Desinformação no vaping: Talvez estejamos apenas programados para acreditar no pior

Publicado:

Tempo de leitura: 4 minutos

Artigo de Christopher Snowdon publicado no The Critic que trazemos traduzido aqui, tratando sobre a desinformação acerca dos cigarros eletrônicos.

Um estudo publicado no ano passado descobriu que, se você mentir para as pessoas no Twitter, algumas delas acreditarão em você. Os pesquisadores mostraram a 2.400 fumantes alguns tweets sobre vaping, a maioria dos quais eram categoricamente falsos, e descobriram que aqueles que foram expostos a desinformação eram mais propensos a ter uma compreensão mais pobre dos riscos dos cigarros eletrônicos do que aqueles que foram expostos a informações precisas.

Até agora, nada surpreendente. O que foi notável foi o nível de ignorância exibido por quase todos, independentemente de quais tweets foram exibidos. Das pessoas que foram informadas de que o vaping é tão prejudicial ou mais prejudicial do que fumar, apenas 29% acreditavam que os cigarros eletrônicos contêm menos toxinas do que os cigarros. Este é um número lamentavelmente baixo, mas mesmo entre as pessoas que disseram que o vaping é “completamente inofensivo”, o número foi de apenas 43%. (Caso não seja óbvio – e aparentemente não é – os cigarros eletrônicos contêm muito menos toxinas do que os cigarros.)

Não importa quais mensagens foram mostradas, mais de 60% dos participantes acreditavam erroneamente que os cigarros eletrônicos continham alcatrão, e a grande maioria deles acreditava que o vaping causa “pulmão de pipoca”. Mesmo entre aqueles que foram informados de que o vaping é completamente inofensivo, 88% pensaram que os cigarros eletrônicos causam pulmão de pipoca.

Os fumantes britânicos eram menos ignorantes do que os americanos, mas ainda estavam profundamente confusos. No início do estudo, apenas 11% dos fumantes britânicos acreditavam corretamente que o vaping não causava pulmão de pipoca (em comparação com lamentáveis ​​6% dos fumantes americanos) e apenas 46% deles entendiam que os cigarros eletrônicos não contém alcatrão (entre os americanos era de apenas 27 por cento). Eles teriam se saído melhor obtendo suas opiniões no cara ou coroa.

As pessoas estão lamentavelmente mal informadas sobre os riscos do vaping

Esta deve ser uma das maiores falhas de saúde pública de todos os tempos. Todos os indicadores mostram que as pessoas não estão apenas mal informadas sobre os riscos do vaping, mas que sua ignorância piorou com o tempo. Isso vale tanto para fumantes quanto para não fumantes em qualquer país que você escolher citar. Na Inglaterra, a proporção de fumantes que acreditam erroneamente que o vaping é tão perigoso ou mais perigoso do que fumar aumentou de 36% em 2014 para 53% em 2020. A Inglaterra é um dos poucos países onde as agências de saúde pública se esforçam para dizer a verdade às pessoas. Nos EUA, onde não acreditam, a proporção de pessoas que acreditam corretamente que o vaping é muito menos prejudicial do que fumar caiu para apenas 2,6% em 2020. Pateticamente, dez vezes mais americanos pensam que o vaping é mais prejudicial.

Dados os benefícios comprovados dos cigarros eletrônicos na cessação do tabagismo, isso é nada menos que um escândalo. É ainda mais vergonhoso por ser consequência de disparates jorrados por pessoas que afirmam agir em nome da saúde pública. Apesar de ter sido repetidamente desmascarado, o mito do pulmão da pipoca continua a ser propagado por todos, desde a Campanha para Crianças Sem Tabaco até a American Lung Association. Embora nove em cada dez pessoas aparentemente acreditem, duvido que uma em cada cem saiba o que é pulmão de pipoca. O termo médico é bronquiolite obliterante, mas ganhou esse apelido quando alguns trabalhadores de uma fábrica de pipoca no Missouri desenvolveram a doença como resultado da inalação de um aromatizante chamado diacetil. O diacetil já foi usado como aromatizante em alguns vapes, embora não desde 2016, quando a União Europeia o proibiu. Nunca houve um caso registrado de pulmão de pipoca entre vapers em qualquer lugar. As doses são muito pequenas. Os cigarros contêm centenas de vezes mais diacetil do que um cigarro eletrônico jamais conteria e também nunca houve casos de pulmão de pipoca entre fumantes. 

Na Austrália, que perdeu completamente a cabeça com relação ao vaping, alguns cientistas sugeriram recentemente – sem um pingo de evidência – que o Polônio-210 está nos cigarros eletrônicos. Caso alguém tenha esquecido que este foi o produto químico usado para matar o ex-oficial da KGB Alexander Litvinenko em 2006, um deles disse ansiosamente à imprensa que o Polônio-2010 é “uma arma de espionagem. Os russos o usaram como veneno”.

Este interminável pinga-pinga de mentiras e insinuações inevitavelmente tem um efeito na opinião pública. Você pode esperar que os médicos sejam mais alfabetizados cientificamente, mas, pelo menos nessa questão, eles são mais ignorantes do que o homem da rua. Na Grã-Bretanha, 40% dos fumantes acreditam erroneamente que a nicotina causa câncer. Segundo uma pesquisa realizada no ano passado, esse número sobe para 60% entre os médicos britânicos. Mais uma vez, os britânicos têm mais conhecimento do que as pessoas na maioria dos outros países. Nos EUA, 67% dos médicos acham que a nicotina causa câncer. Na Índia, o número é de 88 por cento e na Indonésia é de impressionantes 97 por cento. 

É tentador acreditar que uma campanha de informação pública expondo os fatos aproximaria as percepções populares da realidade. Certamente não faria nenhum mal, mas a maioria das pessoas acredita no que quer acreditar e só aceita evidências que se alinhem com seus antecedentes. Todo mundo sabe que a mídia está mais interessada em más notícias do que em boas notícias, mas isso parece se aplicar às pessoas em geral. Os autores do estudo do Twitter mencionado acima descobriram que dizer às pessoas que os cigarros eletrônicos são mais perigosos do que realmente são tem mais efeito nas percepções de risco do que dizer às pessoas que os cigarros eletrônicos são menos perigosos do que são. Nem todas as mentiras são iguais. Eles concluíram: “As informações negativas são mais memoráveis ​​e atraentes do que as informações positivas e recebem um peso maior na formação de crenças”. Talvez estejamos apenas programados para acreditar no pior. 

Outros artigos

Reino Unido proibirá vapes descartáveis, restringirá sabores e fará mais coisas estúpidas

O governo do Reino Unido decidiu que proibirá os vaporizadores descartáveis ​​e sugere que proibirá os sabores dos vaporizadores. Isto irá desencadear mais tabagismo, mais comércio ilícito e mais soluções alternativas.

9 fatos e mitos sobre o vaping de acordo com o Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido

Menos prejudiciais do que fumar, ajudam contra o tabagismo, menos nicotina que os cigarros e outros fatos que o Brasil ignora sobre o vaping.

Mais um grande estudo confirma os benefícios dos cigarros eletrônicos

Um conjunto crescente de evidências mostra que os cigarros eletrônicos são muito mais seguros do que fumar e a ferramenta de cessação mais eficaz disponível.

FDA divulga dados de 2023 dos EUA com queda no tabagismo e no uso de vape adolescente após regulamentação

Tabagismo adolescente é o menor de todos os tempos e o consumo de cigarros eletrônicos continua caindo.

Colégio Real de Psiquiatras da Austrália e Nova Zelândia declara que vapes são alternativa mais segura do que o consumo de tabaco

Instituição declara que o vaping pode ser prescrito para pessoas adultas que fumam como forma de tratamento contra o tabagismo.

4 milhões de brasileiros já usaram cigarro eletrônico no Brasil e a maioria vê propaganda na TV

O relatório Covitel 2023 coletou informações de 9 mil pessoas, com 18 anos ou mais, entre janeiro e abril de 2023, e traz informações...

Newsletter

- Receba notícias em seu email

- Não compartilhamos emails com terceiros

- Cancele quando quiser

Últimas notícias

Manifestação a favor da regulamentação dos cigarros eletrônicos ocorre nesta sexta-feira em Brasília

Consumidores foram convocados a se concentrarem na frente do prédio da ANVISA a partir das 9h de sexta-feira (1º)

A desinformação sobre os cigarros eletrônicos faz vítimas reais

O estigma contra os produtos e consumidores vem causando danos graves na vida das pessoas.

Globo compartilha informações falsas em editorial que faz campanha contra cigarros eletrônicos

Contra seu próprio princípio editorial de isenção, Globo toma partido contra a regulamentação do vape no Brasil, usando informações falsas para causar pânico moral.

Apoiar a proibição dos cigarros eletrônicos no Brasil é apoiar o terrorismo

Cidadão Sírio que morou em Belo Horizonte financiou ações terroristas graças ao contrabando de cigarros eletrônicos no Brasil.

COP10 é cancelada em meio a acusações de censura, controvérsias e protestos no Panamá

Evento da OMS criticado por não permitir acesso a interessados contrários aos temas foi prejudicado pela agitação no país.