Image default
Notícias

FDA autoriza a venda nos EUA do Iqos, produto de tabaco aquecido da Philip Morris

Éverdade que o Vapor Aqui se concentra no vaping como alternativa para o combate ao tabagismo, mas não nos limitamos a isso. Já falamos aqui de outros produtos de risco reduzido como o tabaco oral e também o tabaco aquecido representado por produtos de todas as grandes marcas de tabaco como a BAT, JTI e Philip Morris.

Dentre elas, a Philip Morris saiu na frente e deu um passo crucial para estabelecer seu produto no mercado mundial, conseguindo aprovação da FDA para comercialização do Iqos, seu produto de tabaco aquecido, no mercado americano.

Em breve teremos uma análise completa do produto em nosso canal do Youtube, se você ainda não é inscrito, aproveite e inscreva-se clicando aqui. Confira abaixo o press-release da notícia, cortesia da Philip Morris.


Agência de Vigilância Sanitária americana (FDA) confirmou que o IQOS, sistema de tabaco eletricamente aquecido da Philip Morris International, é apropriado para a proteção da saúde pública e o autorizou a ser vendido nos EUA.

A decisão da FDA segue uma avaliação abrangente da ciência do produto de tabaco aquecido solicitada pela Philip Morris International em 2017.

Ao contrário dos cigarros, o sistema IQOS aquece – mas não queima – o tabaco. É o primeiro produto de tabaco aquecido eletricamente a ser autorizado para venda nos EUA, de acordo com a lei de 2009 que autoriza a FDA a regulamentar os produtos de tabaco, inclusive por meio da supervisão de produtos inovadores.

Comentando o anúncio do FDA, André Calantzopoulos, CEO da PMI, disse:

A decisão da FDA de autorizar o IQOS nos EUA é um passo importante para os cerca de 40 milhões de homens e mulheres americanos que fumam. Alguns vão desistir. A maioria não, e para eles a IQOS oferece uma alternativa livre de fumaça. Em apenas dois anos, 7,3 milhões de pessoas em todo o mundo abandonaram os cigarros e mudaram completamente para o IQOS. A decisão de hoje do FDA torna esta oportunidade disponível para fumantes adultos americanos. Todos nós da PMI estamos determinados a substituir os cigarros por alternativas sem fumaça que combinem tecnologia sofisticada e validação científica intensiva. O anúncio da FDA é um marco histórico

Ele acrescentou:

O pedido estabelece diretrizes claras de comercialização, incluindo requisitos de marketing, que maximizam a oportunidade de os adultos trocarem de cigarro, enquanto minimizam o uso não intencional. Apoiamos plenamente esse objetivo. A FDA estabeleceu um alto padrão e esperamos trabalhar com eles para implementar o pedido de modo que o IQOS alcance o público-alvo certo – os fumantes adultos atuais.

A PMI trará o IQOS ao mercado dos EUA por meio de uma licença exclusiva com o Altria Group, Inc., cuja subsidiária Philip Morris USA possui a especialização de mercado e a infraestrutura para garantir um lançamento bem-sucedido. A PM USA está pronta para implantar seus planos iniciais de mercado para o IQOS.

Em paralelo a FDA continua avaliando o pedido da PMI para registrar IQOS como um Produto de Tabaco de Risco Modificado (MRTP).

No Brasil por conta de uma regulamentação da Anvisa de 10 anos atrás essas novas tecnologias ainda não estão disponíveis para os adultos fumantes brasileiros.

De acordo com o Diretor de Assuntos Externos da Philip Morris, Fernando Vieira:

Diferente dos Estados Unidos, a regulamentação no Brasil impede a avaliação clara e objetiva dessas novas tecnologias que já são realidade em praticamente toda a Europa, Ásia e agora nos Estados Unidos. A evolução desse tema na Anvisa tem ocorrido de maneira muito tímida e tem dado espaço cada vez mais à desinformação. Sem opções, esse consumidor fica aprisionado ao cigarro combustível, que é a pior forma de consumir nicotina. Fica cada vez mais notória a necessidade de que essas tecnologias sejam avaliadas criteriosamente e cientificamente no Brasil na perspectiva de poder oferecer a adultos fumantes alternativas que tem se provado melhores do que o uso de cigarros. O Brasil não pode se furtar a debater esse tema.

Sobre a Philip Morris Brasil
Afiliada da Philip Morris International (PMI), líder no mercado de tabaco, dedicada à fabricação e venda de cigarros, produtos de aquecimento de tabaco, dispositivos e acessórios eletrônicos, a Philip Morris Brasil atua no País desde 1973. A companhia está liderando uma transformação no setor para criar um futuro sem fumaça, substituindo os cigarros por alternativas sem fumaça que, embora não sejam isentas de riscos, são uma escolha muito melhor do que continuar fumando. Com áreas multidisciplinares em desenvolvimento, instalações de última geração e comprovação científica, a PMI visa garantir que seus produtos sem fumaça atendam às preferências dos consumidores adultos e aos rigorosos requisitos regulatórios, para benefício da sociedade, da empresa e de seus acionistas. O novo portfólio da PMI inclui tabaco aquecido e e-cigs que contém nicotina. A PMI estima que, em 31 de dezembro de 2018, aproximadamente 6,6 milhões de adultos fumantes em todo o mundo já tenham parado de fumar e migrado para o uso de seu produto de tabaco aquecido, IQOS, que atualmente está disponível para venda em 44 mercados.

Para mais informações, acesse www.pmi.com/markets/brazil/pt/science-and-innovation


E o que isso pode mudar para o nosso vaping no Brasil?

Muita coisa!

O FDA é um órgão extremamente rigoroso e aprovar este tipo de produto é um passo importante na aceitação de outros tipos de métodos de consumo de nicotina com risco reduzido não só por lá, mas também por aqui, através da influência que esta decisão pode causar na Anvisa, nossa agência reguladora.

Esperamos que nosso governo possa olhar para um país de primeiro mundo como os Estados Unidos e ver que este tipo de debate deve existir e que já existem inúmeras pesquisas na área que garantem os benefícios de se analisar a liberação, feita de forma planejada e com regras rigorosas para atingir o público alvo adequado, de soluções como o tabaco aquecido cujo consenso científico estabelece um risco de 80% a 90% menor que o consumo de cigarros convencionais e obviamente o vaping cuja estatística de risco reduzido é ainda maior, de 95% a 99%.

Artigos relacionados

Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação. Imaginamos que você esteja feliz com isso, mas caso não queira, você pode optar por não aceitar. Aceitar Leia mais