Souza Cruz quer apagar o cigarro

Publicado:

Tempo de leitura: 2 minutos

A Souza Cruz é a líder do segmento de cigarros no Brasil com cerca de 80% do mercado e sofre com as quedas nas vendas de seus produtos não apenas porque o país passou a fumar menos nas últimas 3 décadas, mas principalmente por causa do contrabando, que representa números alarmantes de mais de 50% do mercado. Isso mesmo, mais da metade do cigarro consumido no Brasil é ilegal.

Já tratamos do assunto neste artigo e mostramos que mesmo com quase 81% de imposto, o contrabando de cigarros desequilibra esta conta e o custo em saúde é maior do que a arrecadação.

Para tentar remediar a situação, a Souza Cruz busca estratégias e há dois anos colocou um novo nome para sua presidência nacional, Liel Miranda, executivo sul-mato-grossense que está há 30 anos na BAT (British American Tobacco, dona da Souza Cruz) e já ocupou cargos de comando na China, Canadá e Inglaterra.

O novo presidente possui dois grandes desafios à frente, o primeiro é lutar contra o produto ilegal e assim diminuir as perdas que a indústria amarga no país e a segunda é fazer andar a pauta da liberação dos cigarros eletrônicos no Brasil, proibidos pela Anvisa desde 2009.

Com este segundo objetivo em mente a Souza Cruz segue o exemplo de sua maior concorrente, a Philip Morris, que no final do ano de 2017 foi à público declarar que estava fazendo uma “resolução de ano novo” dizendo que iria “parar com os cigarros” e se concentrar em uma migração gradativa para alternativas de risco reduzido como o tabaco aquecido e o cigarro eletrônico.

A aposta está neste novo mercado em franca expansão ao redor do mundo, cujo produto é naturalmente relacionado ao cigarro ou ao ato de fumar.

A Istoé dinheiro realizou uma entrevista com Liel Miranda que disse:

Há um consenso geral na literatura científica de que os cigarros eletrônicos são pelo menos 95% menos prejudiciais que o tabaco convencional, sendo grande parte disso por não apresentarem combustão, principal fonte de produção de substâncias cancerígenas. Por este motivo é que a indústria tabagista também aposta no tabaco aquecido, sistema que apesar de envolver um bastão de cigarro em seu processo de consumo, este é aquecido e não queimado, tornando-o cerca de 80% a 85% menos prejudicial de acordo com várias pesquisas na área.

Liel Miranda

Scott Gottlieb, chefe de pesquisas do Food and Drug Administration (FDA), órgão regulamentador dos Estados Unidos assim como a Anvisa é para o Brasil, diz:

Está evidente pelos estudos que a combustão do tabaco é a principal fonte de substâncias cancerígenas e que, por essa razão, os cigarros eletrônicos, capazes de vaporizar e aquecer sem queimar, são muito menos prejudicais. Se não há como extinguir o cigarro dos hábitos de consumo, logo encontrar alternativas menos nocivas de entrega de nicotina precisam ser considerados.

Scott Gottlieb

Infelizmente o discurso da Anvisa é o mesmo de 10 anos atrás e insiste em dizer que não existem estudos que comprovem a segurança dos dispositivos, ignorando mais de 800 pesquisas científicas independentes que mostram sem sombra de dúvida que os cigarros eletrônicos são mais seguros e menos prejudiciais que o tabaco tradicional, provando que haveria significativo ganho em saúde para os mais de 20 milhões de fumantes no Brasil caso tivessem acesso aos produtos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Outros artigos

Cientista é banido de conferência sobre cigarros eletrônicos por difamação de organização anti-vaping

O sociólogo norueguês Karl Erik Lund foi banido de uma conferência que ajudou a organizar por conta de acusações infundadas.

Procura-se morte por cigarros eletrônicos e paga-se bem

Que tal ganhar mais de 30 mil reais provando que os cigarros eletrônicos já provocaram alguma morte no mundo?

A ideia de que os sabores dos cigarros eletrônicos fisgam as crianças é simples, convincente – e falsa.

Cigarros eletrônicos com sabores são motivo de muito debate, mas em muitos casos acabamos por ter que usar o princípio da assimetria da besteira.

A lei brasileira sobre os cigarros eletrônicos e o panorama do país nos dias atuais

Conheça em detalhes a lei brasileira sobre cigarros eletrônicos e a situação geral do país em relação aos produtos.

Newsletter

- Receba notícias em seu email

- Não compartilhamos emails com terceiros

- Cancele quando quiser

Últimas notícias

Paulo Jubilut, biólogo famoso com mais de 2.5 milhões de inscritos no Youtube, divulga vídeo com fake news sobre o vape

Da quantidade de nicotina no vape e nos cigarros até Acetato de Vitamina E, o biólogo não fez a pesquisa necessária para tratar do tema.

Decisão da ANVISA sobre cigarros eletrônicos pode ser anulada pela câmara dos deputados

Ex-diretora Cristiane Jourdan é acusada de "politização do processo" e "revanchismo" na tentativa de manter o cargo.

Vape é oportunidade de colaboração entre indústria e governo para combater tabagismo

Estudos apontam que o cigarro eletrônico desempenha importante papel na redução de danos do tabaco, apoiando a prevenção de recaídas e crises de abstinência; caso da Nova Zelândia é considerado exemplar

Aumenta a certeza de que DEFs são mais eficazes para parar de fumar do que adesivos e gomas de mascar de nicotina

Conclusão foi da Biblioteca Cochrane, referência no mundo em revisão de pesquisas de saúde.

Vídeo mostra que falta de regulação do mercado vaping estimula trabalho infantil na China

O mercado não regulado de vaporizadores alimenta uma indústria ilegal que explora crianças.