Desafios atuais que os governos enfrentam no controle do tabagismo

Publicado:

Tempo de leitura: 5 minutos

Hoje há uma tendência crescente em adotar Estratégias de Redução de Danos para complementar a cessação e prevenção do tabagismo e avaliar a Redução de Danos do Tabaco (RDT) como outro pilar das estratégias de saúde pública. Embora o objetivo final continue sendo um “mundo livre de fumo”, os defensores da RDT acreditam que os governos devem adotar uma perspectiva pragmática de saúde pública para fumantes que não param de fumar.

Durante a 5ª Cúpula Científica sobre Redução de Danos do Tabaco, os desafios que os governos enfrentam atualmente no controle do tabagismo foram discutidos em um painel com Vassilis Kontozamanis, antigo Ministro da Saúde da República Grega, e membros fundadores do SCOHRE David T. Sweanor JD (Canadá), que moderou a discussão, Karl E. Lund (Noruega), Sharifa Ezat Wan Puteh (Malásia) e Michael G. Toumbis (Chipre).

O controle do tabagismo é uma questão global e precisa ser visto de uma perspectiva global, disse o moderador Prof. Sweanor, e pediu aos palestrantes que compartilhassem suas opiniões sobre a importância de integrar estratégias de redução de danos aos esforços de controle do tabagismo em seus países, as formas que usam para diminuir a prevalência de tabagismo e os resultados que eles têm visto até agora.

Na Noruega, Dr. Karl E. Lund disse, a iniciação ao tabagismo entre os jovens é inferior a 2% e os fumantes regulares são aproximadamente 9% da população. Assim, o principal desafio que o governo norueguês enfrenta no controle do tabaco pode parecer bem diferente daqueles em países onde o tabagismo continua mais prevalente. Na Noruega, as pessoas consomem nicotina de outras formas, explicou o palestrante, usam principalmente o produto oral de tabaco chamado snus, que substituiu os cigarros no mercado de nicotina e tem sido há décadas o método mais popular para parar de fumar.

Como o snus serviu como uma alternativa de redução de danos muito eficaz aos cigarros, acrescentou, as autoridades reconheceram o fato de que o snus desempenhou um papel na redução do tabagismo, as diferenças de risco entre snus e cigarros foram comunicadas e o produto tem tributação mais baixa do que cigarros.

Agora, o próximo plano estratégico vai um passo além, incluindo medidas para minimizar todos os tipos de uso de nicotina, o que significa que a luta contra o tabagismo se tornou mais uma luta contra a nicotina. Assim, o debate sobre redução de danos do tabaco na Noruega está prestes a ser substituído por um debate em que as autoridades buscam justificativas para restringir o uso de produtos recreativos de nicotina.

É muito interessante observar e acompanhar os vários argumentos neste debate, disse o Dr. Lund, sobre várias questões, como o vício dos usuários em produtos de menor risco, o debate sobre redução de danos do tabaco na Noruega está prestes a ser substituído por um debate em que as autoridades buscam justificativas para restringir o uso de produtos recreativos de nicotina. É muito interessante observar e acompanhar os vários argumentos neste debate, disse o Dr. Lund, sobre várias questões, como o vício dos usuários em produtos de menor risco. 

Fumar é um assunto de grande importância na Malásia, Prof. Dr. Sharifa Ezat Wan Puteh disse, uma vez que é muito prevalente. Cerca de 40% dos homens com 15 anos ou mais no país, o fumo e o uso do tabaco é a principal causa de câncer, contribuindo para 22% do total de mortes relacionadas ao câncer, explicou. Embora a prevalência do tabaco mostre uma diminuição gradual durante as últimas duas décadas, continuou a Dra. Wan Puteh, parece ficar aquém da meta da Malásia de 15% de redução até 2025.

Uma das razões pelas quais a Malásia enfrenta um problema tão grande de fumar, é que o país continua a ser o maior mercado mundial de cigarros ilícitos. De acordo com os resultados de um estudo recente realizado pela Nielsen sobre cigarros ilícitos, ela observou, 57,7% do consumo de cigarros no país era ilícito. Na tentativa de resolver o problema, o Ministério da Saúde da Malásia propôs uma proibição geracional do tabaco, que (se aprovada) entrará em vigor a partir de 2025, quando os nascidos em 2007 completam 18 anos.

De acordo com essa proibição, qualquer pessoa nascida após 1º de janeiro de 2007 enfrentará uma multa alta se for pego comprando produtos de tabaco e vape, explicou ela, acrescentando que há um grande apoio para a proibição de fumar desta geração entre fumantes, vapers e não-fumantes/vapers. Infelizmente, disse o Dr. Wan Puteh, a maioria das pessoas acredita que, sem implementar outras medidas de redução de danos, essa proibição só aumentará as vendas no mercado negro sem diminuir a prevalência do tabagismo.

Não há objeção de que as estratégias de redução de danos tenham um papel nas estratégias de controle do tabaco, Dr. Michael G. Toumbis disse. A redução de danos do tabaco pode ser usada como uma estratégia complementar, mas nossa primeira prioridade em Chipre é a plena implementação e uso da OMS – FCTC (Convenção-Quadro para Controle do Tabaco). 

Infelizmente, explicou ele, o principal problema com a redução de danos é que não temos um produto, mas precisamos implementar regras para milhares de novos produtos. O exemplo mais impressionante de redução de danos vem da Suécia e Noruega com snus, indicou o Dr. Toumbis. Sua estratégia de redução de danos mostrou resultados realmente impressionantes para o controle do tabaco, mas esses países têm apenas um produto para controlar. O primeiro e mais importante passo no uso da redução de danos é ter controle e conhecimento do que você oferece como alternativa, e não é tão fácil regular e controlar tantos produtos de redução de danos.

Falando sobre a situação na Grécia, o Sr. Vassilis Kontozamanis sublinhou que o país conseguiu realizar uma mudança de paradigma no seu sistema de saúde. A estratégia do país é fazer avançar a saúde pública e não apenas gerir os problemas quotidianos do sistema de saúde, explicou. A lei “anti-tabagismo” que foi efetivamente implantada há alguns anos reforçou a vontade do governo de combater os efeitos do tabagismo – acrescentou – e o fato de quase toda a população ter cumprido a nova legislação foi muito impressionante. 

Claro, acrescentou, não podemos proibir tudo de uma vez, devemos fazê-lo passo a passo, aplicar políticas de controle do tabagismo e políticas de redução de danos. É por isso que aprovamos uma legislação que oferece alguma diferenciação para produtos de tabaco potencialmente menos nocivos, disse ele, e criamos comitês de especialistas que avaliam todos os produtos novos e inovadores, bem como serviços de vigilância para garantir que tudo seja executado de acordo com a lei. 

Os produtos de redução de danos podem ser ferramentas importantes para as estratégias de controle do tabagismo, mas temos que garantir que sejam seguros, por meio de mecanismos de monitoramento suficientes e bem estabelecidos; também, é claro, para instalar um marco regulatório para proteger os jovens da iniciação ao tabagismo. 

Eventualmente, todos nós gostaríamos de viver em um mundo sem fumaça, concluiu, mas neste momento devemos cuidar de todos aqueles que são fumantes e não querem ou não podem abandonar o uso de nicotina, e para isso precisamos de regulamentações, vigilância e outros estudos observacionais comparativos, por meio de mecanismos de monitoramento suficientes e bem estabelecidos; também, é claro, para instalar uma estrutura regulatória para proteger os jovens da iniciação ao tabagismo. 

Ao final da discussão, todos os painelistas concordaram que uma boa pesquisa científica e boas políticas podem beneficiar todos os países, e que é dever dos pesquisadores informar os consumidores sobre as alternativas que lhes são oferecidas.

Outros artigos

Reino Unido proibirá vapes descartáveis, restringirá sabores e fará mais coisas estúpidas

O governo do Reino Unido decidiu que proibirá os vaporizadores descartáveis ​​e sugere que proibirá os sabores dos vaporizadores. Isto irá desencadear mais tabagismo, mais comércio ilícito e mais soluções alternativas.

9 fatos e mitos sobre o vaping de acordo com o Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido

Menos prejudiciais do que fumar, ajudam contra o tabagismo, menos nicotina que os cigarros e outros fatos que o Brasil ignora sobre o vaping.

Mais um grande estudo confirma os benefícios dos cigarros eletrônicos

Um conjunto crescente de evidências mostra que os cigarros eletrônicos são muito mais seguros do que fumar e a ferramenta de cessação mais eficaz disponível.

FDA divulga dados de 2023 dos EUA com queda no tabagismo e no uso de vape adolescente após regulamentação

Tabagismo adolescente é o menor de todos os tempos e o consumo de cigarros eletrônicos continua caindo.

Colégio Real de Psiquiatras da Austrália e Nova Zelândia declara que vapes são alternativa mais segura do que o consumo de tabaco

Instituição declara que o vaping pode ser prescrito para pessoas adultas que fumam como forma de tratamento contra o tabagismo.

4 milhões de brasileiros já usaram cigarro eletrônico no Brasil e a maioria vê propaganda na TV

O relatório Covitel 2023 coletou informações de 9 mil pessoas, com 18 anos ou mais, entre janeiro e abril de 2023, e traz informações...

Newsletter

- Receba notícias em seu email

- Não compartilhamos emails com terceiros

- Cancele quando quiser

Últimas notícias

Manifestação a favor da regulamentação dos cigarros eletrônicos ocorre nesta sexta-feira em Brasília

Consumidores foram convocados a se concentrarem na frente do prédio da ANVISA a partir das 9h de sexta-feira (1º)

A desinformação sobre os cigarros eletrônicos faz vítimas reais

O estigma contra os produtos e consumidores vem causando danos graves na vida das pessoas.

Globo compartilha informações falsas em editorial que faz campanha contra cigarros eletrônicos

Contra seu próprio princípio editorial de isenção, Globo toma partido contra a regulamentação do vape no Brasil, usando informações falsas para causar pânico moral.

Apoiar a proibição dos cigarros eletrônicos no Brasil é apoiar o terrorismo

Cidadão Sírio que morou em Belo Horizonte financiou ações terroristas graças ao contrabando de cigarros eletrônicos no Brasil.

COP10 é cancelada em meio a acusações de censura, controvérsias e protestos no Panamá

Evento da OMS criticado por não permitir acesso a interessados contrários aos temas foi prejudicado pela agitação no país.