Pesquisa conclui que líquidos para vaporizadores com sabores não atraem jovens

Publicado:

Tempo de leitura: < 1 minutos

Os cigarros eletrônicos se transformaram em verdadeiros gadgets com telas de LCD, conexões bluetooth, cores e formas diferentes, cujos líquidos consumidos podem ter sabor de sobremesas famosas, frutas variadas, bebidas de todos os tipos e muitas outras variações. Tudo isso pode trazer uma grande preocupação pelo apelo do produto em conquistar adultos e jovens não fumantes, servindo inclusive de porta de entrada para o cigarro convencional.

Apesar de séria, a preocupação não parece ser fundamentada, como comprova um estudo realizado pelo site Nicotine & Tobacco Research, que faz parte do departamento de imprensa da Universidade de Oxford.

O estudo foi feito por 5 cientistas PHDs em áreas de interesse, que pesquisaram dois grupos distintos: um com 216 adolescentes entre 13 e 17 anos não fumantes e outro com 432 adultos entre 19 e 80 anos, fumantes há pelo menos 3 anos. Ambos deveriam indicar seu interesse em uma escala de 0 a 10 em cigarros eletrônicos que apresentavam sabores diversos.

O resultado mostrou que o interesse dos jovens não fumantes foi extremamente baixo (0.41 de um máximo de 10.00) e sequer foi alterado pelo potencial apelo dos sabores, enquanto o interesse dos adultos apesar de maior (1.73 de um máximo de 10.00), também foi relativamente baixo, apresentando o maior resultado apenas em adultos que já haviam experimentado os vaporizadores e apenas em função dos sabores.

A conclusão foi que o apelo aos sabores foi maior nos adultos fumantes do que nos jovens não fumantes, porém o interesse foi muito baixo em ambos os grupos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Outros artigos

Portal de notícias anti-vaping ataca cigarros eletrônicos, mas defende produtos da indústria tabagista

O portal O Joio e O Trigo defende tabaco aquecido, produto da indústria tabagista, ao atacar os cigarros eletrônicos.

Estudo que alegava diagnóstico de câncer mais cedo em consumidores de cigarros eletrônicos é retratado

Mídia brasileira fez grande divulgação de estudo com qualidade tão ruim que precisou ser retratado pelo Jornal Mundial de Oncologia.

Governo de São Paulo divulga FAKE NEWS sobre cigarros eletrônicos em suas redes sociais

Publicação em dois perfis oficiais do Gov. de SP apresenta informações falsas sobre cigarros eletrônicos.

Por que EUA, Nova Zelândia e outros 77 países liberaram cigarros eletrônicos e vapes?

Olhar para a experiência internacional ressalta a importância da regulamentação para garantir o controle e a destinação adequada de vapes.

Resumo do debate organizado pelo Poder360 – Cigarros eletrônicos – Por que rever a proibição é fundamental?

Evento em Brasília organizado pelo portal de notícias Poder360 convidou especialistas para discutir a regulamentação do comércio de cigarros eletrônicos no Brasil.

Especialistas em saúde pública pedem que autoridades dos EUA corrijam desinformação sobre cigarros eletrônicos – EVALI e “porta de entrada ao tabagismo”

Mais uma vez os principais peritos em saúde pública pedem que informações incorretas sobre cigarros eletrônicos sejam corrigidas.

Newsletter

- Receba notícias em seu email

- Não compartilhamos emails com terceiros

- Cancele quando quiser

Últimas notícias

Mídia brasileira divulga estudo de baixa qualidade que alega que diagnóstico de câncer ocorre mais cedo em usuários de cigarro eletrônico

O próprio Jornal Mundial de Oncologia alerta para a baixa qualidade dos dados apresentados no trabalho e sugere cautela na interpretação dos dados.

Cientista é banido de conferência sobre cigarros eletrônicos por difamação de organização anti-vaping

O sociólogo norueguês Karl Erik Lund foi banido de uma conferência que ajudou a organizar por conta de acusações infundadas.

Procura-se morte por cigarros eletrônicos e paga-se bem

Que tal ganhar mais de 30 mil reais provando que os cigarros eletrônicos já provocaram alguma morte no mundo?