Mesmo com 81% de impostos, cigarros dão prejuízo ao Brasil

Publicado:

Tempo de leitura: 2 minutos

O Brasil é um dos países que apostam na super-taxação de produtos derivados do tabaco como estratégia para combate ao tabagismo, cuja lógica é dificultar o acesso e assim evitar seu consumo.

Infelizmente vários países já apostaram em soluções similares que nem sempre apresentam resultados satisfatórios, pois este tipo de opção acaba por muitas vezes criando um ambiente propício para o contrabando e o mercado ilegal, que é exatamente o que ocorre no Brasil. Se tratando ainda de um produto que vicia, o consumidor não deixa de comprá-lo só porque ele está caro e quando não consegue pagar o preço do produto regulamentado, acaba recorrendo ao produto ilegal.

Os cigarros possuem uma taxação de 80.42% e para colocar em perspectiva, um maço ou carteira contendo 20 cigarros de uma marca conhecida, custa R$ 9,50 e tem um total de R$ 7,64 em impostos, sendo apenas R$ 1,86 de lucro para o fabricante. Isso contribui para criar um mercado ilegal que representa mais de 50% do produto consumido no Brasil. Isso mesmo, mais da metade dos cigarros comercializados no país são contrabandeados e não pagam nenhum imposto.

O resultado final deste cenário é um prejuízo para o país de quase R$ 60 bilhões anuais. Ao mesmo tempo que o recolhimento de imposto é falho, os danos à saúde são reais e presentes. Desse total quase R$ 40 bilhões são gastos com despesas médicas e outros R$ 20 bilhões com custos indiretos ligados à perda de produtividade, causada por incapacitação de trabalhadores ou morte prematura. A arrecadação de impostos com a venda de cigarros no país é de pouco menos de R$ 13 bilhões, o que gera saldo negativo de praticamente R$ 47 bilhões por ano, dados levantados pelo estudo “Tabagismo no Brasil: Morte, Doença e Política de Preços e Esforços”, feito com base em dados de 2015.

A doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) é a enfermidade relacionada ao tabagismo que mais gerou gastos para os sistemas público e privado de saúde em 2015, com R$ 16 bilhões. Doenças cardíacas vêm em segundo lugar, com custo de R$ 10,3 bilhões. Também entraram no levantamento o tabagismo passivo; cânceres diversos, entre os quais o de pulmão; acidente vascular cerebral (AVC) e pneumonia.

Em 2015, morreram no país 256.216 pessoas por causas relacionadas ao tabaco, o que representa 12,6% dos óbitos de pessoas com mais de 35 anos. O estudo informa ainda que, desse total, 35 mil foram vítimas de doenças cardíacas e 31 mil de DPOC. O câncer de pulmão é o quarto motivo de morte relacionado ao tabagismo, com 23.762 casos. O fumo passivo foi a causa de morte de 17.972 pessoas.

Com o comércio dos cigarros eletrônicos proibido desde 2009 pela RDC 46/2009 da Anvisa, nós perdemos uma possível alternativa ao tabagismo que poderia fomentar um mercado gerador de impostos, cujos produtos não teriam o mesmo problema de falsificação que os cigarros enfrentam, além de serem menos prejudiciais, deixando de gerar bilhões em custos de saúde ao governo e à sociedade.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Outros artigos

Cientista é banido de conferência sobre cigarros eletrônicos por difamação de organização anti-vaping

O sociólogo norueguês Karl Erik Lund foi banido de uma conferência que ajudou a organizar por conta de acusações infundadas.

Procura-se morte por cigarros eletrônicos e paga-se bem

Que tal ganhar mais de 30 mil reais provando que os cigarros eletrônicos já provocaram alguma morte no mundo?

A ideia de que os sabores dos cigarros eletrônicos fisgam as crianças é simples, convincente – e falsa.

Cigarros eletrônicos com sabores são motivo de muito debate, mas em muitos casos acabamos por ter que usar o princípio da assimetria da besteira.

A lei brasileira sobre os cigarros eletrônicos e o panorama do país nos dias atuais

Conheça em detalhes a lei brasileira sobre cigarros eletrônicos e a situação geral do país em relação aos produtos.

Newsletter

- Receba notícias em seu email

- Não compartilhamos emails com terceiros

- Cancele quando quiser

Últimas notícias

Paulo Jubilut, biólogo famoso com mais de 2.5 milhões de inscritos no Youtube, divulga vídeo com fake news sobre o vape

Da quantidade de nicotina no vape e nos cigarros até Acetato de Vitamina E, o biólogo não fez a pesquisa necessária para tratar do tema.

Decisão da ANVISA sobre cigarros eletrônicos pode ser anulada pela câmara dos deputados

Ex-diretora Cristiane Jourdan é acusada de "politização do processo" e "revanchismo" na tentativa de manter o cargo.

Vape é oportunidade de colaboração entre indústria e governo para combater tabagismo

Estudos apontam que o cigarro eletrônico desempenha importante papel na redução de danos do tabaco, apoiando a prevenção de recaídas e crises de abstinência; caso da Nova Zelândia é considerado exemplar

Aumenta a certeza de que DEFs são mais eficazes para parar de fumar do que adesivos e gomas de mascar de nicotina

Conclusão foi da Biblioteca Cochrane, referência no mundo em revisão de pesquisas de saúde.

Vídeo mostra que falta de regulação do mercado vaping estimula trabalho infantil na China

O mercado não regulado de vaporizadores alimenta uma indústria ilegal que explora crianças.