado e sofre com as quedas nas vendas de seus produtos não apenas porque o país passou a fumar menos nas últimas 3 décadas, mas principalmente por causa do contrabando, que representa números alarmantes de mais de 50% do mercado. Isso mesmo, mais da metade do cigarro consumido no Brasil é ilegal.

Já tratamos do assunto neste artigo e mostramos que mesmo com quase 81% de imposto, o contrabando de cigarros desequilibra esta conta e o custo em saúde é maior do que a arrecadação.

Para tentar remediar a situação, a Souza Cruz busca estratégias e há dois anos colocou um novo nome para sua presidência nacional, Liel Miranda, executivo sul-mato-grossense que está há 30 anos na BAT (British American Tobacco, dona da Souza Cruz) e já ocupou cargos de comando na China, Canadá e Inglaterra.

O novo presidente possui dois grandes desafios à frente, o primeiro é lutar contra o produto ilegal e assim diminuir as perdas que a indústria amarga no país e a segunda é fazer andar a pauta da liberação dos cigarros eletrônicos no Brasil, proibidos pela Anvisa desde 2009.

Com este segundo objetivo em mente a Souza Cruz segue o exemplo de sua maior concorrente, a Philip Morris, que no final do ano de 2017 foi à público declarar que estava fazendo uma “resolução de ano novo” dizendo que iria “parar com os cigarros” e se concentrar em uma migração gradativa para alternativas de risco reduzido como o tabaco aquecido e o cigarro eletrônico.

A aposta está neste novo mercado em franca expansão ao redor do mundo, cujo produto é naturalmente relacionado ao cigarro ou ao ato de fumar.

A Istoé dinheiro realizou uma entrevista com Liel Miranda que disse:

Há um consenso geral na literatura científica de que os cigarros eletrônicos são pelo menos 95% menos prejudiciais que o tabaco convencional, sendo grande parte disso por não apresentarem combustão, principal fonte de produção de substâncias cancerígenas. Por este motivo é que a indústria tabagista também aposta no tabaco aquecido, sistema que apesar de envolver um bastão de cigarro em seu processo de consumo, este é aquecido e não queimado, tornando-o cerca de 80% a 85% menos prejudicial de acordo com várias pesquisas na área.

Liel Miranda

Scott Gottlieb, chefe de pesquisas do Food and Drug Administration (FDA), órgão regulamentador dos Estados Unidos assim como a Anvisa é para o Brasil, diz:

Está evidente pelos estudos que a combustão do tabaco é a principal fonte de substâncias cancerígenas e que, por essa razão, os cigarros eletrônicos, capazes de vaporizar e aquecer sem queimar, são muito menos prejudicais. Se não há como extinguir o cigarro dos hábitos de consumo, logo encontrar alternativas menos nocivas de entrega de nicotina precisam ser considerados.

Scott Gottlieb

Infelizmente o discurso da Anvisa é o mesmo de 10 anos atrás e insiste em dizer que não existem estudos que comprovem a segurança dos dispositivos, ignorando mais de 800 pesquisas científicas independentes que mostram sem sombra de dúvida que os cigarros eletrônicos são mais seguros e menos prejudiciais que o tabaco tradicional, provando que haveria significativo ganho em saúde para os mais de 20 milhões de fumantes no Brasil caso tivessem acesso aos produtos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Notícias relacionadas

DIY – Fabricar líquidos para cigarros eletrônicos em casa

Consumidores estão optando por fazer líquidos para vaporizadores em casa, conheça as vantagens e os riscos.

Cigarros eletrônicos para novatos

Vídeo didático com as principais informações sobre cigarros eletrônicos.

FAÇA A DIFERENÇA! PETIÇÃO para a ANVISA liberar o comércio de vape no BRASIL

Assine e participe do movimento de consumidores que quer regular o comércio no Brasil.

Entrevista do Vapor Aqui no Tec Mundo

Criador do projeto é entrevistado pelo maior portal de tecnologia do Brasil.

Cigarros eletrônicos NÃO entregam mais nicotina que o cigarro convencional

Uma importante informação compartilhada entre especialistas que simplesmente não é verdade.

A EVALI nunca teve relação com os vaporizadores de nicotina consumidos no Brasil

O que realmente aconteceu e como a mídia está divulgando informações falsas.

Newsletter

- Receba notícias em seu email

- Não compartilhamos emails com terceiros

- Cancele quando quiser

Últimas notícias

A EVALI nunca teve relação com os vaporizadores de nicotina consumidos no Brasil

O que realmente aconteceu e como a mídia está divulgando informações falsas.

Guia completo sobre segurança de pilhas

Evite acidentes, saiba os conceitos básicos de segurança para vaporizadores.

Especialistas criticam relatório da ANVISA sobre cigarros eletrônicos

Documento aponta falhas graves no relatório desenvolvido pela área técnica da ANVISA.

Como soltar peças presas do atomizador?

Saiba como resolver um problema comum dos consumidores.

Como trocar a proteção de pilhas

As pilhas utilizadas no vaping possuem capas de PVC para proteção que podem se desgastar com o tempo e...

Carregando corretamente seu vaporizador

Uma questão importante de segurança que pode evitar acidentes.

Diretores da ANVISA aprovam relatório que sugere manter a proibição do comércio de cigarros eletrônicos no Brasil

Diretores da ANVISA aprovam relatório que sugere manter a proibição do comércio de cigarros eletrônicos.

Muito JOIO, pouco TRIGO, entenda a guerra contra os cigarros eletrônicos no Brasil

Entenda a guerra de jogo de interesses travada contra os cigarros eletrônicos no Brasil.