Image default
Notícias Vapor Gourmet

A arte de fazer um juice

uma das partes mais importantes do vaping, os juices nem sempre recebem a devida atenção dos novatos, sendo comum se preocupar em comprar o melhor equipamento possível, mas nem sempre adquirindo um bom líquido para começar.

Lógico que é essencial comprar um bom aparelho, investir em boas baterias e escolher aquele atomizador que vai lhe proporcionar a experiência que você procura, mas uma Ferrari não vai servir de nada sem gasolina ou com combustível de baixa qualidade. O juice que consumimos é que vai ditar a maior parte da experiência e também o impacto com a nossa saúde.

Temos juices importados e muitas opções nacionais, além da possibilidade de fazer em casa no chamado DIY sigla americana que significa “Do It Yourself” traduzindo para “Faça Você Mesmo”, normalmente usado no mundo do vapor para se referir aos líquidos, apesar de que também é usado, em menor escala, para se referir aos mods e aparelhos caseiros.

Comprar prontos ou fazer os próprios juices?


Primeiro é preciso deixar claro que aquele juice que se diz super premium quase sempre não tem nenhum ingrediente secreto que impeça você de fazer igualzinho em casa. Todo juice tem os mesmos componentes: Propilenoglicol (PG), glicerina vegetal (VG), essências de sabor e nicotina.

Apesar de muitos juices no mercado se descreverem como “premium”, a verdade é que pouquíssimas marcas realmente o são. Consideramos apenas aquelas que possuem extratos exclusivos tornando o produto realmente único.

Questões de higiene, qualidade na produção, sabor aparente e equilibrado, apresentação do produto, tudo isso é básico e obrigatório para qualquer marca que se preze, então não há realmente uma distinção grande entre elas, fora unicamente a competência no desenvolvimento da receita.

Isso quer dizer que do ponto de vista da higiene e segurança você pode criar um ambiente propício na sua própria casa que lhe permita fazer líquidos com grande qualidade. Se eles serão gostosos vai depender unicamente da sua receita.

Se você optar por comprar prontos, sua única preocupação será buscar um bom fornecedor. Se você está começando neste mundo, sugiro ficar com aqueles que já estão no mercado há algum tempo. Na dúvida procure por indicações nas mídias sociais, principalmente nos grupos de Facebook.

Agora se você estiver disposto a aprender a fazer seus próprios juices, é possível produzir líquidos que não devem nada aos famosos e não raro ficam até melhores, custando muito menos.

As essências de sabor são os itens mais caros, porém representam em média apenas 5% a 15% do líquido, sendo todo o resto uma mistura de Propilenoglicol, glicerina vegetal e nicotina, produtos relativamente baratos. A glicerina é responsável por produzir vapor e é levemente doce, o propilenoglicol conduz sabor e aumenta o throat hit, que é o arranhar na garganta da nicotina. A nicotina também influencia um pouco e deixa o sabor um pouco picante.

Apesar da economia, fazer juices requer alguns cuidados para que você possa aproveitar o máximo que o DIY pode oferecer e isso claro vai exigir mais esforço e paciência do que comprar juices prontos e nem todo mundo está disposto a passar por isso.

São nas essências que a verdadeira mágica acontece.


Não é objetivo deste artigo explicar como fazer DIY, para isso temos um tutorial bem completo que você pode conferir clicando aqui.

Vamos apenas recapitular que além de PG, VG e opcionalmente Nicotina um juice também recebe essências de sabor na quantidade e combinação que você quiser, portanto nada impede que você misture café com abacaxi ou morango com limão. O resultado final será definido pelos tipos de sabor usados e o quanto você usou de cada um.

Podemos produzir com as mesmas duas essências juices completamente diferentes. 10% de morango e 5% de creme cria um juice de morango com fundo de creme. Se invertermos as proporções e combinarmos 10% de creme com 5% de morango teremos um juice de creme com fundo de morango. O resultado é consideravelmente diferente.

São estes detalhes que tornam a criação de uma receita um processo longo, metódico e que pode ser ao mesmo tempo fascinante para alguns e extremamente chato para outros, o que define a fronteira entre aqueles que topam fazer seus juices e aqueles que não querem se preocupar com isso e passarão a comprar os fabricados, que cobram por todo esse trabalho que foi feito para você.

Muitas coisas vão influenciar o produto final. Uma essência de morango de um fabricante será bem diferente da mesma essência fabricada pelo concorrente. Cada fabricante possui diferentes tipos de um mesmo sabor. Há por exemplo o “morango natural”, “morango doce”, “morango doce cremoso”, “morango maduro” e tantos outros, todos diferentes entre si.

A combinação das essências altera muito o resultado. Um creme quando combinado com marshmallow tostado vai criar um subproduto diferente do que quando combinado com uma baunilha amanteigada. A mistura entre essências similares também cria novos resultados. Um creme bávaro quando combinado com um creme doce cria um terceiro tipo de creme.

É por isso que tentar copiar um juice que você gostou é uma tarefa bem complicada, não sendo apenas comprar os sabores que você sentiu e misturar tudo num frasco. Qualquer um pode fazer um bolo de chocolate de caixinha que fique gostoso, mas o bolo feito por um verdadeiro confeiteiro é algo a se apreciar não é mesmo?

O processo de fazer uma receita


Fazer um juice gostoso em casa não é difícil pois você pode utilizar qualquer uma das milhares receitas disponíveis na Internet, bastando comprar os ingredientes específicos para aquelas que você escolher. Desenvolver uma receita original realmente boa é um monstro totalmente diferente e exige tempo, paciência, dedicação, análise, experiência e muita tentativa e erro.

É preciso entender cada sabor de forma individual, portanto é preciso fazer juices com sabores isolados, aguardar seu tempo de maturação, provar e anotar os resultados. Dependendo do sabor, o processo de maturação pode ser diferente, exigindo constante acompanhamento das amostras.

A percepção e o talento em sentir e analisar sabores são imprescindíveis. Cada essência, mesmo quando isolada, possui nuances de sabor por si própria. Uma essência de marshmallow pode ser multifacetada e ter um fundo tostado, uma base cremosa, uma nota floral, entre tantas outras possibilidades. Além disso existem composições químicas que não funcionam entre si ou pelo contrário, combinam muito bem e se potencializam, por conta de seus componentes moleculares.

As notas de sabor

Apesar de termos percepções diferentes, o mecanismo em que elas ocorrem são os mesmos. A percepção de um sabor de juice pode ser dividido em notas. Temos notas de base, altas, de correlação e de suporte.

  • Notas altas: é o que você percebe primeiro ao inalar o vapor, em um juice de morango com creme a nota alta é o morango.
  • Notas de base: é o fundo do juice, que você normalmente percebe ao exalar o vapor, no mesmo exemplo de morango com creme, a nota base é o creme.
  • Notas de correlação: é a criação de um sabor obtido na junção de outros dois, que se complementam e potencializam. A combinação de merengue com marshmallow cria um terceiro sabor único, doce, redondo e suave. Podem ser usadas também para notas altas (morango maduro cremoso) ou de base (creme amanteigado).
  • Notas de suporte: são aquelas que criam uma ponte de ligação entre as notas altas e a de base. Um juice de morango com creme pode ter uma nota de suporte criada com uma essência de bolacha ou de pão de ló ou ainda de massa de bolo, que torna as duas coisas distintas em uma terceira coisa homogênea.

Faça o que for melhor para você, só cuide da segurança


Atualmente temos excelentes opções de juices nacionais para aqueles que não têm o interesse em fazer seus próprios juices, não sendo necessário pagar caro nas marcas importadas para se ter sabor e vapor de qualidade. Mesmo assim fazer seus próprios juices não é difícil e além de divertido, é mais barato e pode render bons resultados.

Apenas devemos cuidar de nossa segurança. Como qualquer um com um pouco de boa vontade pode fazer seus próprios juices, colocar em um frasco com rótulo e vender, é preciso se preocupar com o que você está consumindo. Se for comprar, verifique informações sobre a marca, peça opiniões de outros vapers, se realmente quiser comprar de um fabricante menos conhecido, peça ao produtor informações sobre o processo de manufatura, se possível com fotos do ambiente em que os líquidos são feitos.

Se for se aventurar a fazer seus juices use luvas e máscara especialmente se for lidar com nicotina. Compre insumos de qualidade e só use as essências recomendadas pela comunidade. Jamais tente extrair suas próprias essências usando qualquer tipo de método pois isso é perigoso e você pode criar subprodutos oleosos que se inalados causam problemas graves de saúde. Essências nacionais também nem pensar, já testamos e não é uma boa ideia, leia sobre o assunto neste artigo.

Deixamos de fumar e paramos de nos intoxicar com um monte de porcaria, seria um despropósito passar a consumir produtos que façam mal por pura falta de interesse em escolher melhor o que consumir.

Artigos relacionados

Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação. Imaginamos que você esteja feliz com isso, mas caso não queira, você pode optar por não aceitar. Aceitar Leia mais

Assine nossa newsletter!

e fique ligado nas novidades

Saiba tudo o que acontece sobre o vaping no Brasil e no mundo. Seus dados não serão compartilhados e só vamos lhe avisar sobre coisas importantes e bem legais!