Como podemos incentivar a redução de danos enquanto protegemos os jovens da adoção do uso de nicotina?

Publicado:

Tempo de leitura: 5 minutos

Durante a 5ª Cúpula Científica sobre Redução de Danos do Tabaco o discurso de abertura, presidido pelo Professor Konstantinos Farsalinos, o Dr. Lion Shahab do Reino Unido apresentou evidências e discutiu a importância do novo desafio que precisa ser enfrentado: a dificuldade de incentivar e estabelecer a Redução de Danos ao mesmo tempo em que protege os jovens de adotar o uso de nicotina.

O uso de um vaporizador de nicotina continua sendo a ajuda mais popular usada em uma tentativa de parar de fumar, e há fortes evidências de que esses produtos são eficazes para a cessação e redução do tabagismo. No entanto, há um crescente “medo” de que as políticas de redução de danos do tabaco encorajem a aceitação do vaping e, portanto, o vício em nicotina pelos jovens.

A Redução de Danos foi aceita por governos de todo o mundo para quase tudo (por exemplo, uso de drogas intravenosas, álcool, acidentes de carro e motocicleta), exceto de tabaco e fumo, disse o professor Konstantinos Farsalinos. No tabagismo, a Redução de Danos é uma questão muito controversa e de debate há muitos anos, devido ao risco de que os novos produtos alternativos ao cigarro possam tornar-se bastante populares entre os jovens e não fumadores, aumentando a dependência da nicotina, explicou, saudando e apresentando o Professor Lion Shahab, especialista na área de Redução de Danos do Tabaco e Controle do Tabaco.

A lógica por trás da abordagem de Redução de Danos do Controle do Tabaco, o Professor Dr. Lion Shahab sublinhou no início de seu discurso, é que, apesar de mais de 70 anos de pesquisa; milhares de relatórios de autoridades de saúde; centenas de campanhas de promoção da saúde; inúmeras mudanças legislativas e intervenções de cessação do tabagismo sendo implementadas, ainda há fumantes que não podem ou não estão dispostos a parar de fumar.

As estratégias de Controle do Tabaco visam diminuir os danos causados ​​pelo uso do tabaco, reduzindo a participação no uso e consumo de tabaco e aumentando a cessação, disse ele, apresentando, consequentemente, evidências sobre o impacto na saúde e a eficácia de diferentes produtos alternativos aos cigarros combustíveis, como snus, tabaco aquecido e cigarros eletrônicos.

Há fortes evidências de que os vaporizadores de nicotina são realmente eficazes para a cessação e redução do tabagismo, disse o professor Shahab, mencionando os resultados de um estudo do Reino Unido segundo o qual o uso de cigarros eletrônicos aumenta significativamente o sucesso das tentativas de parar.

Infelizmente, continuou ele, a evolução dos cigarros eletrônicos ao longo dos anos, dos “cigalikes” descartáveis, aos tanques recarregáveis, cápsulas de pré-enchimento e as novas “barras” descartáveis, mudou seus padrões de uso e levou a um aumento muito pronunciado de uso de cigarros eletrônicos pelos jovens em comparação com as idades mais avançadas. De acordo com os resultados de uma pesquisa recente, acrescentou, o uso dos produtos em geral aumentou significativamente e, pela primeira vez, parece ultrapassar o uso de cigarros no Reino Unido.

Os jovens adultos são particularmente vulneráveis ​​a se tornarem viciados porque são mais facilmente influenciados pela pressão dos colegas e influências externas, como marketing, e seu cérebro em desenvolvimento é afetado mais fortemente pela exposição a substâncias viciantes.

Um motivo de preocupação na juventude é o conceito de porta de entrada, segundo o qual existe a possibilidade de uma progressão causal do uso legal/”suave” iniciado na adolescência para o uso de polidrogas ilícitas/”duras”, mas as evidências para a porta de entrada ainda são bastante fracas, Dr. Shahab disse. O conceito de porta de entrada é problemático porque requer um cenário contrafactual a ser testado, explicou ele, acrescentando que, se os cigarros eletrônicos desviam mais jovens do tabagismo do que recrutam para fumar, então seu uso é positivo, embora não possamos excluir a possibilidade de novos produtos para alterar esse equilíbrio.

Ainda assim, neste ponto, o professor Lion Shahab concluiu seu discurso, há evidências claras de que os cigarros eletrônicos (mas também snus e outros produtos de danos reduzidos) são benéficos para os fumantes existentes, com poucas evidências de efeitos de entrada. É claro que, para engajar os fumantes e os jovens corretamente, precisamos de informações/legislação precisas, favorecendo os cigarros eletrônicos em detrimento dos cigarros, ao mesmo tempo em que reduzimos o apelo ao estilo de vida. Incentivar os fumantes e crianças que fumariam de qualquer maneira a usar o cigarro eletrônico enquanto evita o uso paralelo do produto entre crianças que nunca fumariam, ele mencionou, é uma tarefa complicada e difícil de ser alcançada. Uma coisa importante a lembrar é que o risco de absorção do cigarro eletrônico é menos importante em um clima onde os cigarros ainda estão amplamente disponíveis e usados. Claro, uma vez no final do jogo, o professor Shahab disse:

É realmente uma tarefa muito complicada encontrar o equilíbrio certo, concordou o Professor Farsalinos, mencionando que as políticas do setor de Saúde Pública parecem caminhar para uma meta de Controle de Nicotina em vez de Controle de Tabaco e Tabagismo. É claro que a nicotina é viciante, disse o professor Shahab, mas hoje em dia deveríamos estar mais preocupados com o vício em cigarros e não com o vício em nicotina. Devemos lembrar que os cigarros ainda estão no mercado e são muito perigosos, muito mais do que a nicotina sozinha. Precisamos de regulamentações, mas não podemos ser a priori negativos e manipular informações porque não queremos que as pessoas usem esses novos produtos; devemos fornecer às pessoas informações completas e precisas. A manipulação de informações não é ética e eventualmente pode causar danos, concluiu o Dr. Shahab.

O Dr. Shahab é professor de Psicologia da Saúde na University College London e ex-presidente da Society for Research on Nicotine and Tobacco – Europe. Ele se formou em psicologia, epidemiologia e neurociência e tem quase duas décadas de experiência em pesquisa de vícios, controle do tabaco e psicologia da saúde. A experiência do Dr. Shahab abrange o trabalho em novas intervenções comportamentais e farmacológicas de cessação do tabagismo, biomarcadores, regulamentação e política de produtos de tabaco, saúde digital e epidemiologia do uso de tabaco e álcool. O Dr. Shahab colaborou com parceiros acadêmicos e não acadêmicos (por exemplo, governamentais e não governamentais) e até o momento é autor de mais de 190 artigos científicos, relatórios e revisões nesta área.

Konstantinos Farsalinos, MD, MPH é médico e pesquisador da Universidade de Patras e da Escola de Saúde Pública da Universidade de West Attica, na Grécia. Ele vem realizando pesquisas laboratoriais, clínicas e epidemiológicas sobre tabagismo, redução de danos do tabaco e cigarros eletrônicos como investigador principal desde 2011. Ele é o autor da primeira revisão sistemática sobre segurança/perfil de risco do cigarro eletrônico, publicada em 2014. Além disso, ele realizou , pesquisou e publicou estudos sobre produtos de tabaco aquecidos. Suas descobertas foram apresentadas em grandes congressos científicos internacionais e seus estudos foram usados ​​na preparação do marco regulatório sobre cigarros eletrônicos pela União Européia. No início de 2020, ele publicou mais de 85 estudos e artigos em revistas científicas internacionais revisadas por pares sobre tabagismo, redução de danos do tabaco e produtos de nicotina alternativos ao fumo. Foi editor de manipulação e autor de um livro intitulado “Analytical assessment of e-cigarettes”, publicado pela Elsevier em 2017. Recentemente, foi declarado Pesquisador Altamente Citado 2019 pela Web of Science, lista de pesquisadores com maior impacto em ciência global em 21 campos científicos na última década.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Outros artigos

Cientista é banido de conferência sobre cigarros eletrônicos por difamação de organização anti-vaping

O sociólogo norueguês Karl Erik Lund foi banido de uma conferência que ajudou a organizar por conta de acusações infundadas.

Procura-se morte por cigarros eletrônicos e paga-se bem

Que tal ganhar mais de 30 mil reais provando que os cigarros eletrônicos já provocaram alguma morte no mundo?

A ideia de que os sabores dos cigarros eletrônicos fisgam as crianças é simples, convincente – e falsa.

Cigarros eletrônicos com sabores são motivo de muito debate, mas em muitos casos acabamos por ter que usar o princípio da assimetria da besteira.

A lei brasileira sobre os cigarros eletrônicos e o panorama do país nos dias atuais

Conheça em detalhes a lei brasileira sobre cigarros eletrônicos e a situação geral do país em relação aos produtos.

Newsletter

- Receba notícias em seu email

- Não compartilhamos emails com terceiros

- Cancele quando quiser

Últimas notícias

Paulo Jubilut, biólogo famoso com mais de 2.5 milhões de inscritos no Youtube, divulga vídeo com fake news sobre o vape

Da quantidade de nicotina no vape e nos cigarros até Acetato de Vitamina E, o biólogo não fez a pesquisa necessária para tratar do tema.

Decisão da ANVISA sobre cigarros eletrônicos pode ser anulada pela câmara dos deputados

Ex-diretora Cristiane Jourdan é acusada de "politização do processo" e "revanchismo" na tentativa de manter o cargo.

Vape é oportunidade de colaboração entre indústria e governo para combater tabagismo

Estudos apontam que o cigarro eletrônico desempenha importante papel na redução de danos do tabaco, apoiando a prevenção de recaídas e crises de abstinência; caso da Nova Zelândia é considerado exemplar

Aumenta a certeza de que DEFs são mais eficazes para parar de fumar do que adesivos e gomas de mascar de nicotina

Conclusão foi da Biblioteca Cochrane, referência no mundo em revisão de pesquisas de saúde.

Vídeo mostra que falta de regulação do mercado vaping estimula trabalho infantil na China

O mercado não regulado de vaporizadores alimenta uma indústria ilegal que explora crianças.